Dourados – MS sábado, 25 de maio de 2024
13º
Saúde

Debate aponta necessidade de tratamento humanizado da mielomeningocele

O debate foi proposto pelo senador Flávio Arns (PSB-PR), que considera necessário avançar com as práticas de prevenção e cuidados para evitar a mortalidade infantil no Brasil

20 Abr 2024 - 22h45Por Agência Senado
Debate aponta necessidade de tratamento humanizado da mielomeningocele - Crédito: Reprodução/Tv Senado Crédito: Reprodução/Tv Senado

O tratamento humanizado da mielomeningocele no Brasil foi defendido em audiência pública remota da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) na sexta-feira (19). Trata-se de uma malformação congênita da coluna vertebral e na medula espinhal do feto que ocorre no início da gravidez, afetando o desenvolvimento dos ossos da coluna do bebê, e pode implicar outros problemas de saúde. O debate foi proposto pelo senador Flávio Arns (PSB-PR), que considera necessário avançar com as práticas de prevenção e cuidados para evitar a mortalidade infantil no Brasil.

A intenção dos senadores com o debate, segundo Arns, é atuar para que as famílias fiquem tranquilas no acompanhamento e tratamento dos pacientes com mielomeningocele, sem traumas e com acesso rápido às eventuais indicações de cirurgias. O parlamentar ressaltou que a baixa oferta de diagnóstico precoce na gestação, a indisponibilidade de cirurgia intrauterina junto ao Sistema Único de Saúde (SUS) e inexistência de acompanhamento em saúde ao longo da vida ampliam a angústia e a preocupação das famílias de crianças que nascem com o problema.

— Vamos atuar para que resultados concretos aconteçam. Agradeço aos veículos de Comunicação do Senado, Agência Senado, Rádio Senado, TV Senado, por darem toda a publicidade a esta audiência pública. Quero deixar claro a todos os cidadãos brasileiros que vocês têm total solidariedade do Senado Federal com a área. Queremos que seja um setor sistematizado, sem filas, com acesso ao diagnóstico precoce, e que tudo possa estar adequado, sem a necessidade de reiteradas tentativas de acesso às soluções.

Arns disse que pedirá o posicionamento do Conselho Federal de Medicina (CFM) para então enviar encaminhamentos ao Ministério da Saúde. Segundo o senador, um documento será elaborado pela CAS com a participação do movimento social e dos debatedores ouvidos pela comissão nesta sexta-feira. Segundo o parlamentar, o intuito é propor a inserção do diagnóstico da mielomeningocele e a cobertura da cirurgia de correção intrauterina entre os procedimentos do SUS. Arns disse ainda que a CAS deverá propor novos debates sobre o tema.

— Essa audiência focou a parte da cirurgia intrauterina e suas consequências. Questões como a fisioterapia e medicamentos, por exemplo, a gente vai abordar em outra audiência pública. Contem com o Senado Federal, contem com o Congresso Nacional. Vamos caminhar juntos para fazermos as mudanças necessárias — comunicou.

Números

No Brasil, a cada 10 mil nascimentos, a mielomeningocele atinge 2,42 bebês. O presidente da Associação Brasileira de Espinha Bífida (Abrasse), Paulo César Cechin, informou que nascem em média 750 bebês ao ano com a malformação no país, onde a população estimada de indivíduos com o problema chega a 39.240.

De acordo com pesquisa realizada pela Abrasse junto a seus associados, entre os anos de 2010 e 2018, em média, somente 12% das crianças diagnosticadas com mielomeningocele tiveram acesso à cirurgia intrauterina. A partir de 2019, quando a instituição intensificou as ações para viabilização da disponibilidade da cirurgia intrauterina, em média, 72% dos assistidos passaram a ter acesso ao procedimento. Em 2023 e 2024, esse número subiu para 85%, afirmou o debatedor.

Atendimento especializado

Fernanda Maia, mãe de uma criança de três anos de idade diagnosticada com mielomeningocele, falou do susto das famílias ao se constatar a doença. Ela ressaltou que teve um atendimento especializado, mas observou que a maioria dos casos não conta com tratamento humanizado. Além disso, a debatedora alertou para o fato de que, tão importante quanto a cirurgia intra-útero, é o acompanhamento pós natal.

Fernanda pediu apoio que o governo de cada estado brasileiro invista no funcionamento de pelo menos um hospital de referência no assunto. Na opinião dela, a medida seria de grande valia, ao permitir que famílias não precisem percorrer distâncias tão grandes em busca de tratamento.

— Seria a realização de um sonho o acesso a um tratamento atualizado, humanizado, médicos que se atualizam e não expõem as crianças a situações desnecessárias: que todas as crianças pudessem ter um tratamento de excelência. Recebo muitos relatos de mães que receberam esse diagnóstico da pior forma possível. Nosso apelo, então, é para que as políticas públicas atendam às nossas gestantes e às nossas crianças em tempo hábil e nunca deixando para a última hora — declarou.

Procedimentos

Para a cirurgiã pediátrica do Hospital das Clínicas de Curitiba Camila Fachin tão importante quanto oferecer a cirurgia é o governo criar uma rede capacitada para o acompanhamento de todos os casos, com qualidade e segurança. A especialista explicou que o diagnóstico da mielomeningocele é feito na ultrassom pré-natal. E informou que a cirurgia fetal diminui o tempo de exposição do tecido neural do bebê com o líquido aminiótico podendo, inclusive, reverter problemas como a hidrocefalia.

Camila observou que cirurgia fetal não é indicada em todos os casos, sendo necessárias avaliações sobre sua eficácia, mas ressaltou que o procedimento traz mais benefícios do que riscos.

— Por isso é tão importante o diagnóstico precoce. O parto prematuro é o principal efeito adverso da cirurgia intrauterina, mas a cirurgia fetal traz mais benefícios do que malefícios — informou a médica.

SUS

O consultor-técnico do Ministério da Saúde Marcos Jonathan Lino dos Santos pontuou que, para o governo incorporar qualquer procedimento na lista de tratamento, o SUS faz antes uma avaliação sobre a viabilidade, a eficácia e os custos, inclusive quanto à capacitação dos profissionais. Ele ressaltou que laudo da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) apontou riscos quanto à cirurgia intrauterina de mielomeningocele e que pesquisas não mostraram resultados benéficos da incorporação desse procedimento pelo sistema público de saúde. O debatedor afirmou, no entanto, que estudos mais recentes poderão embasar novo parecer a respeito do assunto.

— A reunião de evidências dos benefícios da cirurgia intra-útero é necessária para nova reunião e reavaliação pelo corpo técnico do Conitec. Temos a possibilidade de fazer novamente esse caminho e realizar nova avaliação e a partir do momento em que a Conitec se mostrar favorável, poderemos, sim, ter a inclusão desse tipo de cirurgia na lista de procedimentos do SUS — complementou.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde lança nova campanha de vacinação contra covid-19
Saúde

Saúde lança nova campanha de vacinação contra covid-19

25/05/2024 19:30
Saúde lança nova campanha de vacinação contra covid-19
Médicos chamam atenção para mucopolissacaridose, doença genética rara
Saúde

Médicos chamam atenção para mucopolissacaridose, doença genética rara

25/05/2024 15:30
Médicos chamam atenção para mucopolissacaridose, doença genética rara
Rio Grande do Sul investiga mais de 800 casos de leptospirose
Saúde

Rio Grande do Sul investiga mais de 800 casos de leptospirose

25/05/2024 14:30
Rio Grande do Sul investiga mais de 800 casos de leptospirose
Campo Grande ultrapassa 14 mil casos notificados de Síndrome Gripal, alerta Sesau
Saúde

Campo Grande ultrapassa 14 mil casos notificados de Síndrome Gripal, alerta Sesau

25/05/2024 14:00
Campo Grande ultrapassa 14 mil casos notificados de Síndrome Gripal, alerta Sesau
Glaucoma: monitoramento evitou cegueira em 300 mil brasileiros
Saúde

Glaucoma: monitoramento evitou cegueira em 300 mil brasileiros

25/05/2024 12:30
Glaucoma: monitoramento evitou cegueira em 300 mil brasileiros
Últimas Notícias