Dourados – MS quinta, 06 de agosto de 2020
Dourados
31º max
14º min
Segurança e Saúde JBS
Saúde

Microcefalia não causa suspensão do uso de larvicida em MS

17 Fev 2016 - 10h26
Estado e prefeituras continuarão utilizando o larvicida em locais de água parada até que Ministério da Saúde mude protocolo. - Crédito: Foto: CCZEstado e prefeituras continuarão utilizando o larvicida em locais de água parada até que Ministério da Saúde mude protocolo. - Crédito: Foto: CCZ
O Estado de Mato Grosso do Sul decidiu manter o uso do larvicida Pyriproxyfen, cuja substância que vem sendo relacionada a casos de microcefalia por grupos de médicos da organização Physicians in the Crop-Sprayed Towns, da Argentina, e a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco).


Em MS, mesmo com um caso confirmado da doença e outros 5 em investigação, a utilização do produto continuará sendo realizada por agentes de combate a endemias em locais de concentração de água parada como piscina, pneus, entre outros que podem ser foco do mosquito transmissor da doença.


Ao O PROGRESSO, a Comunicação da Secretaria de Saúde do Estado esclareceu que, por não existir um estudo que comprove a ligação do larvicida com casos de microcefalia, vai seguir o protocolo do Ministério da Saúde, que é pela utilização do produto. O Estado diz que está monitorando qualquer mudança a respeito, mas que por enquanto o uso do larvicida tem respaldo da Organização Mundial de Saúde (OMS), entre outras agências reguladoras.

Dourados


Em Dourados, o Centro de Controle de Zoonoses também utiliza o produto, mas alerta que ele não é aplicado em água para o consumo humano, a exemplo das caixas d’águas. Nestes locais, segundo a coordenadora do órgão, Rosana Alexandre da Silva, o proprietário da casa é orientado a fazer a limpeza geral para evitar o larvicida. Ela diz que por recomendação do Ministério da Saúde vai continuar utilizando o produto.

Suspensão do larvicida


O Estado do Rio Grande do Sul suspendeu a utilização do Pyriproxyfen. no último dia 13. O Secretário de Saúde do Rio Grande do Sul, João Gabbardo dos Reis, afirmou que, mesmo sem comprovação de que a substância possa ter alguma relação com casos de microcefalia, determinou que não seja mais usada no estado. “Mesmo que ainda não haja confirmação, só a suspeita nos fez decidir pela suspensão do uso, não podemos correr esse risco”, disse Gabbardo.


Em nota, o governo do Rio Grande do Sul disse ainda que “a suspensão já foi comunicada às 19 Coordenadorias Regionais de Saúde do Estado, que devem informar às Vigilâncias Municipais.”


O governo também esclareceu que o larvicida, enviado pelo Ministério da Saúde, era utilizado em pequena escala no estado, apenas em casos específicos, quando não é possível evitar o acúmulo de água nem remover os recipientes, como chafarizes e vasos de cimento em cemitérios..

Denúncia


Enquanto a comunidade científica internacional caminha para provar a relação entre o zika vírus e os casos de microcefalia, médicos argentinos chamam a atenção para outra causa suspeita de provocar a má-formação em bebês: o larvicida Pyriproxyfen, usado no Brasil desde 2014 para deter o desenvolvimento da larva do mosquito Aedes aegypti em tanques de água potável.


O primeiro dos argumentos relaciona o larvicida ao período e ao local de maior manifestação da doença. O Pyriproxyfen é utilizado, sobretudo, em regiões carentes de saneamento, onde a população precisa armazenar água em casa devido ao racionamento.


Os médicos também questionam o fato de as outras epidemias de zika, como a da Polinésia Francesa, não terem sido associadas a problemas congênitos em recém-nascidos — “apesar de infectar 75% da população nesses países”. Outro elemento reforça ainda as suspeitas de que há algo além do zika vírus nos casos de má-formação: a Colômbia, o segundo país com maior número de infectados, contabilizou mais de 3 mil grávidas infectadas, mas não há registros de microcefalia vinculada ao zika.

Brasil nega


Esta semana o Ministro da Saúde Marcelo Castro, descartou a possibilidade levantada pelos médicos sobre o uso do larvicida em água consumida pela população, afirmando que se trata de boato. “Não tem nenhum fundamento. O nosso é aprovado pela Anvisa e usado no mundo inteiro. Pyriproxyfen é reconhecido por todas as agências de regulação do mundo inteiro”, disse.


Em nota, a empresa fabricante do Pyriproxyfen afirma que “não há nenhuma base científica em tal afirmação”. De acordo com a Sumitomo Chemical, é aprovado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para combate a mosquitos, dentre eles o Aedes Aegypti.


“Segundo a OMS, em seu documento Pyriproxyfen in Drinking-water, publicado em 2004 - também publicado pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) em 2001 -, o Pyriproxyfen não é mutagênico, não é genotóxico, não é carcinogênico nem teratogênico. O produto foi submetido a rigorosos testes toxicológicos que não demonstraram efeitos sobre a reprodução, sobre o sistema nervoso central ou periférico”, continua a nota do fabricante.

Vacinas


Outros supostos boatos que circulam nas redes sociais e no WhatsApp têm espalhado informações de que lotes vencidos de vacinas contra a rubéola estaria causando o zika vírus e a microcefalia no Brasil. No final de novembro, o Ministério da Saúde esclareceu que todas as vacinas ofertadas pelo Programa Nacional de Imunização (PNI) são seguras e não há nenhuma evidência de que possam causar microcefalia. As vacinas são fundamentais para proteger o bebê contra doenças graves. Nenhuma das vacinas administradas durante a gestação contém vírus ou outros agentes vivos”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Isolamento social cai a 35% e contaminados por Covid passam dos 28 mil
Covid-19

Isolamento social cai a 35% e contaminados por Covid passam dos 28 mil

05/08/2020 16:58
Isolamento social cai a 35% e contaminados por Covid passam dos 28 mil
Olavo Sul vai acionar MP por conta de reforma no posto da saúde Vila São Pedro
Vila São Pedro

Olavo Sul vai acionar MP por conta de reforma no posto da saúde Vila São Pedro

05/08/2020 16:01
Olavo Sul vai acionar MP por conta de reforma no posto da saúde Vila São Pedro
Drive-thru da Capital passará a atender à noite e ampliará número de testes
TESTAGEM

Drive-thru da Capital passará a atender à noite e ampliará número de testes

05/08/2020 07:34
Drive-thru da Capital passará a atender à noite e ampliará número de testes
Brasil

MPF quer que pastor pague indenização por prometer cura da covid-19

04/08/2020 17:01
Gilmar Mendes suspende efeitos de veto sobre uso máscara em presídios
Brasil

Gilmar Mendes suspende efeitos de veto sobre uso máscara em presídios

04/08/2020 15:01
Gilmar Mendes suspende efeitos de veto sobre uso máscara em presídios
Últimas Notícias