Dourados – MS sábado, 13 de abril de 2024
27º
Saúde

Nova fase de estudo com células CAR-T no combate à leucemia e linfoma tem investimento de R$ 100 mi

Liberados pelo Ministério da Saúde, os recursos vão permitir a inclusão de 81 novos pacientes no estudo do Hemocentro de Ribeirão Preto em parceria com a Fundação Butantan

22 Dez 2023 - 08h00Por Jornal da USP
Bolsa com células CAR-T, produzidas no Laboratório de Terapia Celular do Hemocentro RP, pronta para ser instilada no paciente - Crédito: Assessoria do Hemocentro do HC-FMRPBolsa com células CAR-T, produzidas no Laboratório de Terapia Celular do Hemocentro RP, pronta para ser instilada no paciente - Crédito: Assessoria do Hemocentro do HC-FMRP

No início do próximo ano, terá início uma nova fase do estudo clínico para o tratamento de leucemia e linfoma, utilizando células CAR-T. Esta pesquisa é uma iniciativa do Hemocentro de Ribeirão Preto, vinculado ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina (HC-FMRP) da USP, em parceria com a Fundação Butantan. “Essa nova fase do estudo só foi possível com a liberação de R$ 100 milhões pelo Ministério da Saúde, dentro do Novo Programa de Aceleração ao Crescimento (PAC-Saúde)”, conta o médico hematologista Gil De Santis, diretor médico do Laboratório de Terapia Celular do Hemocentro do HC-FMRP e um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo.

Segundo o médico, esses recursos serão aplicados principalmente na manufatura dos produtos celulares, que envolve a compra de insumos e de reagentes, e financiarão os gastos hospitalares decorrentes do tratamento. “Nessa fase, avaliaremos a segurança e a eficácia do novo produto, para, ao final, solicitar a sua aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), depois do que, o produto poderá ser oferecido aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).”

O diretor do Instituto Butantan, Esper Kallás, destaca que “o Butantan fez um grande investimento na construção de plataforma de produção de células CAR-T. Agora, consolida a linha de pesquisa com a captação de recursos necessários para conduzir o primeiro estudo clínico com tecnologia desenvolvida junto com a Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto (Fundherp) e a USP. Com isso, se posiciona para suprir a demanda que será exigida no Brasil para esta nova forma de tratamento”.

Em nota, Carlos Gadelha, secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação e do Complexo Econômico-Industrial da Saúde, do Ministério da Saúde, afirmou que “nosso objetivo é garantir à população mais carente o acesso aos tratamentos mais modernos contra o câncer”.

Os estudos com células CAR-T também recebem financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 

Alvo específico

Gil Cunha de Santis – Foto: Assessoria do Hemocentro do HC-FMRP

 

O estudo vai incluir 81 pacientes com leucemia linfoide aguda de células B e linfoma não Hodgkin de células B, que não obtiveram resposta ao tratamento convencional inicial, composto de quimioterapia e transplante de medula óssea. “Esta fase do estudo é direcionada para casos que não responderam ou apresentaram o retorno da doença após a primeira linha de tratamento convencional, com o uso da quimioterapia, e o transplante de medula óssea”, explica De Santis. 

Serão selecionados pacientes que atenderem às informações do hematologista. O contato deve ser realizado pelo médico que atende o paciente interessado em participar do estudo, pelo e-mail: [email protected], anexando o relatório de saúde do candidato. As informações serão avaliadas pela equipe médica das instituições participantes e, caso se enquadre no estudo clínico, o médico responsável pelo paciente será avisado.

O CAR-T desenvolvido no Hemocentro de Ribeirão Preto é “treinado” para atingir um alvo específico que se chama CD19, presente somente na leucemia linfoide aguda de células B e no linfoma não Hodgkin de células B. Por isso, esta imunoterapia não possui efetividade em outros tipos de cânceres sólidos. 

O nome CAR-T vem da união de dois conceitos: CAR é a sigla em inglês para receptor quimérico de antígeno (chimeric antigen receptor) e T vem de linfócitos T, células do organismo responsáveis por sua defesa. Na terapia celular, o linfócito T é alterado para exibir em sua superfície os receptores CAR e se tornar ainda mais potente no combate ao câncer – ele deixa de ser uma célula T para se transformar em uma célula CAR-T. Considerado um dos tratamentos mais revolucionários da medicina, tem altíssima complexidade e é personalizado, pois usa as células de defesa do próprio paciente para combater a doença.

Pioneirismo

 Foto: Assessoria do Hemocentro do HC-FMRP

 

A terapia com células CAR-T surgiu no início de 2010 nos Estados Unidos e começou a ser aplicada experimentalmente em pacientes de câncer terminal. Os resultados positivos levaram a Agência Reguladora de Alimentos e Medicamentos (FDA – sigla em Inglês), dos Estados Unidos, a aprovar, em 2017, o uso da terapia CAR-T para o combate ao câncer. No ano seguinte, em 2018, o tratamento rendeu aos seus descobridores, James P. Allison e Tasuku Honjo, o Prêmio Nobel de Medicina.

No Brasil, a terapia com células CAR-T foi desenvolvida pioneiramente no Centro de Terapia Celular (CTC) da USP, sediado no Hemocentro de Ribeirão Preto. O primeiro voluntário brasileiro, que recebeu o tratamento experimental em 2019, alcançou a remissão total de um linfoma em estágio terminal. Outros pacientes que optaram pelo tratamento também tiveram remissão. Até hoje, a terapia celular se mostrou altamente eficaz contra casos de leucemia linfoide aguda de células B e linfoma não Hodgkin de células B, dois tipos de cânceres de sangue.

Para mais informações acesse o site do Hemocentro de Ribeirão Preto.

Reportagem: Rose Talamone e Eduardo Vidal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Vacinação contra gripe tem Dia D neste sábado nos postos de saúde
Dourados

Vacinação contra gripe tem Dia D neste sábado nos postos de saúde

13/04/2024 09:15
Vacinação contra gripe tem Dia D neste sábado nos postos de saúde
Brasil terá mais médicos por habitantes do que EUA em 2025
Saúde

Brasil terá mais médicos por habitantes do que EUA em 2025

13/04/2024 07:15
Brasil terá mais médicos por habitantes do que EUA em 2025
Projeto institui campanha sobre o Transtorno do Desenvolvimento da Linguagem
ALEMS

Projeto institui campanha sobre o Transtorno do Desenvolvimento da Linguagem

13/04/2024 07:00
Projeto institui campanha sobre o Transtorno do Desenvolvimento da Linguagem
Comissão do Senado vai ouvir ministra Nísia Trindade, na terça-feira
Saúde

Comissão do Senado vai ouvir ministra Nísia Trindade, na terça-feira

13/04/2024 06:45
Comissão do Senado vai ouvir ministra Nísia Trindade, na terça-feira
Síndrome de Down: a importância do diagnóstico ainda na gravidez
Saúde

Síndrome de Down: a importância do diagnóstico ainda na gravidez

12/04/2024 16:30
Síndrome de Down: a importância do diagnóstico ainda na gravidez
Últimas Notícias