Dourados – MS segunda, 18 de outubro de 2021
Dourados
26º max
16º min
Variedades

Voto como direito de cidadania

12 Nov 2015 - 07h00
Voto como direito de cidadania -
A eleição para a escolha de prefeitos e vereadores está chegando e o eleitor, mais do que nunca, precisa ficar atento, como também deve ficar antenado em relação às eleições de Presidente da República, governadores, Senado, Câmara Federal e Assembleias Legislativas, que vêm na sequência.

Acreditamos ser pertinente o alerta em face do quadro negativo e deplorável que o momento nos apresenta em todos os níveis (Executivos e Legislativos). Escândalos e incompetências amontoam-se em todos os quadrantes. Diante desse quadro, exige-se que o eleitor fique mais atento ao velho ensinamento popular de que “gato escaldado tem medo de água fria”, ou, ao menos, deve ter receio, porque as consequências do seu erro estendem-se a todos.

Que o voto é um direito de cidadania isso não se discute. Aliás, tendo em vista a obrigatoriedade do voto, como é o no nosso caso, ele passa também a constituir-se um dever. Nessa perspectiva, significa que o eleitor tem o direito de escolher o seu candidato. A indagação pertinente e oportuna é se ele pode exercer esse direito sem critério, ou seja, se pode fazer a opção sem se preocupar com suas consequências, isto é, com as qualidades, sobretudo, de gestão político-administrativa do candidato. É ai que mora a questão!

Tanto a escolha do candidato (a) como o dever de escolher bem é um direito de cidadania. A história nos ensina que o conceito de cidadania tem origem na Grécia antiga. Com o passar do tempo, ganhou nova dimensão e amplitude, passando a englobar um conjunto de valores sociais traduzidos em direitos e deveres do cidadão à frente dos negócios e das decisões políticas no seio da sua comunidade.

Nessa nova perspectiva de cidadania, Tércio Sampaio Ferraz Junior nos ensina que a liberdade tem relação com a realizabilidade do homem, com sua participação na construção política, social, econômica e cultural da sociedade.

É a partir dessa ideia que o professor acima nominado afirma que “A cidadania, na Constituição brasileira, tem um sentido amplo, equivalente a todos os direitos e obrigações decorrentes da nacionalidade, bem como um sentido estrito referente à participação no governo...”.

Essa participação no governo é política e se dá por meio do voto.
O Congresso que está aí foi escolhido pelo voto. Será que o eleitor exerceu esse direito de cidadania com critério responsável?

Bem, pelos relatos da imprensa, a resposta não é nada animadora. Consoante estimativa do senador João Capiberibe, a operação Lava Jato deve atingir em torno de 70% dos integrantes do Congresso Nacional. Esta previsão vem ao encontro da afirmação do ministro Teori Zavascki de que “o pior está por vir” em relação a parlamentares envolvidos. Daí o prognóstico que dita Operação “deve promover uma renovação nunca vista na política nacional” (Claudio Humberto, Correio do Estado, 8/11/2015). Ou, como diria o filósofo contemporâneo, “nunca antes visto na história deste país”.

Em relação a Campo Grande, pelo estágio de abandono em que se encontra a cidade, “buracos transformados em vias públicas ao lado de outros inúmeros aspectos negativos”, sinaliza-se, com muita clareza, que o eleitor, ao eleger os seus mandatários, exerceu o seu direito de cidadania pela metade. Escolheu, mas não escolheu bem. O único critério foi o de mudança (!).

Mudança é própria da democracia e é salutar. Mas não pode ser o único parâmetro. O eleitor só exerce o seu direito de cidadania por meio do voto e na sua plenitude quando escolhe bem. O histórico do candidato precisa ser avaliado em vários aspectos, entre eles experiência de gestão, competência, arrojo profissional, idealismo/visionário, entre outros. Honestidade é um requisito que nem se cogita, porque é da essência de quem pretenda gerir a coisa pública.

O eleitor não pode esquecer que está votando em alguém que deve estar preparado para administrar, com competência, a coisa pública.

O candidato por seu turno, não tem o direito de enganar. Ele também deve exercer a cidadania em sua plenitude.

Deixe seu Comentário

Leia Também

A importância do Pet na vida da família
Dia Mundial dos Animais

A importância do Pet na vida da família

04/10/2021 15:00
A importância do Pet na vida da família
Saiba quem é o brasileiro premiado por foto de jacaré morto na seca
Variedades

Saiba quem é o brasileiro premiado por foto de jacaré morto na seca

30/09/2021 17:00
Saiba quem é o brasileiro premiado por foto de jacaré morto na seca
Mato Grosso do Sul é destino destaque no Fórum de Turismo LGBT 2021
Turismo

Mato Grosso do Sul é destino destaque no Fórum de Turismo LGBT 2021

29/09/2021 16:15
Mato Grosso do Sul é destino destaque no Fórum de Turismo LGBT 2021
Há 150 anos, Lei do Ventre Livre era assinada
Lei do Ventre Livre

Há 150 anos, Lei do Ventre Livre era assinada

28/09/2021 09:30
Há 150 anos, Lei do Ventre Livre era assinada
Câncer em cães e gatos é cada vez mais comum, afirma veterinário
IMPRESSO

Câncer em cães e gatos é cada vez mais comum, afirma veterinário

05/07/2021 13:00
Câncer em cães e gatos é cada vez mais comum, afirma veterinário
Últimas Notícias