Dourados – MS terça, 19 de outubro de 2021
Dourados
30º max
15º min
Variedades

Roth faz mistério sobre time do Inter

13 Dez 2010 - 16h00
Atacante Giuliano foi considerado o trevo de quatro folhas do Inter na Libertadores
 - Crédito: Foto: ReproduçãoAtacante Giuliano foi considerado o trevo de quatro folhas do Inter na Libertadores - Crédito: Foto: Reprodução
SÃO PAULO - Foi fechado, mas todo mundo viu. Retirar a imprensa do estádio Sultan Bin Zayed após 20 minutos de trabalho ontem foi mera formalidade do Inter. Do lado de fora, a tela azul que reveste o campo de treinamentos oferece visão quase perfeita do campo.

Não haveria segredo que o técnico Celso Roth pudesse esconder ali. Mas o objetivo nem era esse. O treinador, pouco adepto de treinos fechados, queria mais era ter privacidade para orientar o time da maneira que bem entendesse, sem se preocupar com os olhares da imprensa e de torcedores sobre ele.

O time, na prática, está formado há tempos para o Mundial. Não haverá novidades. Ontem, a imprensa assistiu apenas à conversa do técnico com os 11 titulares e ao aquecimento dos jogadores. Quando ia começar a parte tática, os jornalis-tas tiveram que se retirar. A novidade do dia foi a presença de outra árabe, Khaled Mabkhot, no treino. É mais um joga-dor cedido por Abel Braga, técnico do Al-Jazira, ao Inter.

Ele é o substituto de Sultan. A troca não tem nada a ver com os visíveis atropelos técnicos do primeiro árabe. É que o novo “reforço” é zagueiro, o que permite a Roth escalar Juan na lateral esquerda. Ele só havia treinado na zaga em Abu Dhabi.

Exatos 13 anos depois de enfrentar justamente no Beira-Rio o desafio de comandar pela primeira vez um clube gran-de, o técnico Celso Roth percebeu a proporção que a carreira dele tomou no instante em que entrou no estádio Mo-hammad Bin Zayed, em Abu Dhabi, para assistir ao jogo entre Mazembe e Pachuca. Ao ver a mistura de africanos, mexi-canos e árabes, o treinador balançou.

Ele revelou seu sentimento à imprensa ao comentar como fica o comportamento de um elenco diante de uma estreia – a do Inter é na terça-feira, contra o Mazembe, vencedor da partida. “Vou te dar um sentimento meu, que acho que foi dos jogadores também: chegar naquele estádio arrepia.

Estamos em um campeonato mundial... Aquele clima, aquela sensa-ção, o jogo disputado, dois continentes diferentes, levamos tudo isso em conta. Se isso vai determinar o ganhador da competição, não sei dizer. Mas a estreia é difícil em qualquer campeonato”, disse o treinador.

O Mundial é o ponto mais alto da carreira de Roth até o momento. Ele tem a perfeita noção do que um título repre-sentará na trajetória dele. E já se diz orgulhoso de ter essa chance. “Estar aqui é uma vitória, é um privilégio. Estamos trabalhando para conquistar esse título junto com os jogadores, que são as estrelas disso tudo. Participar é uma satisfa-ção, uma honra, um reconhecimento que veio com o trabalho. Isso é o mais importante: somar junto com os grupos. O treinador sempre tem que somar. Tomara que eu consiga realizar o objetivo”, afirmou Roth.

#####TALISMÃ

- O talismã também tem seus talismãs. Giuliano, o trevo de quatro folhas do Inter na Libertadores, tem certeza de que outros atletas colorados podem ser decisivos no Mundial do mesmo jeito que ele foi no torneio continen-tal. Os seis gols marcados na Libertadores fizeram com que o meia fosse eleito o melhor jogador do torneio. Mesmo as-sim, ele será suplente em Abu Dhabi.

O jogador elencou atletas que, na visão dele, pode ser decisivos no Mundial. A lista inclui titulares e reservas. “Temos jogadores que decidem partidas. Temos o Tinga, o D’Alessandro, o Alecsandro, que faz gol sempre, o Rafael Sobis, o próprio Andrezinho, que é decisivo quando entra, o Damião, que fez gol na final da Libertadores. O Inter não se resume a um ou a outro. É forte por todos”, disse Giuliano.

O talismã da Libertadores espera ser talismã também no Mundial. Giuliano ainda sonha ser titular, mas sabe que difi-cilmente acontecerá. “Espero ser talismã, sim. Vou trabalhar para isso. Temos mais alguns dias de treinamentos. Ainda tenho esperança de ser titular, mesmo que isso, em teoria, esteja definido. Tenho o pensamento positivo e quero ajudar. Espero que, quando for solicitado, tenha a oportunidade e corresponda”.

Giuliano gosta do apelido que carrega desde a Libertadores. Ele vê o termo como um sinal de reconhecimento. ‘É um apelido que pegou. Fico feliz com isso. Foi algo positivo, algo que me deu evidência, me deu moral. Espero poder cor-responder nos jogos e na sequência da minha carreira”. Para Giuliano, ter o reconhecimento pelo trabalho realizado é uma espécie de consolo para a reserva no Mundial. “É algo que me consola.

Não fico chateado por não começar, mas sempre tenho o pensamento de jogar, de ser titular. Quando não acontece, a gente compensa de outra forma. É uma moti-vação que vem de fora por ser considerado talismã e ajudar a equipe”, finaliza.

Deixe seu Comentário

Leia Também

A importância do Pet na vida da família
Dia Mundial dos Animais

A importância do Pet na vida da família

04/10/2021 15:00
A importância do Pet na vida da família
Saiba quem é o brasileiro premiado por foto de jacaré morto na seca
Variedades

Saiba quem é o brasileiro premiado por foto de jacaré morto na seca

30/09/2021 17:00
Saiba quem é o brasileiro premiado por foto de jacaré morto na seca
Mato Grosso do Sul é destino destaque no Fórum de Turismo LGBT 2021
Turismo

Mato Grosso do Sul é destino destaque no Fórum de Turismo LGBT 2021

29/09/2021 16:15
Mato Grosso do Sul é destino destaque no Fórum de Turismo LGBT 2021
Há 150 anos, Lei do Ventre Livre era assinada
Lei do Ventre Livre

Há 150 anos, Lei do Ventre Livre era assinada

28/09/2021 09:30
Há 150 anos, Lei do Ventre Livre era assinada
Câncer em cães e gatos é cada vez mais comum, afirma veterinário
IMPRESSO

Câncer em cães e gatos é cada vez mais comum, afirma veterinário

05/07/2021 13:00
Câncer em cães e gatos é cada vez mais comum, afirma veterinário
Últimas Notícias