Dourados – MS sexta, 10 de julho de 2020
Dourados
26º max
10º min
Mundo

País tem hoje Dia de Mobilização para Combate ao Aedes aegypti

13 Fev 2016 - 08h00
Ministros durante reunião preparatória para o chamado Dia da Faxina, que acontece hoje. - Crédito: Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilMinistros durante reunião preparatória para o chamado Dia da Faxina, que acontece hoje. - Crédito: Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O governo federal promove neste sábado (13) o Dia Nacional de Mobilização para o Combate ao Aedes aegypti. A ideia é mobilizar famílias no combate ao mosquito transmissor do Zika, que também é vetor da dengue e da chikungunya. Três milhões de famílias deverão ser visitadas em suas casas, em 350 municípios.


Para isso, a presidente Dilma Rousseff determinou o deslocamento de seus ministros a vários estados a fim de participar ativamente da mobilização, conversando com prefeitos, governadores e batendo nas portas das casas. Os destinos de alguns membros do primeiro escalão foram definidos anteontem, como os do titular da Saúde, Marcelo Castro, que seguirá para Salvador, e do chefe da Casa Civil, ministro Jaques Wagner, que irá a São Luís.


O ministro da Cultura, Juca Ferreira, irá para Aracaju; a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, visitará o Recife; o ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, participará da ação em Maceió, e Ricardo Berzoini, titular da Secretaria de Governo da Presidência da República, viajará a Manaus.


O ministro da Defesa, Aldo Rebelo, por sua vez, irá a São Paulo. Ele vai se encontrar com o governador do estado, Geraldo Alckmin, em Campinas. “Estaremos presente nos estados. Acho que a presença dos ministros é um testemunho do compromisso e do esforço do governo federal para a contenção do mosquito e dos males que ele causa”, afirmou Rebelo.


As Forças Armadas deslocaram cerca de 220 mil militares para a ação. Eles vão acompanhar os agentes de saúde no trabalho de conscientização, casa a casa. Foram usados dois critérios para definir as cidades que serão visitadas na campanha; municípios com a presença de unidades militares e os com maior incidência do mosquito Aedes aegypit, conforme dados do Ministério da Saúde.


“A campanha é de mobilização, de convocar a população a fazer parte do esforço de combate ao mosquito e essa mobilização terá que ser feita de casa em casa. Nosso propósito é alcançar pelo menos 3 milhões de domicílios e distribuir pelo menos 4 milhões de folhetos neste sábado”, acrescentou Aldo Rebelo.

Repercussão


O governo federal quer fazer com que a mobilização nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, hoje (13), seja também uma “medida de impacto” e tenha repercussão em todo o país. O objetivo é fazer com que a sociedade se sensibilize com o tema e ajude a eliminar os criadouros do inseto transmissor do vírus Zika.


Após coordenar, quinta-feira (11), mais um encontro preparatório para o chamado Dia da Faxina, o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, ligou para o vice-presidente Michel Temer, convidando-o a participar das mobilizações. Desde a semana passada, todos os ministros do governo foram convocados pela presidente Dilma Rousseff para viajar a capitais e cidades de grande porte.


Após o telefonema de Wagner, ficou decidido que Temer vai para Curitiba. Mais de quinze ministros participaram do encontro no Palácio do Planalto, além de secretários e representantes de órgãos federais. Durante a reunião, o ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, disse que o governo vai precisar da ajuda das equipes dos ministérios para que a visita de conscientização dos cerca de 220 mil militares a mais de 300 municípios seja também uma “ação de comunicação”.


As autoridades foram informadas de que os materiais impressos estariam prontos até ontem (12) e que chegariam a todos os cantos do país por meio dos Correios. Edinho Silva também pediu aos ministros que dêem entrevistas durante as vistorias para que a ação seja veiculada na imprensa.


De acordo com o ministro da Saúde, Marcelo Castro, o ato será “simbólico”. Além da distribuição de panfletos, porém, os membros do primeiro escalão do governo poderão visitar casas ao lado dos governadores dos estados, de prefeitos e de agentes de combate às endemias. Castro disse que a estimativa da Organização Mundial da Saúde é de que quatro milhões de pessoas estejam contaminadas pelo Zika em todos os países das Américas, com exceção do Canadá e do Chile, que têm climas mais frios.


“A recomendação é que a gente visite algumas residências e demostre o interesse da gente de fazer o trabalho, para ficar como exemplo. Mas é importante também que a gente visite hospitais e as salas de coordenação e controle nos estados”, afirmouo ministro, em entrevista a jornalistas após o encontro. Segundo Marcelo Castro, o governo quer que, a partir da mobilização, cada pessoa faça o “sábado da faxina” com o intuito de, semanalmente, verificar os possíveis focos do mosquito e destrui-los.


Para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, é importante que os próprios ministros batam de “porta em porta” e busquem conscientizar a população sobre os riscos da epidemia. Marcelo Castro informou que, além dos militares, a ação vai contar com a presença de 46 mil agentes de combate às endemias, mais de 266 mil agentes comunitários de saúde, além de governadores, forças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.

Emergência internacional


No início do mês, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou emergência internacional de saúde pública em virtude do aumento de casos de microcefalia associados à contaminação pelo vírus Zika. A situação é preocupante, segundo a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, por causa de fatores como a ausência de imunidade entre a população, a falta de vacinas, tratamentos específicos e testes de diagnóstico rápidom além da possibilidade de disseminação global da doença.


Transmitido pelo Aedes aegypiti, o mesmo transmissor da dengue e da chikungunya, o Zika provoca dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos. A grande preocupação, no entanto, é a relação entre o Zika e a ocorrência de microcefalia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OMS: transmissão de vírus pelo ar pode se dar em procedimento médico
Covid-19

OMS: transmissão de vírus pelo ar pode se dar em procedimento médico

09/07/2020 14:11
OMS: transmissão de vírus pelo ar pode se dar em procedimento médico
Exportações de carne de aves em MS disparam com rígido protocolo de biossegurança
Exportação

Exportações de carne de aves em MS disparam com rígido protocolo de biossegurança

08/07/2020 11:28
Exportações de carne de aves em MS disparam com rígido protocolo de biossegurança
Coronavírus pode ser transmitido pelo ar
Saúde

Coronavírus pode ser transmitido pelo ar

07/07/2020 17:39
Coronavírus pode ser transmitido pelo ar
Seis frigoríficos do Brasil têm exportações de carne suspensas para a China por preocupações com a Covid-19
Covid-19

Seis frigoríficos do Brasil têm exportações de carne suspensas para a China por preocupações com a Covid-19

06/07/2020 16:55
Seis frigoríficos do Brasil têm exportações de carne suspensas para a China por preocupações com a Covid-19
Estudo americano vê resultados positivos da hidroxicloroquina para a Covid-19
Ciência

Estudo americano vê resultados positivos da hidroxicloroquina para a Covid-19

05/07/2020 15:02
Estudo americano vê resultados positivos da hidroxicloroquina para a Covid-19
Últimas Notícias