Dourados – MS sexta, 18 de setembro de 2020
Dourados
33º max
19º min
CIÊNCIA

Cientistas encontram buraco negro gigante

07 Abr 2016 - 07h39Por Do Progresso
Simulação de computador mostra o buraco negro no centro da galáxia NGC 1600. - Crédito: Foto: NASA,/ESA/ D. Coe, J. Anderson e R. van der Mare/DivulgaçãoSimulação de computador mostra o buraco negro no centro da galáxia NGC 1600. - Crédito: Foto: NASA,/ESA/ D. Coe, J. Anderson e R. van der Mare/Divulgação
Astrônomos descobriram um buraco negro supermassivo -- com massa equivalente a 17 bilhões de vezes a do nosso Sol -- em um lugar improvável: o centro de uma galáxia que se encontra em um "bairro tranquilo" do Universo. Como informa, em nota, a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês), a descoberta pode indicar que "monstros" como este podem ser mais comuns no Universo do que se pensava.

Até agora, os maiores buracos negros supermassivos - aqueles com mais de 10 bilhões de vezes a massa do nosso Sol - só tinham sido encontrados nos núcleos de galáxias muito grandes nos centros de aglomerados de galáxias maciças. Agora, usando o telescópio espacial Hubble, a esuipe internacional de astrônomos descobriu um buraco negro no centro da galáxia NGC 1600, considerada bastante isolada.

Os buracos negros são regiões do espaço com uma concentração de massa tão elevada que seu campo gravitacional não permite que nada escape, nem mesmo a luz, o que dificulta medições diretas de suas propriedades.

A NGC 1600 é uma galáxia elíptica que não se localiza em um aglomerado de galáxias, mas em um grupo menor de cerca de vinte galáxias. O grupo está localizado a 200 milhões de anos-luz de distância, na constelação Erídano. Encontrar um buraco negro supermassivo gigantesco numa galáxia maciça dentro de um aglomerado de galáxias é de se esperar, mas encontrá-lo num grupo médio de galáxias como a NGC 1600 é muito mais surpreendente.

Surpreendidos

"Ainda que já tivéssemos indicações de que a galáxia poderia hospedar um objeto extremo em seu centro, fomos surpreendidos pelo fato de que o buraco negro na NGC 1600 é dez vezes mais massivo do que o previsto pela massa da galáxia," explica o autor principal do estudo, Jens Thomas, do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre, na Alemanha.

Encontrar esse buraco negro extremamente maciço em NGC 1600 leva os astrônomos a se perguntarem se esses objetos são mais comuns do que se pensava. "Há um tanto de galáxias do tamanho da NGC 1600 que residem em grupos de galáxias de tamanho médio", explica o co-autor Chung-Pei Ma, Universidade da Califórnia em Berkeley. "Estimamos que esses grupos menores são cerca de cinquenta vezes mais abundante do que os aglomerados de galáxias grandes e densas. Portanto, a questão agora é: temos a ponta de um iceberg? Talvez existam muito mais buracos negros monstros lá fora".

Deixe seu Comentário

Leia Também

Primeira onda da covid-19 deve acabar em outubro, diz estudo da UFF
Covid-19

Primeira onda da covid-19 deve acabar em outubro, diz estudo da UFF

18/09/2020 17:36
Primeira onda da covid-19 deve acabar em outubro, diz estudo da UFF
SES atualiza resolução sobre retorno de cirurgias eletivas em MS
Saúde

SES atualiza resolução sobre retorno de cirurgias eletivas em MS

18/09/2020 17:05
SES atualiza resolução sobre retorno de cirurgias eletivas em MS
PAM será referência para casos de síndrome gripal
Dourados

PAM será referência para casos de síndrome gripal

18/09/2020 15:46
PAM será referência para casos de síndrome gripal
Dourados soma mais 51 novos casos de covid nesta sexta (18)
Saúde

Dourados soma mais 51 novos casos de covid nesta sexta (18)

18/09/2020 14:11
Dourados soma mais 51 novos casos de covid nesta sexta (18)
MS registra 15 novos óbitos por coronavírus em 24 horas
Covid-19

MS registra 15 novos óbitos por coronavírus em 24 horas

18/09/2020 13:49
MS registra 15 novos óbitos por coronavírus em 24 horas
Últimas Notícias