Dourados – MS sábado, 12 de junho de 2021
Dourados
23º max
13º min
Bebês e Crianças

Coletânea de crônicas celebra obra de Rubem Alves

11 Jan 2016 - 07h00
Seleção feita pelo Professor Samuel Lago, amigo pessoal do escritor, “A Fisgada da Saudade” provoca reflexão e comoção. - Crédito: Foto: DivulgaçãoSeleção feita pelo Professor Samuel Lago, amigo pessoal do escritor, “A Fisgada da Saudade” provoca reflexão e comoção. - Crédito: Foto: Divulgação
Amigo pessoal e também grande admirador de Rubem Alves, o professor Samuel Ramos Lago descobriu como lidar com a saudade que sentia do camarada, que faleceu em julho de 2014. A solução foi escolher as melhores crônicas de Alves já publicadas na Folha de São Paulo e na revista Educação em uma só obra, que ganhou um nome muito apropriado para um livro envolvente de um autor querido: “A Fisgada da Saudade”.


Este também é o título de um dos 24 textos reunidos no livro, que está sendo lançado pela Editora Nossa Cultura. Nesta crônica, Alves reflete sobre a existência de sentimentos como a saudade, que, assim como Deus, não pode ser vista ou tocada, embora o ser humano possa sentir e constatar que existe.


Todo este conteúdo selecionado por Lago mostra o ponto de vista sensível e crítico do amigo Rubem – que foi psicanalista, teólogo e educador – a partir de pequenas observações que ele fazia do cotidiano ou das pessoas ao redor.


Ao longo da vida, Rubem explorou diferentes assuntos em suas crônicas. Entre as mais emotivas, destaca-se “As duas caixas” que traz um Rubem instável, estudando seu próprio desempenho como escritor e intelectual formador de opinião. O autor causa comoção também quando fala sobre o convívio entre família e o contato com crianças na experiência como educador.


O livro compreende também pensamentos mais complexos de Rubem sobre história, política e sociedade, em textos que ainda são atuais e provocam reflexão no leitor. Quem conheceu o inspirador escritor brasileiro pelo título “O Melhor de Rubem Alves”, da mesma editora, vai adorar matar a saudade com a leitura de “A Fisgada da Saudade”.


Rubem Alves será para sempre um dos mais respeitados intelectuais do Brasil. Mineiro de Boa Esperança nasceu em 1933. Foi pedagogo, filósofo (com doutorado na Universidade de Princeton, Estados Unidos), teólogo, professor emérito da Unicamp, acadêmico da Academia Campinense de Letras, cronista do cotidiano e contador de estórias. Faleceu em 19 de julho de 2014.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cresce abuso de crianças do sexo masculino em MS
Bebês e Crianças

Cresce abuso de crianças do sexo masculino em MS

17/05/2021 15:39
Cresce abuso de crianças do sexo masculino em MS
Últimas Notícias