Dourados – MS quarta, 28 de fevereiro de 2024
35º
IPVA parcela 2
Clima e Meio Ambiente

44% das espécies migratórias estão em declínio, alerta relatório da ONU

Primeiro relatório sobre espécies que fazem deslocamento constante revela que um quinto delas estão ameaçadas de extinção

12 Fev 2024 - 22h00Por ONU News
Efeito das crises da perda de biodiversidade, poluição e alterações climáticas foi tema de uma sessão da COP28 - Crédito: ONU/Martine Perret Efeito das crises da perda de biodiversidade, poluição e alterações climáticas foi tema de uma sessão da COP28 - Crédito: ONU/Martine Perret

O primeiro relatório sobre o Estado das Espécies Migratórias do Mundo, lançado nesta segunda-feira, revela um declínio populacional em 44% das espécies migratórias listadas. Mais um quinto estão ameaçadas de extinção, sendo a vida marítima a mais afetada, com 97% dos peixes na lista em risco.

O levantamento aponta que o risco de extinção está aumentando para as espécies migratórias em todo o mundo, incluindo aquelas não listadas pela Convenção sobre a Conservação de Espécies Migratórias de Animais Silvestres.

Efeito da atividade humana

Segundo o estudo, metade das principais áreas de biodiversidade identificadas como importantes para os animais migratórios listados na convenção não tem status de proteção. Além disso, 58% dos locais monitorados reconhecidos como importantes para as espécies estão sofrendo níveis insustentáveis de pressão causada pelos humanos.

O relatório aponta para as duas principais ameaças que pairam sobre as espécies listadas, bem como sobre todas as outras espécies em movimento: a superexploração e a perda de habitat devido à intervenção humana.

Conforme revelado no documento, três em cada quatro espécies listadas sofrem com os impactos diretos da perda, degradação e fragmentação de seus habitats naturais. Além disso, sete em cada 10 dessas espécies também enfrentam os efeitos nocivos da superexploração, que incluem tanto a captura intencional como a acidental.

Mudança climática

Além dessas ameaças tradicionais, mudanças climáticas, poluição e presença de espécies invasoras estão emergindo como fatores adicionais que aumentam as dificuldades enfrentadas pelas espécies migratórias.

Um dado destacado no relatório é que 399 espécies migratórias em situação de ameaça ou quase ameaça de extinção ainda não foram incluídas na lista da convenção. Esta lacuna na proteção representa um risco significativo para a biodiversidade global.

Até o momento, uma avaliação abrangente sobre as espécies migratórias ainda não foi realizada. No entanto, o relatório recentemente divulgado oferece uma visão geral global do estado de conservação e das tendências populacionais desses animais em movimento. Além disso, destaca as principais ameaças que enfrentam e as ações bem-sucedidas implementadas para preservá-las.

Ação urgente

A diretora executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Inger Andersen, enfatizou a necessidade urgente de ação em resposta às revelações do relatório. 

Ela declarou que as descobertas ressaltam claramente a ameaça que as atividades humanas insustentáveis representam para o futuro das espécies migratórias e explica que além de serem “barômetros da mudança ambiental”, elas também são componentes vitais para manter o intrincado equilíbrio e a resiliência dos ecossistemas do nosso planeta. 

O relatório esclarece a escala das jornadas migratórias empreendidas por bilhões de animais anualmente, atravessando diversos campos, como terra, mar e ar, muitas vezes abrangendo continentes e cruzando fronteiras internacionais. 

Ao destacar o papel indispensável das espécies migratórias na manutenção do ecossistema, o relatório ressalta suas contribuições vitais, incluindo a polinização de plantas, o transporte de nutrientes, o controle de pragas e o sequestro de carbono. 

Evento

O evento sobre conservação da vida selvagem, , que segue até sábado, acontece em Samarkand, Uzbequistão, marcando o primeiro encontro sobre um tratado ambiental global na Ásia Central. 

Com a participação de governos, organizações de vida selvagem e cientistas, o encontro deve discutir ações para promover a implementação de recomendações, destacando a importância da proteção das espécies migratórias da região, como o antílope Saiga e o leopardo-das-neves. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Europa aposta em novo plano para descarbonizar a mobilidade
Clima e Meio Ambiente

Europa aposta em novo plano para descarbonizar a mobilidade

27/02/2024 22:45
Europa aposta em novo plano para descarbonizar a mobilidade
Unea-6 e multilateralismo: Diversas vozes para consenso ambiental
Clima e Meio Ambiente

Unea-6 e multilateralismo: Diversas vozes para consenso ambiental

27/02/2024 21:45
Unea-6 e multilateralismo: Diversas vozes para consenso ambiental
Unea-6 segue em Nairóbi com anúncio de prêmios a iniciativas para salvar o planeta
Clima e Meio Ambiente

Unea-6 segue em Nairóbi com anúncio de prêmios a iniciativas para salvar o planeta

27/02/2024 20:45
Unea-6 segue em Nairóbi com anúncio de prêmios a iniciativas para salvar o planeta
Restrições de acesso à ajuda humanitária em Gaza geram preocupação da ONU
Ajuda humanitária

Restrições de acesso à ajuda humanitária em Gaza geram preocupação da ONU

27/02/2024 19:45
Restrições de acesso à ajuda humanitária em Gaza geram preocupação da ONU
O que é a Assembleia da ONU do Meio Ambiente e porque ela importa
Clima e Meio Ambiente

O que é a Assembleia da ONU do Meio Ambiente e porque ela importa

26/02/2024 21:45
O que é a Assembleia da ONU do Meio Ambiente e porque ela importa
Últimas Notícias