Dourados – MS segunda, 08 de março de 2021
Dourados
33º max
21º min
Cassems
Bebês e Crianças

“Reza a Lenda”

22 Jan 2016 - 07h00Por Valéria Araújo Do Progresso
Em “Reza a Lenda”, Ara - Crédito: Foto: DivulgaçãoEm “Reza a Lenda”, Ara - Crédito: Foto: Divulgação
O filme nacional “Reza a Lenda” é a estreia da semana no cinema do Shopping Avenida Center. A produção está em cartaz na Sala 3 com sessões diárias às 17h30, 19h30 e 21h30.


Em “Reza a Lenda” a produção nacional que tem sido apelidada de Mad Max do Sertão, o arcaico e o moderno duelam pela predominância. O senso de justiça atrelado à crença religiosa impulsiona a trama e motiva os personagens, num cenário de seca apocalíptica. Dirigido por Homero Olivetto, também autor da história original, o longa acompanha uma gangue de motoqueiros que busca libertar seu povo.


Ara (Cauã Reymond) é o líder do grupo, que conhecemos pelos olhos da jovem Laura (Luisa Arraes), que é resgatada de um acidente nas imediações. Sem saber onde está e com quem está lidando, ela tem poucas opções, a não ser observar aquelas pessoas. E quando o grupo de motoqueiros rouba a imagem de uma santa, propriedade do poderoso Tenório (Humberto Martins), desperta a ira dele, que promete recuperá-la a todo custo.


Segundo crítica do Cine Web, os personagens também transitam entre o clichê e o novo. Tenório é o velho coronel do sertão, rico e poderoso, que usa tudo o que tem para oprimir e subjugar os mais pobres. Já Ara é um inconformado com aquela vida coberta de poeira do sertão e sangue das disputas. A fé, então, é o mediador dos embates, como também a proteção e esperança de dias melhores e chuvosos.


Já Laura é uma “moça da cidade” perdida no meio deste mundo que, claramente, não é o seu. Sua presença desperta o ciúme de Severina (Sophie Charlotte), a companheira de Ara. Essa personagem também foge dos clichês – talvez até daqueles que esperamos da atriz, mais conhecida por seu trabalho em novelas, mas que, aos poucos, tem se firmado em desafios no cinema, como aqui e em “Serra Pelada”. Sua delicadeza está coberta de camadas de couro e poeira do sertão, o que imprime uma dimensão ao seu trabalho.


Olivetto – trabalhando com um roteiro assinado por ele, Patrícia Andrade e Newton Cannito – vai por caminhos inesperados, num resultado nem sempre orgânico, mas, em boa parte do tempo, surpreendente pela criatividade na invenção de personagens e situações inusitadas – como é o caso de Pica-Pau, interpretado por Jesuíta Barbosa (“Praia do Futuro”), cujos olhos constantemente arregalados são a maior expressão de sua desconhecida força que vem à tona no clímax do filme; ou Galego Lorde (Julio Andrade, de “Gonzaga – De Pai Pra Filho”), uma espécie de xamã do sertão, com quem Ara e seu grupo negociam.


Tecnicamente, o longa resolve-se bem nas perseguições e tiroteios, com suas piruetas e pirotecnias, embora um vilão mais bem delineado ajudaria muito.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Sem famílias acolhedoras, crianças violentadas são retiradas das aldeias
Projeto

Sem famílias acolhedoras, crianças violentadas são retiradas das aldeias

30/11/2020 15:51
Sem famílias acolhedoras, crianças violentadas são retiradas das aldeias
Lei manda informar sobre entrega de filho para adoção
Adoção

Lei manda informar sobre entrega de filho para adoção

26/11/2020 12:36
Lei manda informar sobre entrega de filho para adoção
Novembro Roxo aborda a prematuridade e seus desafios
Saúde

Novembro Roxo aborda a prematuridade e seus desafios

16/11/2020 15:21
Novembro Roxo aborda a prematuridade e seus desafios
Dourados tem 45 cartinhas de crianças e adolescentes na Campanha de Natal do Pacijus
Boa Ação

Dourados tem 45 cartinhas de crianças e adolescentes na Campanha de Natal do Pacijus

13/11/2020 15:13
Dourados tem 45 cartinhas de crianças e adolescentes na Campanha de Natal do Pacijus
Últimas Notícias