Dourados – MS domingo, 20 de setembro de 2020
Dourados
27º max
16º min
Mundo

Inflação deve chegar a 10,8% este ano e a 6,2% em 2016

24 Dez 2015 - 07h00
Banco Central estima que em 2017, a inflação deve ficar em 4,8%. - Crédito: Foto: Agência BrasilBanco Central estima que em 2017, a inflação deve ficar em 4,8%. - Crédito: Foto: Agência Brasil
A inflação, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), este ano vai chegar a dois dígitos e passar longe do teto da meta de 6,5%. A projeção do Banco Central (BC) é que a inflação feche este ano em 10,8%. A estimativa divulgada em setembro era 9,5%. A última vez que a inflação ultrapassou dois dígitos foi em 2002, quando chegou a 12,53%. A previsão consta no Relatório de Inflação, divulgado trimestralmente pelo BC. Para 2016, a estimativa para o IPCA subiu de 5,3% para 6,2%. Em 2017, a inflação deve ficar em 4,8%.


Essas projeções são do cenário de referência, elaborado com base na taxa básica de juros, a Selic, no atual patamar (14,25% ao ano), e o dólar a R$ 3,90. O BC também divulga estimativas do cenário de mercado, em que são usadas projeções de analistas de instituições financeiras para a taxa Selic e câmbio. Neste caso, o IPCA também deve ficar em 10,8%, ante 9,5% previstos em setembro. Para 2016, a estimativa de mercado foi ajustada de 5,4% para 6,3%. Em 2017, a inflação deve ficar em 4,9%.


O Conselho Monetário Nacional (CMN) definiu como meta de inflação 4,5% para 2016 e 2017, sendo que o limite de tolerância é 2 pontos percentuais no ano que vem e 1,5 ponto em 2017. Quando a meta é ultrapassada, o presidente do BC tem de enviar carta aberta ao ministro da Fazenda, com as explicações para o descumprimento. A última vez que isso aconteceu foi em 2003, quando a inflação atingiu 9,3%.

Preços administrados


O BC projeta que o preço da gasolina vai subir 20,7%, este ano, e estimativa para o preço da energia elétrica é 51,6%. A projeção para o conjunto dos preços administrados é 18,2%, ante a estimativa anterior, divulgada em setembro, de 15,4%.


Para 2016, a projeção para a variação do conjunto é 5,9%, ante 5,7% considerados no relatório anterior. “Essa projeção considera, para combustíveis, que os preços domésticos da gasolina e do óleo diesel encontram-se acima dos praticados no mercado internacional, restringindo, dessa forma, eventuais elevações”, diz o BC, no relatório.


Para os preços da energia, diz o BC, a projeção de 4,6% para 2016 leva em conta redução da tarifa em dólar da usina de Itaipu e ausência de mudanças no valor definido pelo sistema de bandeiras tarifárias em 2016, muito embora os riscos hídricos tenham evoluído favoravelmente e tenha ocorrido desligamento de usinas térmicas de maior custo. A projeção de reajustes dos itens administrados, em 2017, é 5%.


O aumento nas projeções de inflação é um “claro e importante sinal” que demanda monitoramento para a definição dos próximos passos na estratégia de definição da taxa básica de juros, a Selic. A afirmação consta do Relatório de Inflação, divulgado ontem, pelo Banco Central (BC).


“As expectativas referentes a 2016 têm-se elevado desde agosto, invertendo a trajetória declinante até então. Esse movimento ascendente nas expectativas – que ocorreu em conjunto com o aumento das incertezas relacionadas aos resultados fiscais – também é observado, apesar de que em menor medida, nas projeções de mercado para 2017 e 2018”, diz o BC, no relatório.


O principal instrumento usado pelo BC para controlar alta dos preços é a taxa básica de juros, a Selic. O Comitê de Política Monetária (Copom), responsável por definir a Selic, elevou a taxa por sete vezes consecutivas. Nas reuniões do comitê em setembro, outubro e novembro, o Copom optou por manter a Selic em 14,25% ao ano. A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o BC contém o excesso de demanda que pressiona os preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Primeira onda da covid-19 deve acabar em outubro, diz estudo da UFF
Covid-19

Primeira onda da covid-19 deve acabar em outubro, diz estudo da UFF

18/09/2020 17:36
Primeira onda da covid-19 deve acabar em outubro, diz estudo da UFF
Athletico-PR ganha do Jorge Wilstermann de virada
Libertadores

Athletico-PR ganha do Jorge Wilstermann de virada

16/09/2020 12:01
Athletico-PR ganha do Jorge Wilstermann de virada
Libertadores retorna nesta terça, em meio à insatisfação de clubes
Futebol

Libertadores retorna nesta terça, em meio à insatisfação de clubes

14/09/2020 18:02
Libertadores retorna nesta terça, em meio à insatisfação de clubes
Testes com vacina de Oxford recomeçam hoje no Brasil
Covid-19

Testes com vacina de Oxford recomeçam hoje no Brasil

14/09/2020 11:32
Testes com vacina de Oxford recomeçam hoje no Brasil
Dólar opera em queda nesta sexta-feira
Economia

Dólar opera em queda nesta sexta-feira

11/09/2020 12:16
Dólar opera em queda nesta sexta-feira
Últimas Notícias