Dourados – MS quarta, 22 de maio de 2024
20º
Exportação

Brasil regula abate e processamento de animais para mercado religioso

Diário Oficial detalha procedimentos exigidos pelo governo

19 Abr 2024 - 17h15Por Fabíola Sinimbú, Agência Brasil - Brasília
Brasil regula abate e processamento de animais para mercado religioso
 - Crédito: Arquivo/Agência Brasil Crédito: Arquivo/Agência Brasil

A diversidade religiosa no Brasil é refletida diretamente na alimentação e no consumo da população, que, somadas à expansão das exportações de produtos de origem animal para países asiáticos, criaram um mercado específico e cheio de potencial: o do abate religioso de animais para açougue.

Em países como Egito, Arábia Saudita, Kuwait e Emirados Árabes Unidos, grande parte da população é muçulmana, religião que traz, na sua essência, regras do que é permitido na forma de se relacionar com outros seres vivos.

Em árabe, a palavra halal, que significa lícito, define aquilo que é permitido, inclusive na hora de se alimentar. Para o consumo de animais, por exemplo, há espécies consideradas impuras, como o porco, e outras que precisam passar por um procedimento de purificação desde o abate até o corte, para que possam ser consumidas, como o frango e bovinos.

Nos países judaicos, como Israel, também há regras sobre o que é considerado apropriado, ou kosher, e há procedimentos específicos para cada etapa de beneficiamento dos produtos de origem animal.

Preceitos religiosos

Para atender esses mercados dentro e fora do Brasil, o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) definiu regras para solicitação, avaliação, concessão e revogação da autorização para abate e processamento de animais para açougue, de acordo com preceitos religiosos.

Para receber a autorização de funcionamento, esses estabelecimentos terão que fazer uma solicitação ao serviço de inspeção federal, por meio do sistema eletrônico do Mapa, com declaração da autoridade religiosa correspondente e especificação de regras que conflitem com normas brasileiras.

Para a autorização, é necessário que os procedimentos estejam de acordo com as leis que tratam do bem-estar dos animais de abate e também o atendimento dos requisitos sanitários no Brasil e do país de destino dos produtos.

Os procedimentos foram detalhados em uma portaria publicada no Diário Oficial da União, que entrará em vigor a partir do dia 2 de maio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Grito da Terra aponta diferença da agricultura familiar do agronegócio
Economia

Grito da Terra aponta diferença da agricultura familiar do agronegócio

21/05/2024 23:00
Grito da Terra aponta diferença da agricultura familiar do agronegócio
Tragédia no RS: Deputados lamentam desinformação e elogiam solidariedade
ALEMS

Tragédia no RS: Deputados lamentam desinformação e elogiam solidariedade

21/05/2024 22:45
Tragédia no RS: Deputados lamentam desinformação e elogiam solidariedade
Senai realiza primeira reunião do Comitê Técnico da Escola Florestal para debater mão de obra
Três Lagoas

Senai realiza primeira reunião do Comitê Técnico da Escola Florestal para debater mão de obra

21/05/2024 21:30
Senai realiza primeira reunião do Comitê Técnico da Escola Florestal para debater mão de obra
Conab suspende leilão para compra de 104 mil toneladas de arroz polido
Economia

Conab suspende leilão para compra de 104 mil toneladas de arroz polido

21/05/2024 18:00
Conab suspende leilão para compra de 104 mil toneladas de arroz polido
Exportação de industrializados de MS em abril atinge US$ 492 milhões
Economia

Exportação de industrializados de MS em abril atinge US$ 492 milhões

21/05/2024 06:15
Exportação de industrializados de MS em abril atinge US$ 492 milhões
Últimas Notícias