Dourados – MS domingo, 25 de outubro de 2020
Dourados
32º max
21º min
Influx
Cultura

Artista vence racismo com a arte

“Peles Pretas” está em cartaz no Edem Beer em Dourados

22 Set 2020 - 13h35Por Rozembergue Marques, especial para O PROGRESSO
Artista vence racismo com a arte - Crédito: Divulgação Crédito: Divulgação

A artista plástica Kathia Pereira Paelo de Souza, mais conhecida como Kaká Paelo, reside em Dourados há 12 anos e tem mostrado ser possível vencer o racismo e o preconceito através da arte. Ela iniciou sua carreira artística em 2002 e alguns anos depois se distanciou do meio artístico devido à rotina exaustiva que infelizmente ainda caracteriza a rotina da mulher no Brasil: a tripla e às vezes quadrupla jornada de trabalho.

Após anos sem ter contato com a arte, em meio à pandemia a artista se redescobriu e se reinventou. Aos 40 anos e apesar de suas limitações visuais (possui apenas 20% da visão) e das constantes críticas as suas obras ela vem se destacando cada vez mais com o seu trabalho, que vai além da pintura. Kaká tem habilidades artísticas também no artesanato, com pinturas em vasos cerâmicos, mosaico picassiet, arte em madeira e outros trabalhos feitos com matérias recicláveis e obedecendo os princípios da sustentabilidade. É também cantora afinadíssima.        

Sobre as críticas quanto à escolha da temática negra nas pinturas, Kaká considera as mais abjetas possíveis se levarmos em conta a miscigenação que deu origem à população brasileira e muito bem tratada no livro “Casa grande & Senzala”, do escritor Gilberto Freyre. “Coisas do tipo para que você vai pintar pretos? ou quem vai comprar isso? e por aí adiante”, lamenta.

Alheia e altiva e como uma espécie de resposta a essas críticas, a artista montou a exposição “Peles Pretas”. A exposição, explica, “foi inspirada em mulheres que lutam contra o sistema machista preconceituoso e racista no qual estão inseridas”. Ainda sobre a inspiração e pintores que tem como referência, Kaká responde com uma sinceridade que chega a espantar: “Até por ser autodidata eu não tenho um pintor ou pintora como referência. Minha referência é minha história de vida. Bisneta de escravos, filha de uma mulher negra, mãe solteira, que criou quatro filhos sozinha”, diz, deixando claro a intenção da sua obra: quebrar o estigma associado a beleza e os padrões socialmente impostos, como visões estereotipadas, além do racismo velado que ainda permeia as relações sociais no país. A exposição “Peles Pretas” está em cartaz no Éden Beer, espaço multicultural em Dourados que reúne universitários, músicos e artistas de todas as vertentes.

Além de idealizar, criar as obras e montar a exposição “Peles Pretas”, nos próximos dias Kaká Paelo vai dar outro passo no sentido de mostrar ser possível o convívio entre as diferenças, notadamente étnicas ou de raça. A artista vai participar de uma Live que está sendo organizada por um grupo de indígenas. A ideia inicial do grupo era incluir na Live, destinada a arrecadar alimentos e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) de prevenção à Covid-19 para distribuição na Reserva, apenas música, como o RAP e o gospel, cantadas pelos próprios indígenas. Depois de saberem do engajamento de Kaká na luta contra o preconceito, decidiram convidá-la para participar da Live pintado ao vivo uma obra e expondo as já confeccionadas.

“Me senti muito honrada com o convite. Sempre observei que os indígenas daqui e de todos os lugares também sofrem preconceito, assim como os negros. Poder colaborar coma minha arte para mostrar que é possível um mundo de iguais, de respeito às diferenças, é muito gratificante”, afirmou Kaká ao comentar o convite. A Live vai contar também com apresentação do jornalista e músico Rozembergue Marques (viola instrumental). “Acho que será muito legal unir o branco, o índio e o negro em uma manifestação contra o preconceito diferente, que é através da arte”, disse, por sua vez, o músico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Professora conta histórias on-line para as crianças
Educação

Professora conta histórias on-line para as crianças

23/10/2020 14:27
Professora conta histórias on-line para as crianças
1º Fempop, em 1978, revelou talentos e deixou saudades
Cultura

1º Fempop, em 1978, revelou talentos e deixou saudades

23/10/2020 14:06
1º Fempop, em 1978, revelou talentos e deixou saudades
PELÉ
Cultura

PELÉ

23/10/2020 12:56
PELÉ
Quarenta e oito municípios assinam Termo de Cooperação Técnica com a Fundação de Cultura para a Lei Aldir Blanc
Lei Aldir Blanc

Quarenta e oito municípios assinam Termo de Cooperação Técnica com a Fundação de Cultura para a Lei Aldir Blanc

22/10/2020 12:16
Quarenta e oito municípios assinam Termo de Cooperação Técnica com a Fundação de Cultura para a Lei Aldir Blanc
Mais cinco editais da Lei Aldir Blanc são publicados no Diário Oficial
Lei Aldir Blanc

Mais cinco editais da Lei Aldir Blanc são publicados no Diário Oficial

21/10/2020 11:31
Mais cinco editais da Lei Aldir Blanc são publicados no Diário Oficial
Últimas Notícias