Dourados – MS sábado, 27 de fevereiro de 2021
Dourados
36º max
25º min
Influx
Conjuntura

Abacaxi

06 Jun 2016 - 06h00
Abacaxi -
O superendividamento dos estados deve ser tema prioritário na reunião de governadores da próxima quarta-feira (8) com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).


Em MS, a dívida foi questionada judicialmente porque, conforme o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), onera muito os cofres estaduais. Segundo ele, só de juros mensais são mais de R$ 100 milhões.

##### Trégua


Em abril, o pagamento da dívida de cerca de R$ 6 bilhões de MS junto à União foi suspenso por meio de liminar do STF.


Diante da crise e da situação delicada do momento, outros estados conseguiram a mesma medida, entre eles São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio de Janeiro. No entanto, ninguém sabe até quando irá esse "refresco".

##### Testemunha


O ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) vai depor ao juiz Sérgio Moro no dia 24 de junho. Delator da Operação Lava Jato, o ex-representante de MS foi convocado pelo MPF como testemunha de acusação em processo contra o também ex-senador Gim Argello (PTB-DF).


O depoimento do ex-petista está marcado para as 14h de uma sexta-feira que promete ser recheada de novidades em termos de corrupção que, aliás, já virou moda no país.

##### Ombudsman


A delação de Delcídio levou os investigadores da Lava Jato a Gim Argello. O ex-petista relatou a existência de um esquema de cobrança de propina por parte de parlamentares para que empreiteiros não fossem convocados para CPI na Câmara dos Deputados e no Senado.


Argello virou réu porque, há evidências de que o ex-senador pediu R$ 5 milhões em propina para a empreiteira UTC Engenharia e R$ 350 mil para a OAS. Em troca, ele barraria a convocação de executivos das empreiteiras para a CPMI, no Congresso, que investigou o esquema de corrupção na Petrobras.

##### Otimismo


Presidente do diretório regional do PMDB, o deputado estadual Júnior Mochi acredita que o partido deva fazer entre 20 a 23 prefeitos nas eleições municipais de outubro, conforme disse à coluna no fim de semana. Em Campo Grande, o pré-candidato é o deputado estadual Márcio Fernandes, que caso não entre na disputa deverá apoiar um nome a ser eventualmente indicado pelo PSB.


Os peemedebistas se preparam para enfrentar parada dura na campanha deste ano, cujos adversários de momento são o prefeito Alcides Bernal (PP), a vice-governadora Rose Modesto (PSDB), o deputado estadual Marquinhos Trad (PSD), entre outros que ainda analisam o quadro.

Deixe seu Comentário