Dourados – MS domingo, 13 de junho de 2021
Dourados
24º max
10º min
Editorial

Indústria de Escândalos

27 Fev 2016 - 06h00
Indústria de Escândalos -
O governo da presidente Dilma Rousseff está se especializando em produzir escândalos, seguindo a cartilha que começou a ser escrita ainda na gestão de Luiz Inácio Lula da Silva quanto o dinheiro público foi usado para comprar apoio político no Congresso Nacional por meio de pagamento de mensalão aos deputados e senadores de partidos aliados. Se os escândalos no governo Lula não tiveram força para atingir o chefe do Palácio do Planalto, na gestão Dilma Rousseff dificilmente eles deixarão de contaminar a mandatária maior do Brasil, mesmo porque todo dia surge um novo episódio de corrupção. Ontem, por exemplo, A Polícia Federal (PF) cumpriu mandados judiciais em seis Estados e no Distrito Federal dentro da Operação Recebedor, que investiga desdobramentos de fatos apurados na Operação Lava Jato, com base em informações colhidas em acordo de leniência e delação premiada de um dos investigados. Para os adeptos da política do quanto pior melhor, o escândalo de ontem agrava ainda mais a situação do governo federal, mas para o conjunto da sociedade esse episódio prejudicará muito mais o país.


A Polícia Federal cumpriu sete mandados de condução coercitiva e 44 mandados de busca nos Estados do Paraná, Maranhão, Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo, Goiás e no Distrito Federal, onde integrantes do Ministério Público Federal colheram provas do pagamento de propina para a construção das ferrovias Norte-Sul e Integração Leste-Oeste, bem como da prática de cartel e lavagem de dinheiro ilícito obtido por meio do superfaturamento de obras públicas. A investigação atingiu o núcleo da Valec Engenharia, Construção e Ferrovias, estatal ligada diretamente ao Ministério dos Transportes e que é acusada de ter desviado a bagatela de R$ 630 milhões somente nas obras da Ferrovia Norte-Sul por meio de empreiteiras que faziam pagamentos regulares por meio de contratos simulados a um escritório de advocacia e a mais duas empresas sediadas em Goiás, que eram utilizadas como fachada para maquiar a origem lícita do dinheiro proveniente de fraudes em licitações públicas. Entre os investigados está o ex-presidente da Valec Engenharia, Construção e Ferrovias, José Francisco das Neves, que comandou a estatal entre 2008 e 2011, ou seja, a roubalheira durou quatro anos e deixou um rastro de provas.


O que não falta para alimentar a corrupção na Valec é dinheiro. Ainda que as iniciativas previstas na segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) para ferrovias tenham sido cortadas pela metade, os investimentos passaram de R$ 10 bilhões nos últimos três anos. Mesmo com tanto dinheiro, apenas 34,7% dos projetos foram concluídos no ano passado. No caso das ferrovias, dos 46 empreendimentos previstos, a maioria ainda está em execução ou em obra, enquanto apenas 17 iniciativas foram concluídas até o final do ano passado. Outras seis obras restantes ainda estão nas fases iniciais, mas os problemas mais crônicos estão nos projetos da Extensão Sul da Ferrovia-Norte Sul, de Ouro Verde/GO a Estrela D’Oeste/SP e da Ferrovia de Integração Oeste-Leste, de Ilhéus a Caetité. No ano passado, o governo anunciou pacote de concessões no valor de R$ 198,4 bilhões, sendo R$ 86,4 bilhões apenas em ferrovias, com destaque para os trechos da ferrovia Norte-Sul, entre Palmas (TO) e Anápolis (GO) e entre Barcarena (PA) e Açailândia (MA) e entre Anápolis, Estrela D’Oeste (SP) e Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul.


Os escândalos de corrupção deixam claro que o governo federal ignora a importância das ferrovias para desafogar o tráfego nas rodovias interestaduais; para reduzir o custo do transporte coletivo; para facilitar a mobilidade urbana e, sobretudo, para humanizar o transporte interestadual de passageiros. O mais preocupante é que pelo perfil do Programa de Investimentos em Logística: Rodovias e Ferrovias, lançado pela própria presidente Dilma Rousseff ainda no primeiro mandato, o poder público continuaria incentivando apenas o transporte de cargas com investimentos de R$ 133 bilhões exclusivamente para a modernização e ampliação da malha ferroviária e rodoviária brasileiras. Falta sensibilidade para os gestores públicos federais e estaduais na questão do transporte férreo, mesmo porque é cada vez maior o volume de incentivos para a aquisição de veículos automotores e cada vez menor os projetos que beneficiam as ferrovias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Comitê da Pandemia

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas

15/04/2021 14:30
Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Últimas Notícias