Dourados – MS sábado, 08 de agosto de 2020
Dourados
32º max
15º min
Segurança e Saúde JBS
FRONTEIRA

Moradores têm orgulho da fronteira e dizem que execuções são casos raros

23 Jun 2016 - 08h18
Fronteira Brasil e Paraguai em MS - Crédito: Foto: Martim Andrada/ TV MorenaFronteira Brasil e Paraguai em MS - Crédito: Foto: Martim Andrada/ TV Morena
Já comeu sopa que é um bolo? Chipa que faz 'tic' quando dividida? Já esteve com os pés em países diferentes ao mesmo tempo? Essas são apenas algumas caracteríticas da fronteira do Brasil com o Paraguai, em Mato Grosso do Sul.

Temida por alguns e amada por muitos, a região atraiu a atenção das forças de segurança na última semana, depois que o narcotraficante Jorge Rafaat foi morto com metralhadora ponto 50 (veja vídeo), mas quem vive por lá diz que o caso foi exceção. Com relatos em português, espanhol e guarani, moradores falam que a intensa troca de tiros não faz parte da rotina das cidades-gêmeas Ponta Porã e Pedro Juan Caballero.

Por conta da fronteira seca, sem muros ou obstáculos físicos, basta atravessar a linha internacional para entrar no país vizinho, a pé ou de carro. Se a pessoa ficar exatamente sobre a linha imaginária, delimitada por tótens ao longo da fronteira, é possível estar ao mesmo tempo nos dois países, com um pé no Brasil e outro no Paraguai. Ou até com os dois em ambos os países.
O G1 esteve na região no dia seguinte ao atentado e ouviu da maioria dos moradores que o clima amistoso entre hermanos de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero é muito maior que o medo da violência ou do narcotráfico.

Exceção

Na esquina onde aconteceu a emboscada, comerciantes e clientes se dizem acostumados com execuções na região, mas ressaltam que as mortes geralmente têm relação com o narcotráfico.
"Pessoas de bem não são atingidas pela guerra de facções". Essa é uma das respostas mais ouvidas quando a pergunta é sobre o medo da violência. Os brasiguaios, brasileiros que moram no Paraguai e paraguaios que moram no Brasil, fazem questão de lembrar da parte boa da fronteira. A mistura de culturas e o perfil trabalhador do povo hospitaleiro são alguns dos pontos mais comentados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Relatório da Operação Pantanal mostra aumento dos focos de incêndio em MS
Pantanal

Relatório da Operação Pantanal mostra aumento dos focos de incêndio em MS

08/08/2020 14:04
Relatório da Operação Pantanal mostra aumento dos focos de incêndio em MS
Hospitais públicos e privados serão obrigados a implantar Núcleo de Vigilância Epidemiológica
Covid-19

Hospitais públicos e privados serão obrigados a implantar Núcleo de Vigilância Epidemiológica

07/08/2020 14:08
Hospitais públicos e privados serão obrigados a implantar Núcleo de Vigilância Epidemiológica
Polícia Civil recebe veículo para ser usado em atendimento assistencial de policiais
MS

Polícia Civil recebe veículo para ser usado em atendimento assistencial de policiais

07/08/2020 11:07
Polícia Civil recebe veículo para ser usado em atendimento assistencial de policiais
CNH Ágil tem recorde no número de habilitações emitidas em julho
CNH

CNH Ágil tem recorde no número de habilitações emitidas em julho

07/08/2020 09:00
CNH Ágil tem recorde no número de habilitações emitidas em julho
Produção de máscara é um recomeço para vítimas de violência doméstica
Cidades

Produção de máscara é um recomeço para vítimas de violência doméstica

06/08/2020 20:01
Produção de máscara é um recomeço para vítimas de violência doméstica
Últimas Notícias