Dourados – MS sexta, 24 de maio de 2024
18º
Saúde

Taxa elevada de enzimas nos pulmões agrava casos de covid-19

A atividade aumentada das metaloproteinases nos pulmões de pessoas com covid-19 – em estado grave ou que foram a óbito – explica o agravamento da doença e também abre perspectivas para novos tratamentos

04 Jun 2022 - 19h00Por Brenda Marchiori, Jornal da USP
Os pesquisadores encontraram uma quantidade muito maior das enzimas metaloproteinases MMP-2 e MMP-3 nos pulmões de pacientes com covid-19 grave ou que foram a óbito pela doença - Crédito: PixabayOs pesquisadores encontraram uma quantidade muito maior das enzimas metaloproteinases MMP-2 e MMP-3 nos pulmões de pacientes com covid-19 grave ou que foram a óbito pela doença - Crédito: Pixabay

Equipe liderada pela USP identificou um novo processo ligado ao agravamento da covid-19: as enzimas metaloproteinases, MMP-2 e MMP-3, que se encontram aumentadas nos pulmões de infectados graves pelo vírus sars-cov-2. A descoberta, acreditam os pesquisadores, pode levar a novas possibilidades de tratamento da doença.

Um dos coordenadores do ImunoCovid, consórcio de laboratórios que investiga a covid-19, o professor Carlos Arterio Sorgi, do Departamento de Química da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, conta que as metaloproteinases são importantes enzimas de regulação de reparo tecidual, mas, quando em expressão e atividade aumentadas, podem causar dano no tecido. O fato, segundo Sorgi, explica os danos nos pulmões dos doentes de covid-19 em estado grave. 

Essas elevadas taxas de metaloproteinases se juntam à hiperinflamação, “já conhecida como tempestade de citocinas”, diz o professor Sorgi, e causam um dano muito grande, dificultando a regeneração do órgão. Segundo o pesquisador, os pulmões de pacientes graves com covid-19 pesquisados possuíam uma grande quantidade dessas enzimas. Os dados estão descritos no artigo Metaloproteinases de matriz na patogênese da doença pulmonar COVID-19 grave: ações cooperativas do eixo MMP-8/MMP-2 na resposta imune através da liberação de HLA-G e estresse oxidativo, publicado na revista científica Biomolecules.

Inibidores de metaloproteinases
A pesquisa foi realizada em amostras de aspirado brônquio-traqueal de 39 pessoas internadas em estado grave com covid-19. Todas estavam entubadas em UTIs da Santa Casa e do Hospital São Paulo, ambos em Ribeirão Preto, entre junho de 2020 e janeiro de 2021. Os pesquisadores também analisaram material de 13 voluntários hospitalizados em estado crítico e de pacientes que faleceram em decorrência da doença.

O aspirado é um procedimento de rotina nesses pacientes e os pesquisadores coletaram amostras para demonstrar a presença e a atividade das enzimas metaloproteinases. A partir dos materiais biológicos e dos dados clínicos, o grupo conseguiu correlacionar as descobertas com outros aspectos da doença para poder determinar melhor a patofisiologia da covid-19. “Quando nós analisamos os dados da expressão dessa enzima em pacientes que sobreviveram e nos que foram a óbito, nós descobrimos que há uma grande diferença. O nível de atividade de enzimas ativas nos pacientes que morreram foi muito maior”, conta Sorgi. 

Esse fato, de acordo com o professor, mostra desregulação na expressão da atividade da enzima que “realmente está contribuindo para um dano muito grande no pulmão e levando o paciente a óbito”. De acordo com o professor, trata-se de uma descoberta muito importante para estudos de novos medicamentos para o controle da hiperinflamação e da injúria tecidual pulmonar. Segundo Sorgi, o controle das metaloproteinases poderia ser visto como “um novo alvo terapêutico que poderia ser acrescentado ao tratamento de covid-19 grave”.

Porém, até isso se tornar uma realidade, será preciso fazer mais pesquisas e testes em humanos. Além da confirmação de que os fármacos que, teoricamente, bloqueiam as metaloproteinases, são efetivos. “Isso é importante para um tratamento em várias frentes, incluindo inibidores de metaloproteinases, que podem garantir sucesso de recuperação do paciente com covid grave e que esteja entubado”, diz.

Além do professor Sorgi, participaram do estudo pesquisadores da FFCLRP, das Faculdades de Medicina (FMRP), Odontologia (Forp) e de Ciências Farmacêuticas (FCFRP) e Escola de Enfermagem (EERP), todas da USP em Ribeirão Preto; das Universidades Federais do Amazonas (UFAM) e de São Carlos (UFSCar), e do Hospital Santa Casa de Misericórdia de Ribeirão Preto. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça Federal muda protocolo para uso de anestesia em consultórios odontológicos
Saúde

Justiça Federal muda protocolo para uso de anestesia em consultórios odontológicos

há 10 minutos atrás
Justiça Federal muda protocolo para uso de anestesia em consultórios odontológicos
Mensagens de WhatsApp ajudam idosos atendidos pelo SUS a sair da depressão
Saúde mental

Mensagens de WhatsApp ajudam idosos atendidos pelo SUS a sair da depressão

há 55 minutos atrás
Mensagens de WhatsApp ajudam idosos atendidos pelo SUS a sair da depressão
Lei dá prioridade ao transporte de órgãos e tecidos destinados a transplantes
Senado

Lei dá prioridade ao transporte de órgãos e tecidos destinados a transplantes

24/05/2024 06:45
Lei dá prioridade ao transporte de órgãos e tecidos destinados a transplantes
ALEMS debate garantia de alimento para crianças com alergia ao leite
Saúde

ALEMS debate garantia de alimento para crianças com alergia ao leite

23/05/2024 22:00
ALEMS debate garantia de alimento para crianças com alergia ao leite
Infogripe indica que VSR e Influenza A ainda estão em alta
Saúde

Infogripe indica que VSR e Influenza A ainda estão em alta

23/05/2024 20:15
Infogripe indica que VSR e Influenza A ainda estão em alta
Últimas Notícias