Dourados – MS quarta, 19 de fevereiro de 2020
Dourados
34º max
23º min
Estatística

Brasil criou 644 mil novas vagas de trabalho em 2019

Segundo o Caged é o maior saldo de emprego com carteira assinada desde 2013

24 Jan 2020 - 15h11Por Agência Brasil
Brasil criou 644 mil novas vagas de trabalho em 2019 - Crédito: Marcello Casal/Agência Brasil Crédito: Marcello Casal/Agência Brasil

O Brasil registrou a criação de 644 mil vagas de emprego formal no ano passado, 21,63% a mais que o registrado em 2018. De acordo com o Ministério da Economia, é o maior saldo de emprego com carteira assinada em números absolutos desde 2013.

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados hoje (24), mostram que o estoque de empregos formais chegou a 39 milhões de vínculos. Em 2018, esse número tinha ficado em 38,4 milhões.

Todos os oitos setores da economia registraram saldo positivo no último ano. O destaque ficou com o setor de serviços, responsável pela geração de 382,5 mil postos. No comércio, foram 145,4 mil novas vagas e na construção civil, 71,1 mil. O menor desempenho foi o da administração pública, com 822 novas vagas.

No recorte geográfico, as cinco regiões fecharam o ano com saldo positivo. O melhor resultado absoluto foi o da Região Sudeste, com a criação de 318,2 mil vagas. Na Região Sul, houve abertura de 143,2 mil postos; no Nordeste, 76,5 mil; no Centro-Oeste, 73,4 mil; e no Norte, 32,5 mil. Considerando a variação relativa do estoque de empregos, as regiões com melhores desempenhos foram Centro-Oeste, que cresceu 2,30%; Sul (2,01%); Norte (1,82%); Sudeste (1,59%) e Nordeste (1,21%).

Em 2019, o saldo foi positivo para todas as unidades da federação, com destaque para São Paulo, com a geração de 184,1 mil novos postos, Minas Gerais, com 97,7 mil, e Santa Catarina, com 71,4 mil.

De acordo com o Caged, também houve aumento real nos salários. No ano, o salário médio de admissão foi de R$ 1.626,06 e o salário médio de desligamento, de R$ 1.791,97. Em termos reais (considerado o deflacionamento pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o INPC), registrou-se crescimento de 0,63% para o salário médio de admissão e de 0,7% para o salário de desligamento, na comparação com novembro do ano passado.

Novas regras

Segundo os dados divulgados hoje, em 2019 houve 220,5 mil desligamentos mediante acordo entre empregador e empregado. Os desligamentos ocorreram principalmente em serviços (108,8 mil), comércio (53,3 mil) e indústria de transformação (35 mil).

Na modalidade de trabalho intermitente, o saldo ficou positivo em 85,7 mil empregos. O melhor desempenho foi do setor de serviços, que fechou 2019 com 39,7 mil novas vagas. No comércio, o saldo ficou em 24,3 mil postos; na indústria da transformação, 10,4 mil; e na construção civil 10 mil. As principais ocupações nessa modalidade foram assistente de vendas, repositor de mercadorias e vigilante.

Já no regime de tempo parcial, o saldo de 2019 chegou a 20,3 mil empregos. Os setores que mais contrataram nessa modalidade foram serviços, 10,6 mil; comércio, 7,7 mil; e indústria de transformação, 1,2 mil. As principais ocupações foram repositor de mercadorias, operador de caixa e faxineiro.

Dados de dezembro

Já no mês de dezembro, o saldo de novos empregos foi negativo. Segundo o Ministério da Economia, o resultado ocorre todos os anos. “Trata-se de uma característica do mês, devido aos desligamentos dos trabalhadores temporários contratados durante o fim de ano, além da sazonalidade naturalmente observada nos setores de serviços, indústria e construção civil”, informou a pasta.

No último mês de 2019, o saldo ficou negativo em 307,3 mil vagas. Em 2018, o saldo de dezembro havia sido de 334,4 mil vagas fechadas. Os maiores desligamentos foram no setor de serviços, com menos 113,8 mil vagas, e na indústria de transformação, com redução de 104,6 mil postos de trabalho. O comércio foi o único a apresentar saldo positivo, com 19,1 mil vagas criadas.

Na modalidade de trabalho intermitente, o saldo também foi positivo: 8,8 mil novas vagas em dezembro. Comércio e serviços dominaram as contratações com saldos de 3,7 mil e 3,1 mil novos postos, respectivamente. Já o trabalho parcial teve déficit de 2,2 mil vagas no mês passado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Descontos no financiamento da casa própria serão reduzidos pelo FGTS em 2021
Economia

Descontos no financiamento da casa própria serão reduzidos pelo FGTS em 2021

19/02/2020 14:18
Descontos no financiamento da casa própria serão reduzidos pelo FGTS em 2021
Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 170 milhões
Mega-Sena

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 170 milhões

19/02/2020 13:00
Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 170 milhões
Programa Brasil Mais pretende atender 200 mil empresas até 2022
economia

Programa Brasil Mais pretende atender 200 mil empresas até 2022

19/02/2020 07:50
Programa Brasil Mais pretende atender 200 mil empresas até 2022
Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
economia

Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil

18/02/2020 07:28
Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
União pagou em janeiro R$ 368,24 mi em dívidas atrasadas de estados
dívidas

União pagou em janeiro R$ 368,24 mi em dívidas atrasadas de estados

18/02/2020 06:41
União pagou em janeiro R$ 368,24 mi em dívidas atrasadas de estados
Últimas Notícias