Dourados – MS quinta, 22 de abril de 2021
Dourados
33º max
17º min
Influx - Campanha 2021
Variedades

Tudo azul?

04 Fev 2016 - 07h00Por Do Progresso
Tudo azul? -
Diante da informação publicada na atenta de que mesmo estando isentos do estacionamentos no primeiro dia de fevereiro, as moças de azul do parquímetro ainda circulavam pelas ruas vendendo cartões e assim, cobrando pelo estacionamento, o diretor da Agetran Mito Gebara explicou o seguinte à coluna: “As moças foram vistas no dia primeiro porque o contrato com a atual empresa venceria no dia seguinte, ou seja, no dia 02 de fevereiro. Porém foi no dia primeiro que saiu a notícia de que em fevereiro não seria cobrado o estacionamento”.


##### Por cartões


Mas Mito Gebara aproveitou para informar que como o estacionamento é gratuito em fevereiro, as pessoas que tem botos devem se dirigir a sede da Agetran, que fica no andar superior do terminal rodoviário e trocá-los por cartões. Evidentemente que estes cartões não serão utilizados agora porque o estacionamento não vem sendo cobrado.

##### Atento ao prazo


Mas em comum acordo com a próxima empresa a explorar o estacionamento a partir de março, ficou certo que estes cartões irão valer até o dia 14 de abril deste ano. Mas segundo alerta Mito Gebara os condutores não devem perder o prazo para trocar os botons que vai até o dia 29 de fevereiro.

##### Qual horário?


A troca deve ser realizada no horário de expediente da Agetran, ou seja, das 7h30 as 13h30. Após esse prazo não adianta procurar a Agetran porque não será mais possível a troca. “Nòs estabelecemos este acordo com a nova empresa justamente para que nenhuma pessoa ficasse no prejuízo e a nova empresa acatou o pedido da Agetran, mas, peço que todos fiquem atentos ao prazo”, encerrou Mito Gebara.

##### Não sabia


A defesa do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), preso em 25 de novembro do ano passado, por envolvimento na Operação Lava Jato, pediu ao Supremo Tribunal Federal a anulação da gravação usada como prova para justificar a prisão do parlamentar. Na petição, os advogados alegam que o áudio não é válido, por ter sido gravado pelo filho do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, sem que Delcídio tivesse conhecimento.

##### Nem mosquito


Evidente que se Delcídio soubesse que a conversa estava sendo gravada, jamais iria falar o que falou. Aliás, todos os investigados se ficam sabendo antes das gravações fecham a boca de uma tal maneira que nem mosquito da dengue entra.

##### Pelo silêncio


Em conversa com o filho de Cerveró Delcídio quis mostrar força e poder e demonstrou intimidade até mesmo com alguns ministros do STF e ofereceu até mesada pelo silencio de Cerveró.

##### Em conluio


Documento do Ministério Público Federal revela que o senador Delcídio Amaral (PT-MS), em conluio com o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, ofereceu pagamento de R$ 4 milhões ao advogado Edson Ribeiro, contratado pelo ex-diretor internacional da Petrobras Nestor Cerveró, para que o investigado não firmasse acordo de delação premiada na Lava-Jato.

##### Não mencionar


A alternativa seria Cerveró assinar o acordo, mas não mencionar nem Delcídio ou Esteves nos depoimentos. A dupla teria oferecido R$ 50 mil a Bernardo Cerveró, filho do ex-executivo da estatal, em troca do silêncio do depoente.


##### E o restante?


O restante da família receberia a mesma quantia mensal como recompensa. O dinheiro para arcar com as propinas viria de Esteves, dono do banco BTG-Pactual.

##### Delação premiada


Segundo o Ministério Público, o advogado de Cerveró, mesmo depois da decisão de seu cliente de firmar o acordo de delação premiada, foi cooptado por Delcídio. Os R$ 4 milhões foram acertados por ser o mesmo valor que Ribeiro acertou como honorários com Cerveró.

##### Força-tarefa


Após a proposta, Bernardo Cerveró procurou a força-tarefa da Operação Lava-Jato em Curitiba para relatar a existência de pressões ao pai, que negociava a assinatura de um acordo de delação premiada.

##### Em vão


Os esforços de Delcídio, no entanto, foram em vão. Na delação premiada, Cerveró denunciou que o senador teria obtido vantagem nas operações da Petrobras da contratação de sondas e da compra da refinaria de Pasadena.

##### A fuga


Ainda segundo o Ministério Público Federal, Delcídio participou de reunião em que foi planejada a fuga de Cerveró para a Espanha, porque o investigado tem cidadania espanhola. O senador chegou a sugerir uma rota pelo Paraguai e também o tipo de avião que o transportaria até o país europeu.

##### Habeas corpus


Outro motivo que levou o ministro a mandar prender o senador foi o fato de que, em reunião com o advogado de Cerveró, Delcídio teria prometido que o STF libertaria o réu. Ele disse que há tinha conversado com Zavascki e com o ministro Dias Toffoli, presidente da Segunda Turma, sobre a concessão de habeas corpus. E prometeu que pediria ao vice-presidente Michel Temer e ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que falassem com o ministro Gilmar Mendes sobre o tema.

##### Com Fachin


Delcídio também teria prometido conversar com o ministro Edson Fachin sobre a concessão de um habeas corpus ao ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, outro delator da Lava-Jato. A intenção era anular todas as investigações a respeito de Paulo Roberto sobre desvios da Petrobras.

##### Agente infiltrado


“Fica evidente que a reunião marcada por Bernardo Cerveró buscava trazer o senador para uma armadilha, engendrada por ele. Cabe rememorar que a atuação típica de um agente infiltrado exige prévia autorização judicial, não sendo possível que ela decorra de acordos entre o Ministério Público Federal e quem quer que seja”, argumentou a defesa. Além de Delcício do Amaral, continuam presos o chefe de gabinete do senador, Diogo Ferreira, e Edson Ribeiro. Todos cumprem prisão preventiva em Brasília.

##### Que frase!


“Talvez não tenhamos conseguido fazer o melhor, mas lutamos para que o melhor fosse feito, não somos o que deveríamos ser, não somos o que iremos ser, mas graças a Deus não somos o que éramos.” (Martin Luther King).

Deixe seu Comentário