Dourados – MS quinta, 24 de setembro de 2020
Dourados
33º max
17º min
DOURADOS

MP recomenda mais rigor em lei e multa de R$ 306 para quem não usar máscara

21 Jul 2020 - 08h03Por Flávio Verão/Dourados Agora
MP recomenda mais rigor em lei e multa de R$ 306 para quem não usar máscara -

O Ministério Público Estadual (MPE) recomendou à Prefeitura de Dourados e a Câmara Municipal uma série de medidas para aumentar o controle ao combate ao novo coronavírus. Entre as medidas está a alteração de lei que amplia o valor de multa para pessoas que não usarem máscara e para empresas que não cumprirem as medidas sanitárias.

Entre as recomendações está a alteração na Lei Complementar 396/2020, de autoria da Câmara Municipal e sancionada pela Prefeitura. O MPE pede alterações como obrigatoriedade de uso de máscaras em todo o perímetro urbano, distritos de Dourados e bairros rurais, como as sitiocas. A atual lei cita uso obrigatório na "cidade de Dourados". Para o Ministério Público, é preciso mais clareza.

A atual lei prevê multa de 1 Uferms para quem não usar máscara. O Ministério Público quer que amplie para 10 Uferms, que hoje tem valor unitário em reais de R$ 30,69, ou seja, a multa saltaria para R$ 306,90.

Para o empresário que atender o cliente sem o uso de máscara, o MPE pede que o valor da multa salte de 2 Uferms (R$ 61,38) para 10 Uferms (R$ 306,90).

O Ministério Público ainda recomenda que na lei seja incluído que, o estabelecimento flagrado com atendimento ao público após o toque de recolher, na primeira ocorrência de infração será imediatamente fechado e advertido mediante notificação escrita, com suspensão das atividades por 24 horas, além da aplicação de multa no valor de 90 Uferms (R$ 2.761,10) .

No caso de reincidência será interditado por qualquer dos fiscais da Central de Fiscalização mediante lavratura de Termo de Interdição, apenas podendo retomar o exercício de atividade após assinatura de Termo de Responsabilidade Sanitária, além da aplicação de multa de 180 Uferms (R$ 5.524,20).

Ainda recomenda o MP que, em caso de desrespeito à interdição na reincidência, retomando a empresa o exercício da atividade sem a assinatura do Termo de Responsabilidade Sanitária, ou em caso de reincidência de infrações mesmo após a celebração do Termo de Responsabilidade Sanitária, o estabelecimento será imediatamente fechado pelos fiscais, por tempo indeterminado, e terá a cassação do Alvará de Localização e Funcionamento, que apenas poderá ser novamente requerido após o encerramento do estado de calamidade pública, além de multa no valor de 600 Uferms (R$ 18.414).

Já o cliente que for flagrado no estabelecimento após o toque de recolher, será multado em 10 Uferms (R$ 306,90) por pessoa, sendo majorada 10 Uferms a mais a cada reincidência (ainda que em estabelecimentos distintos), bem como determinada sua imediata retirada do local e cumprimento ao toque de recolher, sob pena de aplicação em dobro.

Já os indivíduos que forem flagrados nos passeios ou vias públicas após o toque de recolher, o Ministério Público também sugere multa de 10 Uferms R$ 306,90). A medida não será válida em caso de acesso da pessoa a serviços essenciais.

O MPE ainda pede que, na lei, seja incluído artigo que prevê a vedação de aglomerações estipulada pela legislação, ficando proibida a reunião de pessoas não residentes no mesmo imóvel, mesmo que de caráter familiar, bem como em chácaras, salões, condomínios, residências, repúblicas, praças e passeios públicos ou em quaisquer outros ambientes, sob pena de multa administrativa no valor de 10 Uferms (R$ 306,90) por pessoa, sendo majorada em 10 Uferms, a mais, a cada reincidência.

Já os condomínios, a recomendação é que a lei obrigue que eles mantenham controle de entrada de visitas por lista, disponível para eventual fiscalização, sob pena de multa de 1.000 Uferms (R$ 30.690);

O documento é assinado pelos promotores de Justiça Rosalina Cruz Cavagnolli, Amílcar Araújo Carneiro Júnior, Ricardo Rotunno e Luiz Gustavo Comacho Terçariol. A prefeitura e a Câmara Municipal têm prazo de cinco dias úteis para decidirem se acatam ou não as recomendações, caso contrário o MPE poderá ingressar com ação na justiça.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ofensas raciais em grupo de whatsapp geram dano moral decide TJMS
Condenação

Ofensas raciais em grupo de whatsapp geram dano moral decide TJMS

19/09/2020 10:09
Ofensas raciais em grupo de whatsapp geram dano moral decide TJMS
“Muita gente desconta no animal, como se ele tivesse culpa”, diz criadora de abrigo
Cães abandonados

“Muita gente desconta no animal, como se ele tivesse culpa”, diz criadora de abrigo

13/09/2020 09:05
“Muita gente desconta no animal, como se ele tivesse culpa”, diz criadora de abrigo
“Mais de 40% das mulheres que sofrem violência permanecem caladas”, diz promotor de Justiça
Violência doméstica

“Mais de 40% das mulheres que sofrem violência permanecem caladas”, diz promotor de Justiça

11/09/2020 15:40
“Mais de 40% das mulheres que sofrem violência permanecem caladas”, diz promotor de Justiça
“Eu ‘tô’ com saudade do planeta inteiro”: o alto preço pago pelas crianças na pandemia
Pandemia

“Eu ‘tô’ com saudade do planeta inteiro”: o alto preço pago pelas crianças na pandemia

10/09/2020 15:14
“Eu ‘tô’ com saudade do planeta inteiro”: o alto preço pago pelas crianças na pandemia
Senado aprova aumento de pena para agressores de cães e gatos
Maus-tratos

Senado aprova aumento de pena para agressores de cães e gatos

10/09/2020 13:38
Senado aprova aumento de pena para agressores de cães e gatos
Últimas Notícias