Dourados – MS sábado, 13 de abril de 2024
29º
Cultura

Conceição Evaristo é eleita nova imortal da Academia Mineira de Letras

Ficcionista e poeta mineira ocupará a cadeira de nº 40

16 Fev 2024 - 19h30Por Ana Cristina Campos, Agência Brasil - Rio de Janeiro
Conceição Evaristo é eleita nova imortal da Academia Mineira de Letras - Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

A Academia Mineira de Letras elegeu nesta quinta feira (15) a nova ocupante da cadeira de nº 40. Conceição Evaristo  é ficcionista, poeta mineira e um dos nomes mais importantes da literatura brasileira contemporânea, com traduções para o inglês, francês, espanhol, árabe, italiano e eslovaco.

Segundo a comissão de apuração, formada pelos acadêmicos Antonieta Cunha, J. D. Vital e Luis Giffoni, a escritora disputou a cadeira com outros cinco candidatos e foi eleita com 30 votos, entre 34 votantes. A cadeira de nº 40 foi fundada por Pinto de Moura e tem como patrono Visconde de Caeté. Já foi ocupada por Affonso Penna Júnior e, depois, pela professora doutora, ensaísta, romancista, poeta e crítica literária Maria José de Queiroz, falecida em novembro do ano passado.

“A chegada de Conceição Evaristo à Academia Mineira de Letras, a par do reconhecimento de sua trajetória como professora, romancista e poeta, com justiça celebrada no Brasil e no exterior, tem também o sentido de impregnar esta casa com suas qualidades e história de vida, essa prática da literatura por ela denominada escrevivência. Uma vivência, aliás, profundamente marcada por Minas e por Belo Horizonte”, disse, em nota, o presidente da Academia Mineira de Letras, Jacyntho Lins Brandão.

Ainda sobre Conceição, a acadêmica Maria Esther Maciel acrescenta: “Uma das escritoras mais notáveis da literatura brasileira contemporânea e poderosa representante das mulheres negras em nosso país, Conceição Evaristo vem trazer para a Academia Mineira de Letras a força da negritude, da diversidade e dos saberes afro-brasileiros. Sua eleição é um grande acontecimento literário e político-cultural para Minas e o Brasil.”

Conceição Evaristo

Nascida na favela do Pindura Saia, na região centro-sul da capital mineira, Maria da Conceição Evaristo de Brito teve sua primeira publicação lançada em 1990 na série Cadernos Negros, antologia coordenada pelo grupo Quilombhoje, coletivo de escritores afro-brasileiros de São Paulo.

Suas primeiras obras individuais, Ponciá Vicêncio (2003) e Becos da Memória (2006) foram publicadas pela Mazza Edições, seguidas por Poemas da Recordação e outros movimentos (2008) e Insubmissas lágrimas de mulheres (2011), ambos pela Editora Nandyala; as duas, editoras mineiras sediadas em Belo Horizonte.

As obras anteriores foram reeditadas, e até o momento, Conceição Evaristo, além da participação em várias antologias nacionais e estrangeiras tem as seguintes obras publicadas: Ponciá Vicêncio (Pallas); Becos da Memória (Pallas); Poemas da Recordação e Outros movimentos (Malê); Insubmissas Lágrimas de Mulheres: contos (Malê); Olhos d’água (Pallas); História de Leves Enganos e Parecenças (Malê).

As obras mais recentes são Canção para Ninar Menino Grande (Pallas) e Macabéa: flor de Mulungu (Oficina Raquel).

A escritora participa das antologias Cadernos Negros (Quilombhoje, 1990); Schwarze prosa e Schwarze poesie, (Alemanha, 1993); Moving beyond boundaries: international dimension of black women’s writing (1995); Women righting – Afro-brazilian Women’s Short Fiction, (Inglaterra, 2005); Finally Us: contemporary black brazilian women writers (1995); Fourteen female voices from Brazil, (Estados Unidos, 2002); Chimurenga People (África do Sul, 2007), Callaloo, vols 18 e 30 (1995, 2008), entre outras.

Sua produção é constituída de poemas, contos, romances e ensaios, em grande parte traduzida para o inglês, francês, árabe, espanhol, eslovaco e italiano.

Em 2015, recebeu o Prêmio Jabuti na categoria contos e crônicas pelo livro Olhos D’água. Em 2017 recebeu o Prêmio Cláudia na categoria Cultura; já em 2018, o Prêmio Revista Bravo na categoria Destaque, o Prêmio do Governo de Minas Gerais pelo conjunto de sua obra, o Prêmio Nicolás Guillén de Literatura pela Caribbean Philosophical Association e o Prêmio Mestre das Periferias pelo Instituto Maria e João Aleixo.

Em 2019, foi a grande homenageada do 61° Prêmio Jabuti como personalidade literária. Em 2023, foi agraciada com o Prêmio Juca Pato como Intelectual do Ano e laureada com o prêmio Elo no Festival Internacional das Artes de Língua Portuguesa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça Federal nega novo pedido de transferência de Ronnie Lessa
Judiciário

Justiça Federal nega novo pedido de transferência de Ronnie Lessa

12/04/2024 20:15
Justiça Federal nega novo pedido de transferência de Ronnie Lessa
Fim de semana chega com muito teatro, despedida da Expogrande, musicais e feirinhas
Agendão

Fim de semana chega com muito teatro, despedida da Expogrande, musicais e feirinhas

12/04/2024 18:00
Fim de semana chega com muito teatro, despedida da Expogrande, musicais e feirinhas
Prefeitura promove Escuta Pública Municipal do Plano Nacional Aldir Blanc
Cultura

Prefeitura promove Escuta Pública Municipal do Plano Nacional Aldir Blanc

12/04/2024 15:00
Prefeitura promove Escuta Pública Municipal do Plano Nacional Aldir Blanc
'Um Campo Grande de Mulheres Leitoras': projeto leva literatura e esperança a detentas
Agepen

'Um Campo Grande de Mulheres Leitoras': projeto leva literatura e esperança a detentas

12/04/2024 13:00
'Um Campo Grande de Mulheres Leitoras': projeto leva literatura e esperança a detentas
'Aldear Espaços' é ação da Cidadania que leva cultura indígena a prédios públicos
Cidadania

'Aldear Espaços' é ação da Cidadania que leva cultura indígena a prédios públicos

12/04/2024 11:00
'Aldear Espaços' é ação da Cidadania que leva cultura indígena a prédios públicos
Últimas Notícias