Dourados – MS sábado, 22 de fevereiro de 2020
Dourados
30º max
18º min
Mundo

Especialistas divergem sobre maior tragédia climática da história do país

17 Jan 2011 - 17h35
Tragédia na região serrana do Rio de Janeiro já
deixa mais de 600 mortos - Crédito: Foto: Celso Pupo/G1Tragédia na região serrana do Rio de Janeiro já deixa mais de 600 mortos - Crédito: Foto: Celso Pupo/G1
Pesquisadores e geólogos divergem sobre o evento considerado a maior tragédia climática da história do país. As diferentes opiniões levam em conta o período de medição das chuvas e a contagem das vítimas, já que o Brasil não possui um banco de dados oficial sobre os prejuízos causados por tragédias climáticas.

Para o geólogo Agostinho Ogura, pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), os escorregamentos de terra que ocorreram entre 1966 e 1967, na Serra das Araras, no Rio de Janeiro, caracterizam a pior tragédia da história até o momento. “Os registros que nós temos indicam algo em torno de 2 mil mortos, em 1967, na região da Serra da Araras. Considerando o número de vítimas, essa foi a maior tragédia da história do país”, afirma.

A climatologista Lucí Hidalgo Nunes, no entanto, considera que os deslizamentos registrados neste início de ano na Região Serrana do Rio de Janeiro são os piores já acompanhados pelos brasileiros. “A contagem das vítimas na Serra das Araras leva em consideração as mortes causadas por diferentes eventos, em áreas próximas. É um somatório, por isso, no meu entender, a tragédia que está ocorrendo na Região Serrana do Rio é a maior”, diz a geógrafa da Universidade de Campinas (Unicamp).

Além da chuva na Serra das Araras, os anos de 66 e 67 foram marcados por inúmeros deslizamentos na Região Sudeste, segundo os especialistas, incluindo ocorrências em Caraguatatuba (SP). “Em Caraguatatuba morreram cerca de 1 mil pessoas, e mais de 400 na Serra das Araras, mas tenho a impressão de que essa [na região serrana do Rio] é a tragédia mais significativa, porque atingiu três grandes cidades, conhecidas no cenário nacional e mundial. Se essa não é a pior tragédia, é certamente uma das maiores, principalmente porque a contagem de vítimas ainda está em andamento”, afirma o geólogo Álvaro Rodrigues dos Santos.

Antônio Mattos, historiador e subtenente do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, atuou nas enchentes de 1966 e 1967 no estado. \"As enchentes de 1966 deixaram cerca de 200 mortos, e atingiram praticamente todo o estado. Em 1967, a precipitação que ocorreu na comunidade no alto da Serra das Araras, com o rompimento de barragens, causou prejuízos porque o solo estava encharcado, mas o número de mortos certamente não chegou a mil, foi muito menor, provavelmente inferior ao número de mortos na região serrana do Rio, neste mês\", diz.

Para o geógrafo Lucivânio Jatobá, professor de ciências ambientais da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a maior tragédia climática da história brasileira é mesmo a registrada neste ano. “Acredito que a maior catástrofe em termos quantitativos seja essa que estamos vivendo na Região Serrana do Rio, mas esse não é um fenômeno único e não será o último. Trata-se da associação de precipitações abundantes, em um curto período de tempo, em áreas de destruição da cobertura vegetal. Fora isso, há o fator da geologia em si. O movimento de massa ocorreria nessas áreas mesmo sem a ocupação humana”, afirma o geógrafo

A Defesa Civil Nacional afirma que não há registros oficiais sobre o número de mortos em 1966 e 1967. O órgão também afirma que não possui nenhum levantamento sobre as maiores tragédias climáticas da história do país.

Tragédia anunciada
Mesmo sem registros oficiais de dados sobre os prejuízos causados por escorregamentos de encostas, o que ambos pesquisadores concordam é que é necessário um levantamento único de informações para auxiliar na prevenção de tragédias anunciadas como a que já matou mais de 600 pessoas no Rio de Janeiro.

“As chuvas de 1967 e de agora são semelhantes. Foram muito intensas, com registros de chuva anterior, e concentradas em um espaço relativamente curto de tempo. Os escorregamentos generalizados das encostas apresentaram uma dinâmica muito destrutiva, mobilizando solo, rochas e árvores, com alto potencial destrutivo e baixo potencial de tempo de resposta adequado\", diz o geólogo Ogura.

“O grande problema é que o país está sendo pego sempre de calças curtas. Não há um plano de ação organizado e também não há informações, um estudo nacional para entender o meio e assim prevenir ocorrências como essa”, diz Lucí.

(G1.com)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Completa amanhã, 75 anos da histórica tomada de Monte Castello
2ª Guerra Mundial

Completa amanhã, 75 anos da histórica tomada de Monte Castello

20/02/2020 17:00
Completa amanhã, 75 anos da histórica tomada de Monte Castello
Novo Coronavírus: Brasil apresenta ações para enfrentamento da doença
Saúde

Novo Coronavírus: Brasil apresenta ações para enfrentamento da doença

20/02/2020 12:00
Novo Coronavírus: Brasil apresenta ações para enfrentamento da doença
Com apoio da ONU no Brasil, Gâmbia entra em nova fase do programa de alimentação escolar
Sociedade

Com apoio da ONU no Brasil, Gâmbia entra em nova fase do programa de alimentação escolar

20/02/2020 11:30
Com apoio da ONU no Brasil, Gâmbia entra em nova fase do programa de alimentação escolar
Campanha

Embaixadores da Juventude debatem em Lisboa combate à violência contra mulher

19/02/2020 15:45
Recopa Sul-Americana: Flamengo e Independiente Del Valle jogam hoje
Esporte

Recopa Sul-Americana: Flamengo e Independiente Del Valle jogam hoje

19/02/2020 14:45
Recopa Sul-Americana: Flamengo e Independiente Del Valle jogam hoje
Últimas Notícias