Dourados – MS quinta, 13 de maio de 2021
Dourados
26º max
14º min
Mundo

'População vai entender', diz médico do PR sobre paralisação desta quinta

07 Abr 2011 - 16h15
José Macedo, presidente da AMP: \"população vai
entender\" - Crédito: Foto: Vinícius Sgarbe/G1 PRJosé Macedo, presidente da AMP: \"população vai entender\" - Crédito: Foto: Vinícius Sgarbe/G1 PR
O presidente da Associação Médica do Paraná (AMP), José Fernando Macedo, declarou na tarde desta quinta-feira (7) que a “população vai entender” a manifestação da classe contra os planos de saúde.

Cerca de 11 mil médicos do Paraná deixaram de atender através dos planos, neste dia de paralização. O número corresponde a pouco menos de 60% do total de médicos no estado.

Para Macedo, há mais de dez anos os planos de saúde reajustaram os preços em mais de 130%, mas os profissionais receberam aumento de 44%.

No ano passado, a Associação Médica Brasileira teria editado uma tabela que foi desconsiderada pelas operadoras. Nela, o preço de uma consulta deveria ser R$ 60, com possível variação de 20% para mais ou menos. Com descontos de impostos e insumos do consultório, o ganho real por consulta seria de pouco mais de R$ 5.

Em nota oficial, a AMP cita “19 anos de defasagem”, em referência a uma tabela constituída em 1992, utilizada por “90% das operadoras”.

Questionado sobre quem lucrou (com aumento de 130% e repasse de 44%), Macedo respondeu aos jornalistas: “Vocês é que têm que responder isso”. O funcionamento das cooperativas médicas foi um assunto desviado por Macedo e outros três médicos que estavam na mesa.

“A maior parte das seguradoras de saúde pertencem a bancos. E, vocês sabem, melhor que um banco [para ganhar dinheiro] , só um banco quebrado, porque o governo ajuda”, disse o 2º secretário do Conselho Federal de Medicina, Gerson Zefalon Martins. De acordo com ele, as 144 operadoras do país faturaram R$ 70 bilhões em 2010, em um esquema que envolve 175 mil médicos. “A medicina não pode ser exercida como comércio”, disse.

#####Descredenciamento
A partir do dia 23 de abril, 40 médicos de Ivaiporã, município do interior do Paraná, vão deixar de atender diretamente aos planos de saúde. Eles pediram descredenciamento das operadoras, informa o presidente José Fernando Macedo. Médicos de Campo Mourão, Londrina, Maringá, União da Vitória e Foz do Iguaçu seguiriam, em breve, pelo mesmo rumo.

“Os médicos vão continuar atendendo os pacientes. No fim da consulta, vão cobrar o preço que consideram justo. Então os pacientes pegam o recibo e pedem o reembolso aos planos”, explicou. Porém, os planos costumam reembolsar o preço da própria tabela, o que faria com que o paciente pagasse a diferença. Sobre isso Macedo disse “a população vai entender”.

“Não é greve. É um alerta às operadoras”, finalizou. (G1)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tiroteio deixa pelo menos 11 mortos em escola na Rússia
Internacional

Tiroteio deixa pelo menos 11 mortos em escola na Rússia

11/05/2021 14:30
Tiroteio deixa pelo menos 11 mortos em escola na Rússia
Na OMS, Queiroga faz apelo por liberação de vacinas contra covid-19
Saúde

Na OMS, Queiroga faz apelo por liberação de vacinas contra covid-19

30/04/2021 18:30
Na OMS, Queiroga faz apelo por liberação de vacinas contra covid-19
Autoridades iranianas proíbem bahá’ís de ter um enterro digno
Mundo

Autoridades iranianas proíbem bahá’ís de ter um enterro digno

26/04/2021 14:12
Autoridades iranianas proíbem bahá’ís de ter um enterro digno
Cortes em razão da covid-19 impactam programa antidoping
Olimpíada

Cortes em razão da covid-19 impactam programa antidoping

15/04/2021 10:00
Cortes em razão da covid-19 impactam programa antidoping
Casa Branca anuncia retirada de tropas do Afeganistão até setembro
mundo

Casa Branca anuncia retirada de tropas do Afeganistão até setembro

14/04/2021 13:15
Casa Branca anuncia retirada de tropas do Afeganistão até setembro
Últimas Notícias