Dourados – MS sexta, 03 de abril de 2020
Dourados
28º max
19º min
Coronavirus

Pandemia deixa travestis que atuam na prostituição sem renda em Dourados

26 Mar 2020 - 17h03Por Valéria Araújo
Pandemia deixa travestis que atuam na prostituição sem renda em Dourados - Crédito: Divulgação Crédito: Divulgação

O distanciamento social imposto pela pandemia de coronavirus deixou travestis, que exercem trabalho sexual, sem renda em Dourados. A situação ficou ainda mais grave com o toque de recolher, a partir das 22h. "É justamente nesse horário que começavam suas atividades", conta Claudia Assumpção, coordenadora do Núcleo de Políticas Públicas para LGBT+ em Dourados. 

Segundo ela, a pandemia  causou uma redução drástica no movimento e sem opção, muitas profissionais, que dependem do trabalho, não encontram saída a não ser insistir na função, mesmo com a recomendação de isolamento.  "A maioria delas estão endividadas nas casas nem aonde elas residem ou nos pensionatos. A cada dia as dívidas aumentam mais e muitas chegam a ter que fugir por que não consegue pagar as diárias. Deixam tudo para traz, as vezes até documntos pessoais", relata. 

Claudia  alerta para aquelas que não conseguem viver de outra renda. "A minha maior preocupação é em relação as meninas que são dependentes químicas pois elas não têm concepção do risco que elas estão correndo. Precisam manter o vício a qualquer custo", destaca, lamentando o fato de que a precarização nesses casos é tão significativa que já houve casos de programas custarem até R$ 10. "Temos várias meninas que são dependentes químicos e isso é muito triste porque elas sofrem muito mais, já que são mais vulneráveis, sofrem mais violências e estão mais expostas e correndo muito mais riscos de infecção do coronavirus", lamenta. 

A coordenadora disse que iniciou um trabalho de concientização para que elas se afastem das funções como recomenda a Organização Mundial de Saúde para evitar o contágio da doença. "Estamos tentando sensibilizar o máximo possível alertando sobre os riscos que elas estão correndo. No momento é necessário que elas se resguardem. Deixei à disposição qualquer dúvida e todas podem  me procurar a qualquer momento que eu estou orientando ou até encaminhando nos órgãos de saúde", ressalta. 

Claudia Assumpção se considera vitoriosa. Aos 55 anos, a servidora pública sobrevive no País em que mulheres como ela não chegam envelhecem. Isto porque o Brasil é considerado a nação mais perigosa do mundo para transgêneros. A expectativa de vida dessa comunidade é de 35 anos, menos da metade do resto da população, que chega aos 75,5 anos, de acordo com o IBGE. Só em 2019, o número de assassinatos em decorrência da transfobia (ódio ou aversão à identidade de gênero) já chegou a 123, sendo 65 vítimas travestis e 53 mulheres transexuais. "Somos poucas mulheres  trans que chega nesta idade ou mais,  eu me considero uma diva,  pois já ultrapassei os 3.5", disse. 

Claudia Assumpção


Os números são especialmente cruéis para mulheres trans e travestis em Dourados: 90% está na prostituição, se tornando assim principais alvo da violência. Claudia foi por outro caminho. Há 20 anos ela deixou de se prostituir. Hoje é casada e coordenadora do Núcleo de Políticas Públicas para LGBT+ em Dourados. Também já foi presidente da Associação de Gays, Lésbicas e Transgêneros de Dourados. Está cursando Serviço Social, fez diversos cursos de qualificação e sonha com a gastronomia após terminar a graduação. 


Segundo ela, a sua missão hoje é fazer com que as mulheres trans possam ter o direito de escolha a outra profissão que não seja a de se prostituir. Para isso vem sensibilizando o comércio para abrir vagas de trabalho além de buscar a qualificação para o mercado de trabalho para quem escolhe fazer como ela. 


Mas nem sempre foi assim. Claudia já passou por altos e baixos para lutar pelo direito de ser reconhecida como mulher. "Me considero assim desde sempre, mas aos 8 anos essa percepção ficou mais evidente tanto para mim quanto para a minha família. Lembro que me vi várias vezes com o vestido de noiva da minha mãe brincando com o meu vizinho. Preferia as bonecas ao invés dos carrinhos. Tinha o sonho de me casar e ser mãe.  Meus pais, muito conscientes não me agrediram, mas me obrigaram a ir para Campo Grande para me curar do que eles achavam ser doença. Passei pelos piores anos da minha vida lá porque para mim era uma condição desumana, uma tortura o que estavam fazendo. Graças a Deus eu jogava fora os medicamentos para pessoas com doenças psíquicas que me davam porque senão eu poderia estar lá até agora. Passei por uma bateria de exames e a junta médica da época constatou, após 5 anos, que eu não sofria de uma patologia, mas que 70% do meu cérebro era feminino e que não havia mais o que fazer a não ser me dar alta para que eu pudesse voltar a Dourados”, conta emocionada. 


Com a papelada na mão era hora de se assumir. Porém não foi tão fácil quando Cláudia esperava. Aos 16 anos foi expulsa de casa pelo pai que não aceitava que ela se vestisse com roupas femininas. Foi quando entrou para a prostituição para sobreviver. “Eu nunca gostei de vender o meu corpo. Mas era o que restava para pessoas como eu naquela época. Também não queria cometer crime algum. Após um ano meu pai me aceitou de volta e tive os melhores pais que uma mulher trans poderia ter”, lembra. 


A vida como prostituta foi cheia de altos e baixos. “Cheguei a ganhar mais de 7 mil dólares numa noite, mas também quase perdi minha vida, quando um cliente me levou para um caminho desconhecido no Paraguai e fiquei refém de 15 homens armados. Outra vez fui fazer um programa. Me estupraram e desmaiei. Acordei no hospital com ferimentos pelo corpo”, conta. 


Claudia diz que conta essas histórias como forma de incentivar que mulheres trans possam investir em outra escolha. “O grande problema é que muitas ainda acham que não vão chegar aos 35 anos. Fazem uso de álcool e drogas, muitas são dependentes e fazem programas por R$ 20 para alimentar o vício. Estão se matando aos poucos. Outras injetam silicone industrial em excesso pelo corpo sem se preocupar com o futuro, já que acreditam que ele não virá. Eu sou a prova de que podemos vencer a maldição dos 35 anos e viver uma vida como qualquer outra pessoa”, pondera, observando que os perigos na rua são constantes. “Vemos agressões a travestis constantemente por briga de ponto, sendo que a rua é pública. Vemos as profissionais do sexo tendo que pagar cafetões e ladrões para poderem trabalhar e a violência com que são expostas. Temos que mudar isso”, acrescenta. 


Segundo ela apesar das dificuldades, há avanços que merecem atenção. “Hoje é muito mais fácil do que antes para se trocar o nome, e para buscar respeito. Hoje há leis. Temos que fazer com que sejam cumpridas”, destaca, observando, por exemplo, que o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou no ano passado que a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero passasse a ser considerada um crime. “O Núcleo de Políticas Públicas tem feito um trabalho constante para levar essas informações e tem buscado melhorias em todas as áreas para que as mulheres trans vençam o preconceito um dia. Se eu venci, todo mundo pode vencer”, finaliza.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mecias de Jesus pede assistência a indígenas contra covid-19
Indígenas

Mecias de Jesus pede assistência a indígenas contra covid-19

02/04/2020 21:25
Mecias de Jesus pede assistência a indígenas contra covid-19
Governo chama profissionais de saúde para luta contra coronavírus
Covid-19

Governo chama profissionais de saúde para luta contra coronavírus

02/04/2020 20:52
Governo chama profissionais de saúde para luta contra coronavírus
Alcolumbre está curado da covid-19 e volta às atividades
Presidente do Senado

Alcolumbre está curado da covid-19 e volta às atividades

02/04/2020 20:51
Alcolumbre está curado da covid-19 e volta às atividades
Militares fazem a descontaminação de aeroporto em MS
Covid-19

Militares fazem a descontaminação de aeroporto em MS

há 9 horas atrás
Militares fazem a descontaminação de aeroporto em MS
Canabidiol

Associação da PB oferece canabidiol para médicos na frente de combate ao coronavírus

02/04/2020 20:15
Últimas Notícias