Dourados – MS quinta, 24 de setembro de 2020
Dourados
33º max
17º min
Mostra

Artistas de Dourados organizam evento sobre indígenas

23 Jun 2016 - 06h00
Além dos espetáculos, a mostra contará com a oficina “Práticas Corporais e Vocais do Processo Criativo Ara Pyahu” e com a roda de conversa “Processos Criativos da Aldeia ao Palco”, além das exposições “Deslocamentos” e “Culturas Indígenas”. - Crédito: Foto: DivulgaçãoAlém dos espetáculos, a mostra contará com a oficina “Práticas Corporais e Vocais do Processo Criativo Ara Pyahu” e com a roda de conversa “Processos Criativos da Aldeia ao Palco”, além das exposições “Deslocamentos” e “Culturas Indígenas”. - Crédito: Foto: Divulgação
Começou ontem (22), e acontece até dia 25, em Dourados a mostra "Tape Kurusu – cruzamentos entre a cultura indígena e as artes da cena", que reúne os espetáculos "Mborahéi Rapére – Pelas trilhas do Canto", do Grupo Veraju, e "Ara Pyahu – des/caminhos do contar-se", do Grupo Mandi’o.


Além dos espetáculos, a mostra contará com a oficina "Práticas Corporais e Vocais do Processo Criativo Ara Pyahu" e com a roda de conversa "Processos Criativos da Aldeia ao Palco", além das exposições "Deslocamentos" e "Culturas Indígenas". O evento acontece no Teatro Municipal de Dourados e no Casulo – Espaço de Cultura e Arte (Rua Reinaldo Bianchi, 398, Parque Alvorada).


Os ingressos encontram-se disponíveis na Pró-Reitoria de Ensino de Pós-Graduação e Pesquisa (PROPP) da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), localizada na Rua João Rosa Góes, 1761, Vila Progresso. A apresentação do dia 25 terá entrada gratuita e a participação nas oficinas poderá ser garantida com a doação de 1kg de alimento não perecível.


O espetáculo "Mborahéi Rapére – Pelas trilhas do canto" é uma releitura de cantos indígenas, em especial os dos Guarani e Kaiowá, explorando suas diversas possibilidades harmônicas, rítmicas, melódicas e cosmológicas, razão pela qual o trabalho cênico-musical se desenvolve também com base em mitos e danças indígenas, considerados tradicionais pelas comunidades. A percepção Guarani e Kaiowá da realidade está presente do começo ao fim do espetáculo e introduz o público nos caminhos da palavra-cantada, nos seus símbolos e significados, nas reinvindicações que elas exprimem, na beleza. Além de cantos Guarani e Kaiowá, o repertório inclui cantos dos grupos étnicos Mbyá, Huni Kuin, Shipibo e Krahô.


O projeto surgiu a partir do interesse de artistas, docentes e estudantes em se aproximar da arte indígena local. O encontro e a partilha entre estas pessoas e as comunidades indígenas de Dourados e Douradina resultou em uma criação colaborativa que realiza um diálogo entre a matriz cultural indígena e as linguagens do circo, do teatro e da performance. O grupo contou com a orientação das mestras tradicionais das comunidades indígenas: Floriza Sousa da Silva, da aldeia Jaguapiru; Tereza Martins, da aldeia Bororó; Nona Merenciana, do Itay; Adelina Ramona e Neusa Concianza, do Guyra Kambiy; além da orientação da professora Graciela Chamorro, da etnomusicóloga Magda Pucci (Grupo Mawaca/SP) e da artista Arami Marschner. O espetáculo conta, ainda, com a participação especial do grupo de canto Ñemongo’i, da comunidade Kaiowa de Itay (Douradina/MS), coordenado por Ifigeninha Hirto.


O grupo de dança-teatro Mandi´o, dirigido pela artista Carla Ávila, nasce do emaranhado de linguagens entre as artes da cena, o canto e a palavra, o palco e o chão de terra. Mandi´o quer dizer, em guarani, Mandioca, tubérculo que nasce profundo na terra, nos subsolos do Mato Grosso do Sul, desenvolve-se e se desdobra dentro do subterrâneo, para brotar verticalmente, anunciando-se.


Cultivada por indígenas há milênios, esta raiz inspirou o nome do grupo pela necessidade que seus integrantes sentem de estar e imergir/emergir na e da terra, conhecer as culturas regionais e suas expressões, e refratar suas texturas em cena. É nesta proposta que o espetáculo de dança-teatro "Ara Pyahu, Des/caminhos do contar-se" consolidou-se, tendo a vivência a campo, entre Indígenas Kaiowá e Guarani como principal caminho condutor. O espetáculo transpassa tempos míticos, históricos e midiáticos contando as histórias e caminhadas deste povo através de diversas narrativas expressadas significativamente pela dança.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Comércio aposta em Dia das Crianças para melhores resultados nas vendas
Economia

Comércio aposta em Dia das Crianças para melhores resultados nas vendas

22/09/2020 16:57
Comércio aposta em Dia das Crianças para melhores resultados nas vendas
Crianças de até 1 ano têm baixa taxa de vacinação em Dourados
Saúde

Crianças de até 1 ano têm baixa taxa de vacinação em Dourados

22/09/2020 15:04
Crianças de até 1 ano têm baixa taxa de vacinação em Dourados
“Eu ‘tô’ com saudade do planeta inteiro”: o alto preço pago pelas crianças na pandemia
Pandemia

“Eu ‘tô’ com saudade do planeta inteiro”: o alto preço pago pelas crianças na pandemia

10/09/2020 15:14
“Eu ‘tô’ com saudade do planeta inteiro”: o alto preço pago pelas crianças na pandemia
Pais envolvidos em maus-tratos têm direito de visitas cassado
Três Lagoas

Pais envolvidos em maus-tratos têm direito de visitas cassado

02/09/2020 16:42
Pais envolvidos em maus-tratos têm direito de visitas cassado
Suspeito de estupro ocorrido em aldeia indígena é preso pela Polícia Civil
Estupro de Vulnerável

Suspeito de estupro ocorrido em aldeia indígena é preso pela Polícia Civil

02/09/2020 11:34
Suspeito de estupro ocorrido em aldeia indígena é preso pela Polícia Civil
Últimas Notícias