Dourados – MS sexta, 23 de outubro de 2020
Dourados
32º max
21º min
Influx
Variedades

Você é maniqueísta?

22 Jul 2011 - 07h27
Dom Redovino Rizzardo, cs *


Talvez alguns dos leitores se tenham perguntado: «Mani... o quê? Não terá sido um engano de alguém que deseja falar de manicures ou de maquinistas?»
Na antiga filosofia escolástica, começava-se a lição explicando os termos. É o que faremos também nós.


Filho da redução do pensamento e pai da intolerância, o maniqueísmo tem por fundador Mani, um sincretista religioso que viveu no século II da era cristã. Juntando elementos do cristianismo e de algumas religiões orientais, defendeu uma visão dualista da história e da sociedade.


De acordo com sua doutrina, o mundo está dividido em duas forças antagônicas: o Bem e o Mal, a Luz e as Trevas, Deus e o Diabo, num estado permanente de beligerância. Saiba ou não saiba, queira ou não queira, cada ser humano, pelo simples fato de nascer e viver, passa a integrar uma das duas frentes.

O maniqueísmo parece ter-se integrado tão profundamente na alma da humanidade, que só se extinguirá... no final do mundo! A estruturação dualista da sociedade é um dado inquestionável.


A tentação de sempre é colocar as pessoas, os acontecimentos e as doutrinas em margens opostas, num antagonismo irreconciliável: direita/esquerda, opressor/oprimido, alma/corpo, amigo/inimigo, capitalista/comunista, católico/evangélico, homem/mulher, povo/elite, índio/fazendeiro, branco/negro, e assim por diante.


O aspecto negativo de tudo isso não são as diferenças – são elas que enriquecem a sociedade quando se busca a comunhão, a justiça e o bem comum –, mas a tendência a olhar para os outros como adversários que precisam ser eliminados, através da luta de classes.


Quem leva o maniqueísmo às últimas conseqüências não são apenas os regimes totalitários, construídos sobre a arrogância – ou a fraqueza? – de quem não admite divergência. Ele está mais vivo do que nunca em toda a parte, inclusive no seio da sociedade moderna, que passa por avançada e tolerante.


O que fez a Revolução Francesa, que disse ter nascido para libertar a humanidade da escravidão e da tirania, senão massacrar a quem ousava divergir de seus critérios e métodos? Até as religiões que contam em seu seio com uma multidão de mártires, colaboraram – e algumas continuam colaborando – para a eliminação dos “inimigos”...


Para o filósofo e político italiano, Augusto Del Noce, o maniqueísmo contaminou a própria Igreja: «Para o pensamento católico de sempre, o esquema que interpretava a história e seus acontecimentos passava pelos antônimos fé/descrença, religião/ateísmo, devoção/impiedade, sagrado/profano.


Mas, ao aceitar as categorias da modernidade, a perspectiva de muitos homens da Igreja também aceitou um novo esquema, sintetizado nas dicotomias: progressista/conservador, direita/esquerda, reação/revolução. A interpretação religiosa da história foi substituída pela interpretação política. Às categorias tradicionais de verdadeiro/falso e bom/mau sucederam as de “progressista” (é o novo “santo” da atualidade: ninguém segue o Evangelho se não for da esquerda!) e “reacionário” (o pecador por excelência: quem é da direita é anticristão).


«Na nova escala de valores de certos eclesiásticos, o verdadeiro antagonista com quem o cristão deve se confrontar não é mais o antirreligioso, o blasfemador, o ateu. Eles são vistos como próceres de um cristianismo anônimo e nobre, cujas acusações os cristãos devem acolher com reverência contrita, fazendo de seus postulados um tesouro salutar.


O verdadeiro inimigo é o integrista, ou seja, o católico que toma a sério a própria fé, que não se conforma em vê-la reduzida a um sentimento humanitário ou a um valor comum, mas a transforma em diretriz e perspectiva de toda a sua atividade».


Para o maniqueísmo, os ímpios e os pecadores estão sempre na margem oposta. O que se deve fazer é lutar e destruí-los – para que nós, os bons, tomemos o seu lugar! Até o dia em que Deus deixa cair a casa e se descobre que o bem e o mal estão presentes no coração de cada homem, como experimentava São Paulo em sua própria carne: «Não faço o bem que quero, mas o mal que não quero.

Ora, se faço aquilo que não quero, não sou eu que o faço, mas o pecado que habita em mim. Quem me libertará deste corpo de morte? A graça de Deus, por meio de Jesus Cristo!» (Rm 7,19-20.24).


Bispo de Dourados

Deixe seu Comentário

Leia Também

Turismo no Mato Grosso do Sul conquista selo Safe Travels, da WTTC
Selo internacional

Turismo no Mato Grosso do Sul conquista selo Safe Travels, da WTTC

04/10/2020 11:13
Turismo no Mato Grosso do Sul conquista selo Safe Travels, da WTTC
"Jorjão" oferece atividades remotas para todos os públicos
Recreação

"Jorjão" oferece atividades remotas para todos os públicos

25/09/2020 07:23
"Jorjão" oferece atividades remotas para todos os públicos
Empresa de estúdio fotográfico é condenada por cobrança indevida
Condenação

Empresa de estúdio fotográfico é condenada por cobrança indevida

21/09/2020 16:57
Empresa de estúdio fotográfico é condenada por cobrança indevida
MTur disponibiliza R$ 13,5 milhões para ações de retomada do turismo nos estados
Turismo

MTur disponibiliza R$ 13,5 milhões para ações de retomada do turismo nos estados

21/09/2020 10:36
MTur disponibiliza R$ 13,5 milhões para ações de retomada do turismo nos estados
O julgamento de Deus
Artigo

O julgamento de Deus

17/09/2020 08:51
O julgamento de Deus
Últimas Notícias