Dourados – MS segunda, 04 de julho de 2022
Dourados
32º max
15º min
Tecnologia

Lei prevê regras para a contratação de serviços de comunicação digital

A lei também aumenta os gastos permitidos com publicidade de órgãos públicos no primeiro semestre de anos eleitorais

01 Jun 2022 - 19h15Por Agência Câmara de Notícias
Poderão ser contratados, por exemplo, serviços de gestão de redes sociais - Crédito: DepositphotosPoderão ser contratados, por exemplo, serviços de gestão de redes sociais - Crédito: Depositphotos

O presidente Jair Bolsonaro sancionou sem vetos a Lei 14.356/22, que permite à administração pública usar regras específicas da contratação de publicidade para licitar também serviços de comunicação digital e de comunicação institucional. O texto foi publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (1º).

A norma é oriunda do substitutivo elaborado pela deputada Celina Leão (PP-DF), relatora na Câmara dos Deputados do Projeto de Lei 4059/21, do deputado Cacá Leão (PP-BA). As regras abrangem propaganda governamental em mídias sociais ou canais digitais e serviços de relações com a imprensa e de relações públicas.

Aumento de gastos
A lei também aumenta, em relação às normas anteriores, o montante de gastos com publicidade de órgãos públicos permitido no primeiro semestre de anos eleitorais. Essa mudança valerá para os órgãos públicos (federais, estaduais ou municipais) e para as entidades da administração indireta (estatais, por exemplo).

Antes, o limite era a média das despesas no primeiro semestre dos três anos anteriores ao do pleito. Agora, o montante será de até seis vezes a média mensal dos valores efetivamente empenhados nos três anos anteriores completos. Empenho é a fase da despesa em que o estado reconhece a obrigação de pagar.

Além disso, a nova lei determina que os valores usados para calcular a nova média sejam antes atualizados pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) a partir da data em que ocorreu o empenho.

Segundo o Portal da Transparência do governo federal, os gastos com publicidade de utilidade pública empenhados pelo Executivo foram de cerca de R$ 283 milhões em 2019; R$ 280 milhões em 2020; e R$ 430 milhões em 2021.

Com a nova lei, sem contar o IPCA, o valor permitido neste ano eleitoral seria de R$ 165,7 milhões. Pela regra anterior, considerando os montantes nos primeiros semestres de cada ano (R$ 100 milhões em 2019; R$ 149 milhões em 2020; e R$ 171 milhões em 2021), a média que poderia ser gasta seria de R$ 140,2 milhões.

Contratações
Segundo a norma sancionada, o uso dos mecanismos de contratação previstos na Lei 12.232/10, que regulamenta a publicidade oficial, permitirá o julgamento da licitação por técnica e preço ou melhor técnica – em vez da avaliação apenas do preço oferecido, como tem ocorrido atualmente por meio da modalidade pregão.

Poderão ser contratados, entre outros, serviços relativos à comunicação por meio da internet; monitoramento e gestão de redes sociais; otimização de páginas eletrônicas e canais digitais visando mecanismos de busca; e produção de mensagens, infográficos, painéis interativos e conteúdo institucional.

No caso dos serviços de comunicação institucional, a nova lei prevê que aqueles relativos a relações com a imprensa deverão envolver estratégias organizacionais para promover e reforçar a comunicação dos órgãos e entidades com o público, por meio da interação com profissionais da imprensa.

Já as relações públicas são definidas como esforço de comunicação planejado, coeso e contínuo a fim de estabelecer “adequada percepção da atuação e dos objetivos institucionais”, a partir do estímulo à compreensão mútua e da manutenção de padrões de relacionamento e de fluxos de informação.

Pandemia
Em relação à Covid-19, a lei permite neste ano a publicidade institucional de atos e campanhas destinados exclusivamente ao enfrentamento da pandemia e à orientação quanto aos serviços públicos de combate à doença.

O limite de gasto em ano eleitoral não será aplicável a essas ações de combate à pandemia.

A Lei das Eleições proíbe, nos três meses antecedentes ao pleito (julho a setembro), que os gestores realizem publicidade institucional de atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública reconhecida pela Justiça Eleitoral.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Projeto 60+: Inclusão digital da melhor idade já está presente em 16 cidades de MS
Internet

Projeto 60+: Inclusão digital da melhor idade já está presente em 16 cidades de MS

30/06/2022 15:15
Projeto 60+: Inclusão digital da melhor idade já está presente em 16 cidades de MS
Avanços tecnológicos na mobilidade urbana prometem mais qualidade de vida
Tecnologia

Avanços tecnológicos na mobilidade urbana prometem mais qualidade de vida

30/06/2022 09:45
Avanços tecnológicos na mobilidade urbana prometem mais qualidade de vida
CCT do Senado vota projeto que institui Política Nacional de Inteligência Artificial
Tecnologia

CCT do Senado vota projeto que institui Política Nacional de Inteligência Artificial

29/06/2022 08:15
CCT do Senado vota projeto que institui Política Nacional de Inteligência Artificial
Em 10 anos, inteligência artificial pode ter sentimento, diz executivo
Tecnologia

Em 10 anos, inteligência artificial pode ter sentimento, diz executivo

24/06/2022 17:00
Em 10 anos, inteligência artificial pode ter sentimento, diz executivo
Google anuncia 500 mil bolsas de estudo para jovens
Tecnologia

Google anuncia 500 mil bolsas de estudo para jovens

21/06/2022 11:35
Google anuncia 500 mil bolsas de estudo para jovens
Últimas Notícias