Dourados – MS quarta, 22 de maio de 2024
20º
Dia dos Povos Indígenas

Aldeias de Dourados sonham com hospital, água e Araporã

19 Abr 2024 - 08h00Por Redação
Aldeias de Dourados sonham com hospital, água e Araporã    -

Neste 19 de abril, instituído como o Dia dos Povos Indígenas, os cerca de 20 mil indígenas que vivem na reserva mais populosa do país (Reserva Indígena de Dourados - RID) das etnias Guarani, Guarani Kaiowá, Guarani Ñandeva e Terena mais uma vez não têm muito ou quase nada a comemorar. O Progresso teve uma longa conversa sobre a realidade vivida nas aldeias com uma agente de Saúde, que preferiu não se identificar, e o panorama por ela traçado não é nada animador.
      

A quatro quilômetros do centro de Dourados, a reserva de 3,5 mil hectares criada através de um Decreto assinado em 1917, faz divisa com o anel viário que conecta a cidade à rodovia MS-156, ao lado de plantações de soja, milho, cana-de-açúcar e condomínios de luxo. Nesses bairros, a água chega tranquilamente. Todos os moradores que fazem divisa com a aldeia têm água 24 horas. O condomínio tem asfalto, polícia, coleta de lixo. Mas, ao atravessar a rua e adentrar no território da Reserva não tem nada disso.


 

Se os demais serviços dificultam a vida dos moradores, a falta de água é o drama mais recorrente, vez que sua falta, sobretudo em condições de potabilidade para consumo humano, traz consigo as doenças como diarreia e vômito, principalmente em crianças, ponderou a Agente de Saúde, lembrando que há vários projetos para se levar água para a Reserva, mas nada ainda se concretizou.

"O atendimento clínico na Reserva é feito por apenas uma médica, que veio para Dourados dentro do Programa Mais Médicos", relatou a agente de Saúde. "Os pacientes mais graves são encaminhados ou para o Hospital e Maternidade Porta da Esperança (o “Hospital da Missão”), para o Hospital da Vida ou o Hospital Universitário. É cena comum ver mães indígenas levando no colo, sob sol ou chuva, as crianças para atendimento no HU e no HV", explica ela.
   

O “Hospital da Missão” foi inaugurado em 1963 e até certo período histórico cumpriu seu papel de oferecer atendimento aos indígenas. Foi lá que se revelou ao país e ao  mundo, por exemplo, a tragédia da desnutrição que resultou em duas Comissões Parlamentares de Inquérito. Hoje, porém, é uma estrutura pequena demais para fazer frente ao aumento da densidade populacional da Reserva.
  

Para a Agente de Saúde e para vários indígenas ouvidos pela reportagem, a construção de um hospital na Reserva seria (palavras da Agente de Saúde) “uma benção”. Se levado em conta a recorrência dos problemas de saúde na população, que é maior que a de muitas cidades do Estado, um hospital mudaria essa situação e, por conseguinte, traria mais dignidade aos moradores da Reserva.
  

Se para os moradores em geral a falta de atendimento, medicamentos e outras ações e serviços dificulta e até inviabiliza a vida, a situação é uma espécie de “beco sem saída” para 14 crianças com autismo e 37 com deficiências físicas, paralisia cerebral, deficiência intelectual, neuropatias, surdez, deficiência auditiva, baixa visão, entre outras deficiências, conforme relatório elaborado pela da PRODTEA – Associação de Pais e Responsáveis Organizados pelos Direitos das Pessoas com Transtorno do Espectro Autista.

“Crianças vem perdendo movimentos e tendo atrofias por falta de atendimento fisioterapêutico; alunos com autismo crescem sem estímulos e terapias essenciais para desenvolvimento social, físico e emocional”, diz o relatório. Segundo a Agente de Saúde, essas crianças não tem atendimento na Reserva e são encaminhadas para atendimento em locais como a APAE.

Uma das causas para esse fato lamentável é que também no núcleo urbano o atendimento especializado e multidisciplinar para crianças Portadoras de Necessidades Especiais (PNEs) também é insuficiente para a demanda, havendo inclusive filas de espera em entidades como a Associação dos Pais e Amigos dos Autistas da Grande Dourados (AAGD).
 

O panorama traçado pela Agente de Saúde e os relatos ouvidos pela reportagem reforçam a necessidade de políticas públicas eficientes e de longo prazo, como é o caso da construção de um hospital dentro da Reserva. Sem isso, o Dia do Índio continuará sendo celebrado na espera do Araporã, expressão guarani que na tradução para o português significa “um tempo bom”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Prazo para alistamento no serviço militar obrigatório termina em junho
Sociedade

Prazo para alistamento no serviço militar obrigatório termina em junho

21/05/2024 16:16
Prazo para alistamento no serviço militar obrigatório termina em junho
2º Workshop do Serviço Social é realizado no Humap
Sociedade

2º Workshop do Serviço Social é realizado no Humap

21/05/2024 09:45
2º Workshop do Serviço Social é realizado no Humap
TCE-MS promove evento sobre ética para servidores e colaboradores
Sociedade

TCE-MS promove evento sobre ética para servidores e colaboradores

20/05/2024 17:15
TCE-MS promove evento sobre ética para servidores e colaboradores
Revisão da vida toda: aposentados e pensionistas
Sociedade

Revisão da vida toda: aposentados e pensionistas

16/05/2024 08:15
Revisão da vida toda: aposentados e pensionistas
Maio Laranja: Sua Voz contra a Exploração Infantil
Sociedade

Maio Laranja: Sua Voz contra a Exploração Infantil

15/05/2024 16:30
Maio Laranja: Sua Voz contra a Exploração Infantil
Últimas Notícias