Dourados – MS segunda, 24 de fevereiro de 2020
Dourados
31º max
20º min
Variedades

Tromboembolismo em cirurgias plásticas

21 Dez 2010 - 09h00
Tromboembolismo em cirurgias plásticas - Crédito: Foto: Divulgação Crédito: Foto: Divulgação
Os brasileiros não têm informações suficientes sobre a trombose, um distúrbio de coagulação do sangue que provoca a formação de coágulos nas veias e artérias. Também desconhecem a principal complicação da doença: a embolia pulmo-nar. As informações são de uma pesquisa do Ibope, realizada entre 27 de julho e 3 de agosto, entrevistando 1.008 pessoas de cidades de todas as regiões do país.

A pesquisa revelou que apesar de o conhecimento do termo trombose aumentar de acordo com o grau de risco, 57% não conhecem os sintomas da doença e as suas consequências e, entre aqueles que já ouviram falar da trombose, 43% não sabem apontar medidas preventivas.

“Há vários fatores de risco que predispõem uma pessoa à doença, como idade acima de 40 anos, obesidade, imobilidade, tabagismo, presença de varizes nas pernas, dentre outros. E se ela faz uma cirurgia, os riscos aumentam”, explica o cirurgião plástico, Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada.

Os resultados da pesquisa revelam que é preciso aumentar a conscientização da população sobre a doença e suas con-seqüências. Com o aumento do nível de informação da população seria possível cobrar ações preventivas por parte dos hospitais, investir em programas de educação médica continuada para identificar pacientes sob risco no ambiente hospi-talar e implementar a prevenção adequada.

Trombose ou tromboembolismo venoso é um distúrbio do sistema circulatório que ocorre quando há bloqueio do flu-xo de sangue dentro de um vaso sanguíneo por um coágulo ou trombo.

A doença apresenta duas manifestações clínicas distintas: a trombose venosa profunda (TVP), quando surge a forma-ção do coágulo na veia profunda da perna, coxa ou pelve, e a sua maior complicação, a embolia pulmonar, quando o trombo cai na circulação sanguínea e segue em direção aos pulmões.

Dependendo do grau de obstrução nos pulmões, os sinais podem variar desde uma respiração mais curta até sintomas graves, muitas vezes fatais.
O tromboembolismo pulmonar representa a terceira causa de morte mais freqüente no período pós-operatório nos Es-tados Unidos.

Nos últimos anos, os cirurgiões plásticos americanos estabeleceram critérios de risco para cada paciente a ser operado, visando diminuir os problemas.

“Para evitar a trombose, no caso específicos das cirurgias plásticas, é necessário fazer um planejamento pré-operatório cuidadoso, respeitando os protocolos de risco e os métodos de profilaxia para evitar intercorrências.

Para cada caso, o cirurgião plástico deve avaliar a adoção de medidas, tais como a interrupção do tabagismo, dos anticoncepcionais no pré-operatório, a redução da extensão do procedimento, a utilização de meias anti-trombóticas e de aparelhos de com-pressão intermitente dos membros inferiores e o emprego de heparina de baixo peso molecular no intra-operatório e no pós-operatório, associado à deambulação precoce”, explica Ruben Penteado, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

#####CUIDADOS

A trombose é obloqueio de um vaso sanguíneo por coágulos. As veias transportam sangue pobre em oxigênio, de todo o corpo novamente para o coração. Todas as veias da metade inferior do corpo conduzem sangue à veia cava inferior, enquanto que as veias da metade superior conduzem sangue à veia cava superior.

Estes dois troncos veno-sos descarregam na aurícula direita do coração. Dali, o sangue é bombeado para o ventrículo direito e depois para o pul-mão, através da artéria pulmonar.

No pulmão, o sangue recebe oxigênio, regressando depois ao lado esquerdo coração (aurícula e ventrículo) pelas veias pulmonares, de onde é bombeado através da aorta para abastecer o corpo de oxigênio.

A oclusão de uma veia na perna provoca um acúmulo. O sangue continua a ser bombeado para a perna através da arté-ria, mas não pode refluir no sentido contrário através da veia.

Teoricamente, a trombose pode ocorrer em qualquer veia, por exemplo, no abdomen (trombose venosa mesentérica), no cérebro (trombose da veia sinusal), no braço, etc. Mas a localização mais comum é na perna ou na região pélvica, onde a pressão sanguínea é mais elevada.

Já a embolia acontece quando o coágulo que está obstruindo a veia se solta e desloca através do sistema venoso para a veia cava inferior e, daqui, para o lado direito do coração e para o pulmão.

No sistema pulmonar, o lúmen dos vasos san-guíneos torna-se menor, sendo que o trombo pode ficar alojado numa artéria pulmonar, bloqueando a corrente sanguínea e interrompendo a troca de oxigênio na área alimentada pela artéria pulmonar afetada.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil tem 4,9 mil crianças e adolescentes para a adoção; saiba como adotar
Família

Brasil tem 4,9 mil crianças e adolescentes para a adoção; saiba como adotar

24/02/2020 06:44
Brasil tem 4,9 mil crianças e adolescentes para a adoção; saiba como adotar
Carnaval: Corpo de Bombeiros orienta para um feriado de festa em segurança
Feriadão

Carnaval: Corpo de Bombeiros orienta para um feriado de festa em segurança

20/02/2020 11:15
Carnaval: Corpo de Bombeiros orienta para um feriado de festa em segurança
Cronogramas e convocações dos concursos da PM e Bombeiros são publicados no Diário Oficial
Concursos

Cronogramas e convocações dos concursos da PM e Bombeiros são publicados no Diário Oficial

19/02/2020 13:45
Cronogramas e convocações dos concursos da PM e Bombeiros são publicados no Diário Oficial
Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 170 milhões
Mega-Sena

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 170 milhões

19/02/2020 13:00
Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 170 milhões
Carnaval: Médico diz como doença do beijo pode ser evitada
SAÚDE

Carnaval: Médico diz como doença do beijo pode ser evitada

13/02/2020 10:50
Carnaval: Médico diz como doença do beijo pode ser evitada
Últimas Notícias