Dourados – MS quarta, 24 de fevereiro de 2021
Dourados
35º max
24º min
Influx
Saúde

Sintomas de depressão pós-parto atingem 26% das mães

02 Mai 2016 - 20h06
Sintomas de depressão pós-parto atingem 26% das mães  -
Uma pesquisa da especialista Mariza Theme, da Ensp, ligada a Fiocruz aponta que sintomas de depressão pós-parto atingem 26% das mães no Brasil. O número constatado é mais alto do que a OMS espera nos países de baixa renda. É importante que a família fique atenta aos sinais. Esses sintomas podem impactar na relação da mãe com o filho. A prevalência desse distúrbio no país foi mais elevada que a estimada pela OMS para países de baixa renda.

O trabalho foi desenvolvido no âmbito da pesquisa Nascer no Brasil, maior estudo a respeito de parto e nascimento no país já ocorrido. Coordenado pelas pesquisadoras Maria do Carmo Leal e Silvana Granado, a pesquisa apontou número excessivo de cesarianas (52% no total, contra 88% no setor privado) e ainda a persistência de intervenções dolorosas e desnecessárias no parto (como a episiotomia e a manobra de Kristeller, uso de ocitocina, menor frequência da utilização de analgesia obstétrica, dentre outros).

"O estudo Nascer destacou o elevado número de cesarianas e os efeitos que o parto no Brasil tem sobre a mulher e o bebê. Sabíamos, por exemplo, da associação entre a cesariana e o desenvolvimento do transtorno de estresse pós-traumático, mas não era isso que desejávamos analisar. O que ainda não havia sido investigado era se tal modelo de parto, com muitas intervenções desnecessárias, poderia ser um desencadeador do quadro depressivo dessas mães. Esse foi um dos pontos de partida da pesquisa", explicou Mariza.

A pesquisa entrevistou 23.896 mulheres no período de 6 a 18 meses após o nascimento do bebê. A prevalência global de sintomas de depressão pós-parto foi de 26,3%, mas a comparação entre os períodos de 6 a 9 meses (25,7%) e de 9 a 12 meses (27,1%) não indicou diferença significativa no desenvolvimento do transtorno mental.

Foram analisadas variáveis sociodemográficas, individuais e obstétricas. Com o intuito de verificar se o uso de intervenções durante o trabalho de parto, particularmente o trabalho de parto muito doloroso e sem analgesia, estaria associado ao desenvolvimento de sintomas depressivos, foi criado um indicador de "trabalho de parto doloroso" que incluía as mulheres submetidas ao uso de medicação para acelerar o trabalho de parto, e que referiram aumento significativo da dor; que não tiveram acesso a nenhum tipo de analgesia; e que passaram pela manobra de kristeller (aplicação de pressão na parte superior do útero com o objetivo de facilitar a saída do bebê). Além disso, o histórico de perda fetal ou neonatal; complicações na gravidez, parto e pós-parto (incluindo a realização de histerectomia) e se a gravidez foi planejada estiveram no escopo das entrevistas.

"Observamos que essas variáveis da intervenção no parto não mostraram associação com a depressão pós-parto. O resultado nos leva a algumas hipóteses, entre elas o fato de haver uma aceitação como "normal" o modelo atual de atenção ao parto ainda realizado no Brasil. Em outras palavras, será que essas manobras já estão tão assimiladas que não funcionariam como um possível fator que levaria à depressão?", questionou.

As mães que apresentaram sintomas de depressão pós-parto, de acordo com o modelo final da análise, são da cor parda, de baixa condição socioeconômica, com antecedentes de transtorno mental, com hábitos não saudáveis, como o uso excessivo de álcool, paridade alta e que não planejaram a gravidez. "Os resultados são muito coerentes com o que a literatura internacional demonstra", disse.

Por último, chamou a atenção da equipe de trabalho uma pergunta sobre a avaliação do atendimento na maternidade, na ocasião da alta médica. As mulheres que desenvolveram sintomas de depressão foram aquelas que avaliaram pior seu atendimento. "Isso suscitou algumas interpretações, mas, como a investigação da depressão foi realizada num único momento, não sabemos se a avaliação foi ruim porque a mulher estava deprimida ou se o atendimento, de fato, foi inadequado e desencadeou o surgimento dos sintomas. As mulheres que fizeram má avaliação do atendimento tiveram probabilidade duas vezes maior de apresentar os sintomas depressivos do que aquelas que avaliaram como muito bom." (EBC)

Deixe seu Comentário

Leia Também

MS ainda não registrou casos da variante do coronavírus e adota medidas para agilizar realização de exames
Covid-19

MS ainda não registrou casos da variante do coronavírus e adota medidas para agilizar realização de exames

24/02/2021 16:26
MS ainda não registrou casos da variante do coronavírus e adota medidas para agilizar realização de exames
MS tem média móvel de 835 casos novos por dia
Covid-19

MS tem média móvel de 835 casos novos por dia

24/02/2021 15:39
MS tem média móvel de 835 casos novos por dia
Reabilitação melhora em 26% a recuperação de pacientes pós Covid-19
Covid-19

Reabilitação melhora em 26% a recuperação de pacientes pós Covid-19

24/02/2021 11:15
Reabilitação melhora em 26% a recuperação de pacientes pós Covid-19
Anvisa concede primeiro registro definitivo para vacina contra a Covid-19 nas Américas
Saúde

Anvisa concede primeiro registro definitivo para vacina contra a Covid-19 nas Américas

24/02/2021 09:51
Anvisa concede primeiro registro definitivo para vacina contra a Covid-19 nas Américas
Saúde realiza consulta pública sobre a incorporação do canabidiol para tratamento de epilepsia refratária
Avaliação

Saúde realiza consulta pública sobre a incorporação do canabidiol para tratamento de epilepsia refratária

24/02/2021 08:57
Saúde realiza consulta pública sobre a incorporação do canabidiol para tratamento de epilepsia refratária
Últimas Notícias