Dourados – MS quarta, 05 de agosto de 2020
Dourados
31º max
15º min
Segurança e Saúde JBS
Tecnologia

'Eles testaram a força do Twitter', diz diretor de colégio que sofreu protesto

16 Fev 2011 - 18h40
O tópico #abaixoacalu era um dos termos mais
comentados nesta quarta-feira - Crédito: Foto: ReproduçãoO tópico #abaixoacalu era um dos termos mais comentados nesta quarta-feira - Crédito: Foto: Reprodução
Um protesto contra o aumento nos preços dos alimentos em uma cantina de um colégio em São Paulo tomou proporções nacionais graças ao Twitter. Na terça-feira (15) à noite, alunos do Colégio Marista Arquidiocesano, na zona sul da capital paulista, começaram uma manifestação ao espalhar pelo microblog o tópico #abaixoacalu.

“Desde o primeiro dia de aula, ficamos indignados com os altos preços da cantina”, explicou Gabriela Meyer Torres, de 17 anos, estudante da 3ª série do Ensino Médio. A Cantina Calu é terceirizada pela escola há cerca de 14 anos.

Nesta quarta-feira (16) pela manhã, o tópico apareceu na terceira posição entre os termos mais comentados no Twitter, o que chamou a atenção de usuários de fora do colégio. \"Não imaginávamos que uma rede social traria tanta repercussão”, disse a aluna Paula Ragazzi Pauli. Segundo ela, a intenção dos jovens era fazer um protesto silencioso. \"Eles testaram a força das redes sociais e viram que dá certo”, disse Chico Sedrez, diretor educacional do Colégio Arquidiocesano.

Como parte da manifestação, os alunos levaram lanche de casa nesta quarta-feira (16) para que a cantina ficasse vazia na hora do intervalo. \"Os preços, que já eram caros em 2010, ficaram ainda \'piores\'. O pão de queijo está muito caro. Hoje, ele é vendido a R$ 2,30. Se eu vou em uma padaria, eu consigo comprar por R$ 1\", disse Beatriz Falcão, de 15 anos.

“O universo de comparação deles são botecos. Mesmo assim, acredito que o movimento é legítimo”, disse Sedrez. Ele contou que a cantina praticou o aumento sofrido pelos alimentos na inflação. \"No entanto, pedimos para que eles checassem a planilha de preços para ver se não há nenhuma discrepância”, completou.

O diretor afirmou que as pichações feitas antigamente nos banheiros dos colégios estão migrando para as redes sociais. “Mas tanto a pichação como o Twitter exigem que a gente tenha consciência das consequências\", disse Sedrez.

Para ele, esse episódio servirá para que o colégio e as famílias aprendam a lidar com as redes sociais. \"Hoje, uma aluna me disse que não podemos esquecer do direito de expressão. Porém, temos que nos expressar com responsabilidade, e é isso que vamos tentar passar para eles agora\", completou.

O G1 entrou em contato com a Cantina Calu, que não quis divulgar nenhuma declaração sobre o caso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cotidiano

Vídeo de professores da FCBA informa e estimula a valorização da ciência

03/08/2020 14:06
Tecnologia

Operadoras começam testes no Brasil da tecnologia 5G

24/07/2020 19:02
TECNOLOGIA

Três Lagoas está entre as cidades testes para o 5G no Brasil, que já começou

18/07/2020 12:06
Pesquisadores usam saquinhos de chá para avaliar qualidade do solo
Qualidade do Solo

Pesquisadores usam saquinhos de chá para avaliar qualidade do solo

09/07/2020 12:25
Pesquisadores usam saquinhos de chá para avaliar qualidade do solo
Relação de confiança evita que filhos caiam em desafios perigosos na internet
DESAFIO DO PATETA

Relação de confiança evita que filhos caiam em desafios perigosos na internet

26/06/2020 10:29
Relação de confiança evita que filhos caiam em desafios perigosos na internet
Últimas Notícias