Dourados – MS quinta, 24 de junho de 2021
Dourados
28º max
17º min
Mãos
Editorial

Ambiente Prejudicado

05 Abr 2016 - 10h10Por Do Progresso
Ambiente Prejudicado -
Dados do Sistema de Alerta de Desmatamento, mantido pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) revelam que a destruição da Amazônia Legal, bioma formado pelos Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará e Roraima, além de parte dos territórios do Maranhão, Mato Grosso, Rondônia e Tocantins, atingiu a impressionante marca de 42 quilômetros quadrados em fevereiro de 2016 na comparação com o mesmo período do ano passado. Significa dizer que a destruição da Floresta Amazônica em fevereiro aumentou em 282% em relação ao mesmo mês de 2015, quando foram devastados 11 quilômetros quadrados de vegetação, ou seja, as políticas preservacionistas do governo federal e dos governos estaduais que formam o bioma amazônico não estão funcionando da forma como deveriam para proteger a área que se estende por mais de 5 milhões de quilômetros quadrados em nove Estados. Independente da crise política, financeira e moral que se instalou no país, o Ministério do Meio Ambiente e o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) precisam se mobilizar para preservar o que resta do bioma.


Enquanto o governo federal não colocar sua força coercitiva em campo, a floresta amazônica seguirá em ameaça, tanto que somente o Estado de Mato Grosso respondeu por 37% do desmatamento em fevereiro, enquanto Roraima ficou com 28% dos registros de destruição e o Amazonas foi responsável por 16%, seguido pelo Pará com 14% e Rondônia com 5%. Os municípios mais desmatados foram Porto dos Gaúchos, no Mato Grosso, e Vitória do Xingu, no Pará, com 79% da destruição ocorrendo em áreas privadas e o restante em assentamentos de reforma agrária. Parece mentira, mas do total de 42 quilômetros quadrados de florestas destruídas em fevereiro de 2016, exatos 18% foram desmatamentos em áreas que estão sob a tutela do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), de forma que o próprio governo federal contribui, ainda que de forma indireta, com a devastação da floresta. Outros 2% de desmatamento foram identificados pelos satélites Imazon em unidades de conservação e 1% restante foi em terras indígenas localizadas na Amazônica Legal.


Os números revelam que a devastação acumulada nos sete primeiros meses do calendário oficial de medição do desmatamento, entre agosto de 2014 e fevereiro de 2015, chegou a 1.702 quilômetros quadrados, o que significa um aumento de 215% na comparação com o período anterior quando foram desmatados 540 quilômetros quadrados de florestas. Entre agosto de 2014 e fevereiro de 2015 somente o Estado de Mato Grosso desmatou 595 quilômetros quadrados, o que corresponde a 35% de toda a área devastada na Amazônia Legal, seguido pelo Pará com 433 quilômetros quadrados de florestas destruídas e por Rondônia, que respondeu por 342 quilômetros quadrados, o que corresponde, respectivamente, a 25% e 20% da área florestal derrubada. Grande parte da área desmatada foi destinada à agricultura, tanto que as lavouras de soja em terras de novos desmatamentos na Amazônia Legal já passa de 80 mil hectares. Em apenas um ciclo agrícola, a área cultivada com soja em terras abertas por desmatamento ilegal aumentou 78%, revelando, mais uma vez, a falta de habilidade do governo federal na fiscalização contra a destruição da floresta.


O que ninguém consegue explicar é porque a soja segue avançando sobre a floresta amazônica se pelas regras da Moratória da Soja nenhuma das 24 principais empresas comercializadoras do grão e que representam 90% do mercado de soja no país, pode comprar o produto de fornecedores na Amazônia que tenham desmatado a área após 2006. O fato é que a ação nefasta do homem está comprometendo todo ecossistema, tanto que o Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas alerta que, até o final do século, o volume de chuvas no Brasil deve oscilar entre 5% e 20%, com a temperatura ficando até 5 graus Celsius mais quente, resultado direto do aquecimento global e da emissão de gases de efeito estufa. As previsões para as próximas décadas não são nada animadoras, pelo contrário, são catastróficas: haverá alta nas temperaturas do país no decorrer do século; diminuição das chuvas no Norte e Nordeste; aumento de chuva no Sul; elevação dos gases do efeito estufa em todas as regiões, com maior volume no Sudeste e, por consequência, elevação do aquecimento global.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Comitê da Pandemia

Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas

15/04/2021 14:30
Presidente do Senado cobra ajuda para salvar empresas
Últimas Notícias