Dourados – MS sábado, 11 de julho de 2020
Dourados
31º max
14º min
Pets

CPI do Cimi encerra oitivas de 2015 e altera dia de reunião

15 Dez 2015 - 07h00
“Não somos contrários à Igreja Católica, nem ao índio”, diz deputada Mara Caseiro. - Crédito: Foto: Wagner Guimarães/ALMS“Não somos contrários à Igreja Católica, nem ao índio”, diz deputada Mara Caseiro. - Crédito: Foto: Wagner Guimarães/ALMS
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada para investigar a atuação do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) junto às comunidades indígenas em Mato Grosso do Sul encerrou ontem (14) as oitivas e reuniões referentes ao ano de 2015. A novidade para 2016 é que o dia de encontro da Comissão será alterado para toda quarta-feira, às 14h e não mais nas terças.


Até o dia 30 de dezembro a equipe técnica ainda estará em serviço dos trabalhos administrativos. De 1º de janeiro a 1º de fevereiro de 2016 a CPI está suspensa devido ao recesso parlamentar e o retorno das reuniões está marcado para o dia 3 de fevereiro, às 14h, no Plenário Júlio Maia.


“Todo nosso trabalho está sendo traçado em busca da verdade, pois a gente faz o que acredita, cada um com seu ponto de vista. Não somos contrários à Igreja Católica, nem ao índio. A questão é investigar o trabalho do Cimi e as denúncias sobre a incitação da violência no campo”, resumiu a presidente da CPI, deputada Mara Caseiro (PTdoB).


A CPI do Cimi também é composta ainda pelo vice-presidente, deputado Marquinhos Trad (PMDB), Paulo Corrêa (PR) como relator e os deputados Onevan de Matos (PSDB) e Pedro Kemp (PT) são membros.
“Quero finalizar o ano agradecendo os membros da CPI pelo excelente trabalho, à nossa equipe técnica, ao apoio da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa e ao Governo do Estado, em especial à Secretaria de Segurança Pública que muito nos ajudou com documentos e depoimentos”, ressaltou o relator Paulo Corrêa.
De acordo com o Regimento Interno da Assembleia, a CPI tem duração de 120 dias e já foi aprovado pelos membros na última reunião a prorrogação do prazo em mais 60 dias. No último encontro os depoentes foram o professor indígena Alberto França Dias, da aldeia Buriti, localizada no município de Dois Irmãos do Buriti e a produtora rural Roseli Maria Ruiz da Silva, da Fazenda Barra que fica em Antônio João.


Também prestaram depoimentos para a CPI do Cimi os jornalistas Lorenzo Carrasco e Nelson Barretto, estudiosos da área, os produtores rurais Vanth Vanni Filho, Mônica Alves Corrêa, José Raul das Neves, Roseli Maria Ruiz da Silva, Jucimara e Ricardo Bacha, os indígenas Dionedson Cândido, Inocêncio Pereira, Cacilda Pereira, Abélcio Fernandes e o professor Alberto França Dias, o ex-assessor jurídico do Cimi, Maucir Pauletti, o delegado Alcídio de Souza Araújo, da Polícia Federal, o procurador da República, Emerson Kalif Siqueira, o desembargador Alcir Gursen de Miranda e o administrador rural, Ramão Aparecido Evangelista dos Santos. E foi realizada a acareação entre o ex-assessor jurídico do Cimi, Maucir Pauletti e o delegado da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, André Matsushita. Em 2015 foram ouvidos pela CPI 22 depoentes dos 56 nomes aprovados pelos deputados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Adoção de animais domésticos é opção em meio ao isolamento social
Adoção de Pets

Adoção de animais domésticos é opção em meio ao isolamento social

28/05/2020 15:31
Adoção de animais domésticos é opção em meio ao isolamento social
Últimas Notícias