Dourados – MS sábado, 25 de maio de 2024
13º
Paz e segurança

Líder da ONU diz que "pesadelo" no Sudão não pode ser esquecido pelo mundo

António Guterres apelou por mais apoio ao país que já registrou 14 mil mortos, 33 mil feridos e 8 milhões de deslocados em um ano de guerra

15 Abr 2024 - 21h45Por ONU News
Mariam Djimé Adam, 33 anos, está sentada no pátio da escola secundária de Adre, no Chade. Ela chegou do Sudão com seus 8 filhos. "Fomos atacados em nossa casa, meu marido foi morto e todos os nossos pertences foram levados. Consegui fugir com meus filhos" - Crédito: Unicef/MahamatMariam Djimé Adam, 33 anos, está sentada no pátio da escola secundária de Adre, no Chade. Ela chegou do Sudão com seus 8 filhos. "Fomos atacados em nossa casa, meu marido foi morto e todos os nossos pertences foram levados. Consegui fugir com meus filhos" - Crédito: Unicef/Mahamat

Um pesadelo marcado por derramamento de sangue, violência sexual, destruição, fome e deslocamento. Foi assim que o secretário-geral da ONU descreveu o conflito no Sudão, que completa um ano neste 15 de abril.

Em mensagem de vídeo exibida nesta segunda-feira na Conferência Humanitária Internacional para o Sudão e Países Vizinhos, em Paris, França, António Guterres disse que o mundo não pode deixar “este pesadelo desaparecer de vista”.

Financiamento para salvar vidas

Ele ressaltou que o conflito matou mais de 14 mil pessoas, feriu outras 33 mil e “reduziu casas, hospitais, escolas e outras infraestruturas vitais a escombros”, com mais de 8 milhões de pessoas fugindo de suas casas.

O líder da ONU lembrou que o Plano de Resposta Humanitária para o Sudão, no valor de US$ 2,7 bilhões obteve apenas 6% de financiamento. Ao mesmo tempo, o Plano Regional de Resposta aos Refugiados para a Crise do Sudão, no valor de US$ 1,4 bilhões, está apenas 7% financiado.

Guterres apelou à generosidade dos doadores para que intensifiquem as suas contribuições e apoiem estes esforços para salvar vidas. Ele apelou também para que todas as partes protejam os civis e garantam o pleno acesso humanitário.

O chefe das Nações Unidas expressou ainda o apoio aos esforços de mediação internacional para pôr fim aos combates.

Uma vista aérea de crianças e suas famílias perto de abrigos temporários no local Khamsa Dagiga para pessoas deslocadas na cidade de Zelingei, Darfur Central, SudãoUma vista aérea de crianças e suas famílias perto de abrigos temporários no local Khamsa Dagiga para pessoas deslocadas na cidade de Zelingei, Darfur Central, Sudão - Foto: Unicef/Spalton

 

Armamento de civis

Também nesta segunda-feira, o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, alertou para uma nova escalada da violência, à medida que as partes em conflito armam civis e mais grupos armados se juntam aos combates.

Volker Turk disse que "o povo sudanês foi submetido a um sofrimento incalculável durante o conflito”, que foi marcado por ataques indiscriminados em áreas densamente povoadas, ataques com motivação étnica e uma alta incidência de violência sexual relacionada ao conflito. 

O chefe de direitos humanos afirmou que “o recrutamento e o uso de crianças pelas partes em conflito também são profundamente preocupantes".

Segundo ele, os civis já sofreram demais e, com relatos no fim de semana de um ataque iminente em El-Fasher, Darfur do Norte, há um risco “alarmante” de novas violações e abusos contra civis”.

Turk informou que três grupos armados declararam estar se juntando ao conflito ao lado das Forças Armadas sudanesas e há relatos de que tanto eles quanto as Forças de Apoio Rápido estão agora armando civis. 

“Vidas destruídas e famílias dilaceradas”

Para a diretora-geral da Organização Internacional para as Migrações, o Sudão está “no limiar de uma catástrofe irremediável”.

Amy Pope afirmou que já existem 8,6 milhões de pessoas deslocadas pelos combates, “uma das maiores crises de deslocamento desde a Segunda Guerra Mundial”. Estima-se que 25 milhões de pessoas, mais da metade da população total do país, precisa de assistência humanitária.

Ela disse que esta crise “não se resume a números”, pois dentro do Sudão e em todos os países vizinhos, “vidas foram destruídas e famílias dilaceradas”. 

Amy Pope ressaltou que à medida que os combates se espalham, “a insegurança alimentar aumenta, a saúde se deteriora e o abuso e a exploração persistem com aparente impunidade”. 

Um edifício destruído na área de Omdurman, no Sudão, onde a guerra que está em curso desde 15 de Abril causou destruição generalizada de infra-estruturasUm edifício destruído na área de Omdurman, no Sudão, onde a guerra que está em curso desde 15 de Abril causou destruição generalizada de infra-estruturas - Foto: Nezar Bogdawi

 

7 mil novas mães sob risco de morte

Pope destacou que a conferência humanitária em Paris dá à comunidade internacional a oportunidade de “começar a corrigir esta situação, de restaurar a promessa de humanidade”. 

Agências humanitárias, incluindo a Organização Internacional para as Migrações, apresentaram casos aos governos doadores pedindo que ajudem a aliviar uma das piores crises humanitárias dos últimos tempos.

Neste domingo, a ONU Mulheres apelou à comunidade internacional para que garanta que o conflito no Sudão não se torne uma crise negligenciada.

De acordo com a agência, mais de 7 mil novas mães podem morrer nos próximos meses se suas necessidades nutricionais e de saúde permanecerem não atendidas. Além disso, mais de 6,7 milhões de pessoas estão em risco de violência baseada no gênero. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ONU vê "potencial enorme" de continente dinâmico e diversificado
Dia da África

ONU vê "potencial enorme" de continente dinâmico e diversificado

25/05/2024 18:00
ONU vê "potencial enorme" de continente dinâmico e diversificado
Tratado da ONU obriga que patentes citem origem de recursos genéticos e do saber tradicional
Cultura e educação

Tratado da ONU obriga que patentes citem origem de recursos genéticos e do saber tradicional

24/05/2024 23:00
Tratado da ONU obriga que patentes citem origem de recursos genéticos e do saber tradicional
Covid-19 reverteu mais de uma década de ganhos na expectativa de vida, diz OMS
Saúde

Covid-19 reverteu mais de uma década de ganhos na expectativa de vida, diz OMS

24/05/2024 21:45
Covid-19 reverteu mais de uma década de ganhos na expectativa de vida, diz OMS
Nova resolução da ONU defende proteção de trabalhadores humanitários em conflitos
Paz e segurança

Nova resolução da ONU defende proteção de trabalhadores humanitários em conflitos

24/05/2024 20:45
Nova resolução da ONU defende proteção de trabalhadores humanitários em conflitos
Corte Internacional de Justiça pede fim da ofensiva israelense em Rafah
Legislação e prevenção de crimes

Corte Internacional de Justiça pede fim da ofensiva israelense em Rafah

24/05/2024 19:45
Corte Internacional de Justiça pede fim da ofensiva israelense em Rafah
Últimas Notícias