Dourados – MS quinta, 21 de janeiro de 2021
Dourados
30º max
21º min
Influx
Mundo

Ator e ativista israelente Juliano Mer-Khamis é assassinado

04 Abr 2011 - 21h35
O ator e diretor israelense Juliano Mer-Khamis em
sua casa em Haifa, em foto de 2004 - Crédito: Foto: Alex
Rozkovsky / APO ator e diretor israelense Juliano Mer-Khamis em sua casa em Haifa, em foto de 2004 - Crédito: Foto: Alex Rozkovsky / AP
O ator, diretor e ativista politico israelense Juliano Mer-Khamis, 52, foi morto em frente a um teatro que ele fundou em um campo para refugiados na cidade de Jenin, na Faixa de Gaza, informou o diário “Haaretz” nesta segunda-feira (4).

Segundo o chefe da polícia local, Mohammed Tayyim, Mer-Khamis foi baleado cinco vezes por homens mascarados e as forças de segurança abriram investigação sobre as circunstâncias do assassinato. Um ambulância palestina levou o corpo do ator até um posto de fronteira para ser transferido a Israel.

A mãe do ator, Arna Mer, é uma judia ativista pelos direitos palestinos. O pai, Saliba Khamis, era um cristão palestino. Mer-Khamis nasceu e cresceu em Nazaré.

O ator ficou mais conhecido por seus papéis no teatro e no cinema, em Israel e outros países, mas ao longo dos anos se tornou também um diretor e um intenso ativista político.

Ele se associou ao teatro de Jenin, criado por sua mãe nos anos 1980. Em 2006, Mer-Khamis abriu o Teatro Liberdade na cidade, junto com Zakariva Zubeidi, ex-líder militar das Brigadas de Mártires de Al-Aqsa na cidade da região de Gaza.

Zubeidi foi nomeado um dos diretores do teatro, em uma tentativa de amenizar as ameaças contra a instituição. A sede foi incendiado duas vezes no passado, e as ameaças persistiram apesar da nomeação de Zubeidei.

O prefeito de Jenin, Qadura Moussa, definiu o ator como um grande apoiador do povo palestino. Segundo ele, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, pediu esforços para levar os responsáveis pela morte a julgamento.

O cineasta Amos Gitai, que dirigiu Mre-Khamis no filme “Kippur” (2000) se disse chocado com a morte do ator. “Existem pessoas como Juliano, que são radicais, e usam seus próprios corpos para servir como uma ponte sobre o abismo do ódio. Ele é maior que a vida\", disse Gitai ao “Haaretz”. (G1)

Deixe seu Comentário

Leia Também

Joe Biden toma posse como 46º presidente dos Estados Unidos
Mundo

Joe Biden toma posse como 46º presidente dos Estados Unidos

20/01/2021 15:26
Joe Biden toma posse como 46º presidente dos Estados Unidos
Sorteio põe mexicanos ou coreanos em caminho brasileiro no Mundial
Futebol

Sorteio põe mexicanos ou coreanos em caminho brasileiro no Mundial

20/01/2021 09:57
Sorteio põe mexicanos ou coreanos em caminho brasileiro no Mundial
Aberto da Austrália: brasileiros iniciam treinos em meio a quarentena
Tênis

Aberto da Austrália: brasileiros iniciam treinos em meio a quarentena

20/01/2021 07:52
Aberto da Austrália: brasileiros iniciam treinos em meio a quarentena
Boeing 737-500 some do radar logo após decolar na Indonésia
Mundo

Boeing 737-500 some do radar logo após decolar na Indonésia

09/01/2021 10:02
Boeing 737-500 some do radar logo após decolar na Indonésia
Mundo

Trump diz que não vai à posse de Biden

08/01/2021 15:04
Últimas Notícias