Dourados – MS quinta, 22 de abril de 2021
Dourados
33º max
17º min
Influx - Campanha 2021
Saúde

Número de gêmeos cresce 28,5% com reprodução assistida

03 Fev 2016 - 09h25
Especialistas atribuem os dados ao avanço da tecnologia. - Crédito: Foto: DivulgaçãoEspecialistas atribuem os dados ao avanço da tecnologia. - Crédito: Foto: Divulgação
Em dez anos – de 2004 a 2014 –, o número de nascimentos de gêmeos no Brasil aumentou 28,5%, segundo dados da Pesquisa de Registro Civil do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Entretanto, o número de trigêmeos e demais múltiplos caiu 7% no mesmo período.


Para Daniel Suslik Zylbersztejn, médico do Setor Integrado de Reprodução Humana do Hospital Universitário da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), o dado é consequência da evolução das técnicas de reprodução assistida.


”Hoje, temos medicamentos avançados para estimulação ovariana e estufas mais adequadas para o crescimento dos embriões, o que permite que eles cheguem a estado de maior amadurecimento para transferência, o chamado blastocisto.”


De acordo com o médico, ao usar o bastocisto, a chance de gravidez é maior. “Normalmente, trabalhamos com a transferência de dois embriões, o que aumenta a probabilidade de nascerem gêmeos.”


Segundo o especialista, a taxa de gravidez gemelar no Brasil por tratamentos de FIV (fertilização in vitro) é estimada em 25%, cerca de um quarto dos nascimentos totais em mulheres até 35 anos. “Com o avançar da idade, essa prevalência cai gradativamente, chegando a menos de 10% em mulheres com mais de 40 anos.”


Uma resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM)de 2010 limitou o número de embriões que as pacientes podem receber em cada tentativa, conforme a idade. Para mulheres até 35 anos, podem ser transferidos, no máximo, dois embriões; de 36 a 39 anos, o limite são três e, acima de 40, quatro. ”Graças a essa medida, minimizamos a prevalência de gestações múltiplas. Quando os embriões são de qualidade, transferimos um só, no máximo, dois, a não ser em casos em que a mulher já fez muitos tratamentos e não engravidou”, afirma Mario Cavagna Neto, presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana.


De acordo com o médico, há mais risco de ocorrer uma gravidez múltipla quando a mulher usa indutores de ovulação para buscar uma concepção natural. “Esse é o pior cenário e não a fertilização in vitro. As gestações múltiplas são consideradas de risco, tanto para a mulher quanto para o bebê. Elas são responsáveis por 20% dos casos de prematuridade.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

Variante mais grave domina 82% das amostras em MS
ESPECIAL

Variante mais grave domina 82% das amostras em MS

21/04/2021 11:30
Variante mais grave domina 82% das amostras em MS
Idosos e profissionais de saúde vão receber a segunda dose nesta quarta
Vacinação

Idosos e profissionais de saúde vão receber a segunda dose nesta quarta

21/04/2021 08:58
Idosos e profissionais de saúde vão receber a segunda dose nesta quarta
Novas entregas de vacinas garantem primeira dose para maiores de 65 anos, diz Ministério
Covid-19

Novas entregas de vacinas garantem primeira dose para maiores de 65 anos, diz Ministério

20/04/2021 17:00
Novas entregas de vacinas garantem primeira dose para maiores de 65 anos, diz Ministério
Vacina contra Covid

Mato Grosso do Sul participa de consórcio para compra de 28 milhões de doses de vacina contra Covid-19

20/04/2021 13:28
Resultados de exames para Covid-19 podem ser acessados sem sair de casa
Covid-19

Resultados de exames para Covid-19 podem ser acessados sem sair de casa

20/04/2021 12:31
Resultados de exames para Covid-19 podem ser acessados sem sair de casa
Últimas Notícias