Dourados – MS segunda, 30 de novembro de 2020
Dourados
37º max
25º min
Influx
Imaculada-Mobile
Bebês e Crianças

Brasil já ‘passou perto’ do Oscar, mas nunca levou

23 Fev 2016 - 06h00
“O Menino e o Mundo” disputa a estatueta de melhor animação – é a primeira vez que o país concorre nesta categoria. - Crédito: Foto: Divulgação“O Menino e o Mundo” disputa a estatueta de melhor animação – é a primeira vez que o país concorre nesta categoria. - Crédito: Foto: Divulgação
O mais perto que o Brasil já chegou de um Oscar foi aplaudindo uma estatueta dos nossos vizinhos uruguaios. Em 2005, o compositor Jorge Drexler recebeu o prêmio de melhor canção por “El otro lado del rio”. Como a música estava no filme “Diários de Motocicleta”, do diretor brasileiro Walter Salles, dava até para dizer que Jorge Drexler era Brasil na Libertadores (e no Oscar). Mas a verdade é que o país jamais levou o maior prêmio do cinema mundial.


A nova chance é em 28 de fevereiro, quando acontece a edição 2016 da grande festa de Hollywood, quando “O Menino e o Mundo” disputa a estatueta de melhor animação – é a primeira vez que o país concorre nesta categoria. O diretor paulistano Alê Abreu, de 44 anos está otimista (acha que dá para ganhar, superando o favorito “Divertida Mente”, da Pixar) e disposto a fazer “guerrilha em Hollywood” para tirar o Brasil da fila.


A indicação anterior do país havia ocorrido em 2015, com o documentário “O Sal da Terra”, coprodução Brasil, Itália e França. O filme sobre o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado era codirigido pelo filho dele, Juliano Salgado, e por Wim Wenders. Mas não levou.Na história do Oscar, o Brasil teve ainda outras “quase vitórias” ou vitórias, digamos, colaterais. Em 1986, por exemplo, William Hurt ganhou a estatueta de melhor ator pelo trabalho no filme “O Beijo da Mulher Aranha”, dirigido por Hector Babenco. O longa era uma coprodução Brasil e Estados Unidos.


Segundo o portal G 1, a primeira vez em que o Brasil foi ao Oscar não ocorreu exatamente por méritos cinematográficos, mas, sim, musicais – e com um de nossos compositores mais célebres de todos os tempos, Ary Barroso (1903-1964). Em 1945, a composição “Rio de Janeiro” disputou a estatueta de melhor canção pelo filme “Brazil”, produção americana dirigida por Joseph Santley. Ganhou “Swinging on a Star”, de James Van Heusen e Johnny Burke, que estava no filme “O Bom Pastor”.


Costuma-se considerar “O Pagador de Promessas”, dirigido por Anselmo Duarte (1920-2009), como grande marco inaugural do Brasil no Oscar. Em 1963, o longa baseado na peça de Dias Gomes (1922-1999) concorreu ao prêmio de melhor filme estrangeiro – e perdeu para uma produção francesa, “Sempre Aos Domingos”.


O Oscar veio, mas não propriamente para o Brasil. Foi mais ou menos igual aconteceria com “El otro lado del Rio” duas décadas mais tarde. Só que aqui o prêmio foi de melhor ator, para William Hurt, numa coprodução Brasil e Estados Unidos e dirigida pelo argentino naturalizado brasileiro Hector Babenco. “O Beijo da Mulher Aranha” teve ainda outras indicações ao prêmio da Academia de Hollywood: melhor filme, diretor e roteiro adaptado.


A segunda indicação do Brasil a melhor filme estrangeiro ocorreu em 1996, com “O Quatrilho”, de Fábio Barreto. Comovente, a história não levou a estatueta, sendo preterida pelo holandês “A Excêntrica Família de Antonia”.


Baseado no best-seller homônimo lançado em 1979 pelo jornalista, escritor e político Fernando Gabeira, “O que é Isso, Companheiro?” concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro e, a exemplo de “O Quatrilho”, perdeu do holandês (no caso, “Caráter”).


Por razões de Fernanda Montenegro, “Central do Brasil” está para o Oscar 1999 assim como a seleção de 1982 está para a Copa do Mundo daquele ano. E mais: Fernanda concorreu à estatueta de melhor atriz. Mas nenhum dos dois levou. O filme perdeu de “A Vida é Bela”.

Trave


Pela primeira vez (e acabou sendo a única até hoje), o Brasil era indicado ao Oscar de melhor curta-metragem em live-action (com atores de verdade, não animação). O nosso candidato foi “Uma história de Futebol”, de Paulo Machline. Em 2003, “Cidade de Deus” foi ignorado por Hollywood e ficou fora da disputa pelo Oscar de melhor filme estrangeiro – o Brasil havia selecionado o longa de Fernando Meirelles para tentar a vaga. Mas, no ano seguinte, a Academia mudou de opinião e colocou “Cidade de Deus” para concorrer em quatro categorias: melhor diretor, melhor roteiro adaptado (Bráulio Mantovani), melhor fotografia (César Charlone) e melhor edição (Daniel Rezende). Nenhum deles conseguiu a estatueta.


Foi uma indicação polêmica. Coprodução Brasil e Reino Unido, “Lixo Extraordinário” concorreu na categoria melhor documentário, mas o componente nacional do longa não pôde ser integralmente celebrado. Isso apesar de o tema ser o artista plástico brasileiro Vik Muniz e de o filme ter sido em parte rodado num lixão do Rio. É que, quando anunciou a indicação, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood listou somente a diretora Lucy Walker e o produtor Angus Aynsley, ambos britânicos. Deixou de incluir o nome de João Jardim, brasileiro que codirigiu a obra.


Matematicamente falando, jamais houve melhor possibilidade para ganhar. Com a música “Real in Rio”, da animação “Rio”, Carlinhos Brown e Sergio Mendes disputavam o Oscar contra um único concorrente. E perderam: o prêmio foi para “Man or Muppet”, tema de “Os Muppets”.


“O Sal da Terra”, tinha todas as credenciais para levar a tão cobiçada estatueta. A começar pelo tema: o premiado fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado. Além disso, era codirigido pelo cultuado cineasta alemão Wim Wenders, que dividiu a função com Juliano Salgado, filho de Sebastião. E era coprodução internacional, envolvendo Brasil, Itália e França. Mas nada disso adiantou: a Academia preferiu dar o prêmio a “CitizenFour”, de Laura Poitras, sobre o vazamento de segredos dos Estados Unidos por Edward Snowden.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Lei manda informar sobre entrega de filho para adoção
Adoção

Lei manda informar sobre entrega de filho para adoção

26/11/2020 12:36
Lei manda informar sobre entrega de filho para adoção
Novembro Roxo aborda a prematuridade e seus desafios
Saúde

Novembro Roxo aborda a prematuridade e seus desafios

16/11/2020 15:21
Novembro Roxo aborda a prematuridade e seus desafios
Dourados tem 45 cartinhas de crianças e adolescentes na Campanha de Natal do Pacijus
Boa Ação

Dourados tem 45 cartinhas de crianças e adolescentes na Campanha de Natal do Pacijus

13/11/2020 15:13
Dourados tem 45 cartinhas de crianças e adolescentes na Campanha de Natal do Pacijus
MS tem 131 crianças disponíveis para adoção
Acolhimento

MS tem 131 crianças disponíveis para adoção

21/10/2020 13:27
MS tem 131 crianças disponíveis para adoção
Grupo UNP Industrial faz doações de brinquedos a filhos de reeducandos
Solidariedade

Grupo UNP Industrial faz doações de brinquedos a filhos de reeducandos

15/10/2020 10:14
Grupo UNP Industrial faz doações de brinquedos a filhos de reeducandos
Últimas Notícias