Dourados – MS quarta, 17 de abril de 2024
21º
Paz e segurança

ONU vê "aumento chocante" de incidentes de negação de acesso humanitário em confrontos

Representante especial para Crianças e Conflitos Armados quer prestação de contas para que menores em conflitos tenham auxílio essencial; efeitos da negação do acesso ao grupo é tema de debate no Conselho de Segurança

03 Abr 2024 - 20h45Por ONU News
Negação do acesso humanitário tem efeitos duradouros no bem-estar e no desenvolvimento infantis - Crédito:  Unicef/Giovanni DiffidentiNegação do acesso humanitário tem efeitos duradouros no bem-estar e no desenvolvimento infantis - Crédito: Unicef/Giovanni Diffidenti

O Conselho de Segurança debateu nesta quarta-feira a  situação de menores e conflitos armados sob o lema “As consequências da negação do acesso humanitário às crianças”. 

A ocorrência destas situações em nível global tende a piorar ao longo do tempo por fatores como adopção de leis restritivas, decretos e regulamentos administrativos, além do maior controle sobre a ação e os trabalhadores humanitários.

Desrespeito flagrante pelo direito humanitário internacional

As declarações foram feitas na sessão  pela representante especial do secretário-geral para Crianças e Conflitos Armados, Virginia Gamba.

Já o diretor executivo do Fundo da ONU para a Infância, Unicef, Ted Chaiban, apontou a Faixa de Gaza como um exemplo dos efeitos da negação de acesso. Um terço das crianças sofre de mal nutrição aguda, índice que mais do que duplicou nos últimos dois meses.

ONU verificou 3.941 casos de negação de acesso humanitário em 2022ONU verificou 3.941 casos de negação de acesso humanitário em 2022 - Foto: © Unicef/Alessio Romenzi

 

No norte da região, dezenas delas morreram recentemente por desnutrição e desidratação, sendo que “metade da população vive em nível catastrófico de insegurança alimentar”.  

Gamba adiantou que dados preliminares de um relatório a ser lançado em 2024 mostram que a situação segue rumo a um “aumento chocante dos incidentes de negação de acesso humanitário em nível mundial”. Ela disse que a escalada no “desrespeito flagrante pelo direito humanitário internacional” continua.

Alta exponencial de incidentes

Em 2022, a ONU verificou 3.941 casos de negação de acesso humanitário, no que se tornou uma das violações mais observadas no período que foi marcado por valores mais elevados no Território Palestiniano Ocupado, no Iêmen, no Afeganistão e no Mali. A alta exponencial de incidentes verifica-se desde 2019. 

Em muitas situações há níveis elevados de impedimentos arbitrários que podem estar associados à negação total do acesso humanitário às crianças, incluindo nas situações dos territórios palestinos e do Haiti.

Pelo menos 1,5 milhões de crianças no Haiti necessitam urgentemente de ajuda de emergênciaPelo menos 1,5 milhões de crianças no Haiti necessitam urgentemente de ajuda de emergência - Foto: © UNICEF/Manuel Moreno Gonza

 

Para Gamba, todas as partes devem ser responsabilizadas quando impedem que crianças recebam assistência vital, porque ameaça a existência do grupo e afeta de forma negativa seu crescimento e desenvolvimento.

Para ela, os  casos de negação de acesso humanitário estão ligados à restrição de atividades e movimentos humanitários, interferência nas operações humanitárias e discriminação dos beneficiários da ajuda.

Violação de direitos humanos infantis básicos

Gamba mencionou ainda fatores como “ataques diretos e indiscriminados a infraestruturas civis,  desinformação, detenção, violência e assassinato de pessoal humanitário e saques”. 

O tipo de incidentes ultrapassa os limites dos campos de batalha rurais e urbanos,  chegando a ocorrer em acampamentos inseguros onde vivem deslocados e em situações em que crianças vivem em privação de liberdade.

Para Gamba, a negação do acesso humanitário tem efeitos duradouros no bem-estar e no desenvolvimento infantis e “pode levar à violação dos seus direitos humanos básicos, incluindo à vida, à educação e ao mais elevado padrão de saúde”.

Casos como Sudão e Sahel revelam frequentemente que crianças não têm acesso a espaços seguros. Gamba disse que quando os comboios de auxílio são impedidos por grupos armados ou organizações criminosas atrasa a assistência ao grupo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Fórum da Juventude da ONU lança apelo por um "mundo mais justo"
Desenvolvimento econômico

Fórum da Juventude da ONU lança apelo por um "mundo mais justo"

16/04/2024 21:45
Fórum da Juventude da ONU lança apelo por um "mundo mais justo"
ONU alerta para risco iminente de acidente nuclear em Zaporizhzhia, na Ucrânia
Paz e segurança

ONU alerta para risco iminente de acidente nuclear em Zaporizhzhia, na Ucrânia

16/04/2024 20:45
ONU alerta para risco iminente de acidente nuclear em Zaporizhzhia, na Ucrânia
OMS: Com sistema de saúde arrasado em Gaza, pacientes "definham de dor"
Ajuda humanitária

OMS: Com sistema de saúde arrasado em Gaza, pacientes "definham de dor"

16/04/2024 19:45
OMS: Com sistema de saúde arrasado em Gaza, pacientes "definham de dor"
Um ano após início do conflito, doadores se mobilizam para apoio ao Sudão
Paz e segurança

Um ano após início do conflito, doadores se mobilizam para apoio ao Sudão

15/04/2024 22:45
Um ano após início do conflito, doadores se mobilizam para apoio ao Sudão
Líder da ONU diz que "pesadelo" no Sudão não pode ser esquecido pelo mundo
Paz e segurança

Líder da ONU diz que "pesadelo" no Sudão não pode ser esquecido pelo mundo

15/04/2024 21:45
Líder da ONU diz que "pesadelo" no Sudão não pode ser esquecido pelo mundo
Últimas Notícias