Dourados – MS domingo, 14 de julho de 2024
10º
Saúde

Oxigenoterapia hiperbárica mostra-se eficiente na recuperação de lesões no joelho

De acordo com Marcos Demange, o trabalho aponta eficácia da câmera hiperbárica na recuperação pós-cirúrgica de reconstrução do ligamento cruzado anterior do joelho

19 Jan 2024 - 08h00Por Jornal da USP no Ar
nstituto de Ortopedia e Traumatologia do HC  - Crédito: Banco de Imagens do HCFMUSPnstituto de Ortopedia e Traumatologia do HC - Crédito: Banco de Imagens do HCFMUSP

O Instituto de Ortopedia do Hospital das Clínicas realizou um estudo mostrando que a oxigenoterapia hiperbárica pode contribuir com a recuperação de lesões musculoesqueléticas e aponta a eficácia da câmera hiperbárica na recuperação pós-cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado anterior no joelho. 

A análise em desenvolvimento abriu novas linhas de pesquisa no tratamento de algumas doenças ortopédicas, como é exposto pelo líder do estudo e professor Marcos Demange, do Instituto de Ortopedia e Traumatologia (IOT) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina (HCFM) da Universidade de São Paulo.

A doença

A lesão no ligamento cruzado anterior do joelho é um dano comum entre os praticantes de esportes, que é ocasionado quando o atleta estoura o ligamento central do joelho, deixando-o instável. De acordo com o professor, o tempo de recuperação após o tratamento pode ser longo até que o ligamento fique novamente forte. 

“Ocorre quando a pessoa trava o joelho no chão e gira o ligamento que está em seu centro, ele pode estourar e, quando isso acontece, a pessoa fica com o joelho sem estabilidade ou seja, ele afrouxa. O tratamento normalmente demanda uma cirurgia que tem um tempo longo de recuperação, de quase 26 meses até esse ligamento ficar resistente”, explica o especialista.

Marcos Demange – Foto: Arquivo Pessoal

 

Oxigenoterapia hiperbárica

Inicialmente, a oxigenoterapia hiperbárica começou a ser usada em doenças compressivas, principalmente com mergulhadores que estão em profundidade no mar e sobem rápido para a superfície e em trabalhadores em plataformas de petróleo, há mais de 30 anos, afirma o professor. 

Demange expõe que o tratamento passou a ser utilizado para cicatrizar tecidos em que a oxigenação era ruim e em que bactérias cresciam demasiadamente, gerando infecções, gangrenas ou feridas grandes. Utilizando a mesma lógica de tecidos que não possuem boa oxigenação e que, por isso, demoram para cicatrizar, o professor e sua equipe tiveram a ideia de utilizar a medicina hiperbárica no sistema esquelético. 

“Estamos no ar ambiente, que tem em torno de vinte e poucos por cento de oxigênio e a nossa pressão no corpo é de uma atmosfera que está aí em cima da gente. Quando colocamos uma pessoa dentro de uma câmera hiperbárica, significa aumentar a pressão em uma ou duas vezes do que estaria na atmosfera, é como se fosse um mergulho de 20m no mar de pressão”, descreve o especialista

Além disso, coloca-se um oxigênio a 100% dentro da câmera hiperbárica e, em vez dos vinte poucos por cento que a gente está respirando, faz com que o oxigênio, além de ser transportado pela hemoglobina, corra pelo plasma, elevando o nível do oxigênio mais de seis ou sete vezes, ajudando a célula a crescer, explicita o professor. 

Desenvolvimento do estudo 

No estudo foi feita a divisão de dois grupos, em que um grupo ficou no ar normal e o outro ficou cinco dias seguidos recebendo uma hora e meia de oxigênio trapiperbárica. Após três meses, que é o tempo de recuperação do ligamento, foi analisado em exames de alta resolução um resultado promissor em que o ligamento estava bem mais resistente. Embora a terapia seja benéfica, existem algumas contraindicações. 

“As duas contraindicações mais relevantes são, por exemplo, se uma pessoa está com glaucoma, que é o aumento de pressão dentro do olho, ela não pode se submeter a um tratamento desse tipo. Como também em pessoas que possuem claustrofobia muito forte e que possuam convulsões que não estão sendo controladas”, reitera o especialista.

Os estudos desenvolvidos ainda serão utilizados na prática; no momento, os estudos clínicos com os pacientes serão iniciados. A linha de pesquisa vai ser expandida para outros locais que não só do ligamento cruzado anterior, mas também para o menisco, a cartilagem, o tendão do ombro e em outras regiões com uma cicatrização ruim. 

“Essa é uma linha de pesquisa que se abriu. Então, o que é muito interessante desse estudo que, aliás, foi publicado numa revista internacional super-relevante, é que abriu uma linha de pesquisa nova e uma vertente nova de tratamento para nós aqui na Faculdade de Medicina da USP”, destaca o especialista. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde recomenda atenção para casos de febre Oropouche no país
Saúde

Saúde recomenda atenção para casos de febre Oropouche no país

13/07/2024 21:00
Saúde recomenda atenção para casos de febre Oropouche no país
Saúde de MS ganha nova ferramenta digital para evitar judicialização de processos
Judiciário

Saúde de MS ganha nova ferramenta digital para evitar judicialização de processos

13/07/2024 15:00
Saúde de MS ganha nova ferramenta digital para evitar judicialização de processos
Promotora de Justiça palestra em evento sobre solução de conflitos na área da saúde
Campo Grande

Promotora de Justiça palestra em evento sobre solução de conflitos na área da saúde

13/07/2024 12:00
Promotora de Justiça palestra em evento sobre solução de conflitos na área da saúde
Vacina nacional contra covid está em fase avançada, diz ministra
Saúde

Vacina nacional contra covid está em fase avançada, diz ministra

13/07/2024 11:00
Vacina nacional contra covid está em fase avançada, diz ministra
Hospital Universitário é reconhecido pela Anvisa pelo quarto ano consecutivo
Saúde

Hospital Universitário é reconhecido pela Anvisa pelo quarto ano consecutivo

13/07/2024 07:45
Hospital Universitário é reconhecido pela Anvisa pelo quarto ano consecutivo
Últimas Notícias