Dourados – MS domingo, 18 de abril de 2021
Dourados
31º max
19º min
Influx - Campanha 2021
Acolhimento

MS tem 131 crianças disponíveis para adoção

Em Dourados, há cerca de 50 acolhidos, sendo seis à espera de uma família

21 Out 2020 - 13h27Por Valéria Araújo
MS tem 131 crianças disponíveis para adoção - Crédito: Divulgação Crédito: Divulgação

O Estado de Mato Grosso do Sul tem 131 crianças disponíveis para a adoção. São meninos e meninas que já foram destituídas completamente do convívio dos pais biológicos e que aguardam nova família. Em Dourados cerca de 50 crianças e adolescentes estão vivendo em casas de acolhimento. Apesar do número expressivo de acolhidos, apenas seis estão aptos a adoção, sendo cinco adolescentes e uma criança de 8 anos.

A assistente social e coordenadora do ‘Projeto Adotar’, da Vara da Infância, Valdirene Campos Schmitz Pereira, diz que o principal desafio continua sendo encontrar famílias dispostas a fazer a adoção tardia, além de grupos de irmãos e crianças com algum tipo de deficiência. O Projeto Adotar, existe em Dourados desde 2005 e tem parceria com a maternidade. A mãe, no ato de dar a luz, pode expressar o desejo de entregar a criança para a adoção. A partir daí o juizado é informado, ambos serão assistidos e a adoção ocorrerá de forma legal.

O projeto também faz o curso de preparação e contato com os pretendentes, mantém o cadastro atualizado, faz a busca de famílias para crianças que estão disponíveis, acompanhamento das gestantes que pretendem entregar a criança para a adoção, além de acolher e orientar a entrega voluntária.
No mês da criança o Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA), do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), indicaram que mais de 30 mil crianças e adolescentes estão em situação de acolhimento em mais 4.533 unidades em todo o país. Deste total, 5.154 mil estão aptas a serem adotadas.

Uma criança ou adolescente pode receber a medida protetiva de acolhimento institucional ao se detectar uma situação de risco, negligência, abandono, maus-tratos, entre outras violações de direitos. A medida tem caráter temporário, até o retorno da acolhida, por adoção ou reintegração familiar, considerando o interesse da criança e do adolescente.

Para o presidente da Associação Brasileira dos Magistrados da Infância e da Juventude (Abraminj), desembargador do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), José Antônio Daltoé Cezar, o Poder Judiciário tem implementado uma visão integral no acolhimento. “Temos observado um grande esforço judicial, desde audiências on-line até a busca por capacitação dos agentes de direito, para que a criança tenha seus direitos como indivíduo respeitados. O próprio CNJ, com uma iniciativa de aprimorar os cadastros de adoção para dar celeridade ao processo contribui para esse contexto mais ágil e buscando sempre a melhor condição para a criança.”

Programas em Dourados

A Vara da Infância de Dourados  oferece três principais projetos de adoção, auxílio e bem-estar das crianças abrigadas em Dourados. O “Adotar” faz triagem com os casais interessados em crianças já distituídas do poder familiar. Criado em setembro de 2005, tem uma média de adoções de 2 a 3 crianças por ano. Para adotar, os casais (solteiro também pode) passam por triagem e curso de adaptação.

A principal dificuldade é que a maioria dos casais se interessa por crianças recém-nascidas ou com, no máximo, um ano. Isto faz com que as maiores permaneçam mais tempo nos abrigos.

Padrinho

O Projeto Padrinho, existe desde 2003 em Mato Grosso do Sul e há dois anos em Dourados. Beneficia crianças que moram nos abrigos e as que estão em situação de risco, inclusive assistidas pala Vara da Infância e Juventude de Dourados. O Projeto conta com padrinhos doadores de bens e materiais, prestadores de serviços, como médicos, psicólogos entre outros profissionais e nove são afetivos, que levam as crianças para dias de lazer.

Qualquer pessoa acima de 18 anos pode se cadastrar como padrinho. Não há limite de vagas. A função do apadrinhamento é contribuir de alguma maneira com a criança. Fica a critério do padrinho o tempo e tipo de ajuda, que pode ser material, afetiva, profissional e educacional.

Pai de verdade

Criado em outubro de 2007 na Comarca de Dourados, o projeto Pai de Verdade tem como foco informar e conscientizar os pais da importância do reconhecimento de seus filhos. 

Deixe seu Comentário