Dourados – MS quinta, 02 de julho de 2020
Dourados
19º max
min
Pets

Amigo de Lula, Bumlai é preso e PF faz devassa na São Fernando

25 Nov 2015 - 08h25
Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão durante todo dia na Usina São Fernando. - Crédito: Foto: Hedio FazanPolícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão durante todo dia na Usina São Fernando. - Crédito: Foto: Hedio Fazan
O pecuarista e empresário sul-mato-grossense, José Carlos Bumlai, proprietário da Usina São Fernando, em Dourados, foi preso ontem pela Polícia Federal durante a 21ª fase da Operação Lava Jato, denominada Operação Passe Livre, numa alusão à liberdade que o ruralista tinha de entrar no Palácio do Planalto durante a presidência de Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com informações do Ministério Público Federal (MPF), José Carlos Bumlai foi preso pela Polícia Federal, ontem pela manhã, em Brasília, onde iria depor às 14h30 na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do BNDES, instaladada pela Câmara dos Deputados para investigar operações envolvendo o banco estatal.

Logo nas primeiras horas da manhã, viaturas levando oito agentes da Polícia Federal chegaram à Usina São Fernando, que fica localizada entre Dourados e Laguna Carapã, para cumprir os mandados de busca e apreensão de documentos e computadores que pudessem conter provas de irregularidades nos empréstimos com o BNDES. Os federais ficaram no interior da usina até a metade da tarde de ontem e todo material apreendido foi encaminhado para Curitiba, onde corre o inquérito da Operação Lava Jato, que investiga fraudes em licitação da Petrobras.

Além de Dourados, a Operação Passe Livre, que envolveu 140 policiais federais e 23 auditores fiscais, cumpriu ontem 25 mandados de busca e apreensão, um mandado de prisão preventiva e seis de condução coercitiva em São Paulo (SP), Lins (SP), Piracicaba (SP), Rio de Janeiro (RJ), Campo Grande (MS), Dourados (MS) e Brasília (DF).

Ontem pela manhã, o procurador da República, Diogo de Mattos, disse que o empresário e pecuarista José Carlos Bumlai usou contratos firmados com a Petrobras para quitar empréstimos com o Banco Schahin. A afirmação foi feita durante entrevista coletiva para detalhar a 21ª fase da Operação Lava Jato, denominada Operação Passe Livre, que investiga indícios de fraude em licitação na contratação de navio sonda pela Petrobras.

Segundo o procurador, o que a investigação comprovou até agora é que, em 2004, houve um empréstimo contraído formalmente no nome de José Carlos Bumlai. “Segundo informações de três colaboradores, na realidade esse empréstimo se destinava ao Partido dos Trabalhadores (PT) e foi pago mediante a contratação da Schahin como operadora do navio-sonda Vitória 10.000, da Petrobras, em 2009”, enfatizou o procurador da República.

Diogo Mattos acrescentou que o principal empréstimo investigado, de R$ 12 milhões, foi contraído em 2004. “Esse empréstimo foi postergado ao longo dos anos. No fim de 2005, a fim de quitá-lo, foi feito um novo empréstimo no mesmo banco por uma empresa de Bumlai. Essa empresa contraiu o empréstimo, passou para Bumlai, que o quitou, mas surgiu um novo débito de R$18 milhões. Esse empréstimo também não foi pago”, explicou Mattos.

Segundo o auditor da Receita Federal Roberto Leonel de Oliveira Lima, integrante da equipe da Operação Passe Livre, esta fase da Lava Jato se diferencia das demais pelo número de empréstimos. “A diferença verificada na análise da recondução do patrimônio de alguns dos envolvidos e de algumas de suas empresas é basicamente centrada em uma série de empréstimos recebidos de bancos públicos e privados. Essa série de empréstimos gerou recursos que foram transferidos a várias pessoas”, ressaltou. “O que temos claramente é um depoimento informando que Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT, esteve no Banco Schahin para realização desse empréstimo e que houve um telefonema de José Dirceu ao então presidente do banco para se responsabilizar pelo empréstimo. Não que ele tenha falado nesse telefonema sobre o empréstimo, mas ele nunca tinha ligado ao banco ou conversado com o senhor Schahin antes”, disse o procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima.

José Carlos Bumlai e os demais investigados nesta fase responderão pela prática dos crimes de fraudes a licitação, falsidade ideológica, falsificação de documentos, corrupção ativa e passiva, tráfico de influência e lavagem de dinheiro. Os policiais também estiveram na sede do BNDES para recolher documentos sobre os empréstimos à Usina São Fernando, num total de mais de R$ 300 milhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Adoção de animais domésticos é opção em meio ao isolamento social
Adoção de Pets

Adoção de animais domésticos é opção em meio ao isolamento social

28/05/2020 15:31
Adoção de animais domésticos é opção em meio ao isolamento social
Últimas Notícias