Dourados – MS sexta, 14 de junho de 2024
26º
Referência

Professora da UFGD mantém pesquisas com plantas medicinais

16 Dez 2019 - 16h15
Professora da UFGD mantém pesquisas com plantas medicinais -

Quem nunca tomou um chazinho para melhorar de uma dor de barriga, ressaca ou para combater sintomas de resfriado? A cultura popular é guardiã das informações sobre as plantas que podem ser utilizadas para aliviar o mal estar e até mesmo curar doenças. Pensando em preservar esses conhecimentos, a professora Maria do Carmo Vieira mantém, há 31 anos, o Horto de Plantas Medicinais da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Ela e Néstor Antonio Heredia Zárate, ambos professores do curso de Agronomia, iniciaram uma área de cultivo de hortaliças em 1985, época do Centro Universitário de Dourados (Ceud),  ligado à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). A partir de 1988, Maria do Carmo decidiu incluir nessa área o cultivo de plantas medicinais, já que tinha interesse pelo assunto.

Para começar o projeto, ela contou com o apoio da comunidade douradense. As primeiras mudas de plantas foram doadas por amigos, que também ajudaram indicando raizeiros e outras pessoas que cultivavam plantas de uso medicinal. Maria do Carmo procurava essas pessoas para pedir doações de mudas e também para coletar informações sobre a forma como cada planta é usada.

Maria do Carmo conta que começou recebendo doações de plantas exóticas (ou seja, que não são nativas da região), como calêndula, camomila, manjericão (também chamado de alfavaca). Aos poucos, a atenção foi se voltando para as plantas medicinais da região como a guavira, marmelo do cerrado, ginseng, pimenta rosa, entre outros

Conforme Maria do Carmo, em 1997 foi instituído que os cursos de Agronomia do país deveriam incluir em seu currículo a disciplina Plantas Medicinais. Como agrônoma, seu trabalho ao longo desses 31 anos vem sendo de preservar e cultivar essas plantas, observando suas características como: a época em que crescem; quando dão flores e frutos; quais são as pragas que mais acometem; em que tipo de solo, quantidade de água ou exposição ao sol em que a planta se adapta melhor; entre outras informações importantes para o cultivo.

A professora lembra que “a população tem um conhecimento empírico, tradicional, as pessoas cultivam as plantas e delas extraem partes para uso medicinal. A importância do trabalho agronômico é aprender a melhor forma de cultivar, ou ainda orientar as pessoas para colher de forma sustentável quando tratamos de espécies que crescem em áreas nativas – como é o caso da guavira”.

Em mais de 30 anos de trabalho com o cultivo de diferentes plantas medicinais, a professora veio consolidando ao seu redor uma rede de pesquisadores de diferentes áreas: Engenharia de Alimentos, Nutrição, Farmácia, Biologia, Agronomia, Zootecnia, Química, entre tantas outras. Isso porque, ao identificar e cultivar uma nova planta com potencial nutricional ou medicamentoso, a professora Maria do Carmo precisava buscar pessoas de outras áreas do conhecimento, que pudessem testar e comprovar o conhecimento que a sabedoria popular indicava.

Ao longo desses 31 anos de horto de plantas medicinais, a professora já captou recursos da ordem de R$ 2,5 milhões, provindos de órgãos de fomento como CNPq e FUNDECT-MS, em editais como Rede Pró-Centro-Oeste, Pronem, Pronex e Bolsas de Produtividade em pesquisa, iniciação científica, pós-graduação e outras. Os recursos são aplicados em pesquisas que buscam descobrir alimentos com alto teor nutritivo, plantas que podem ser usadas de forma caseira para ajudar em tratamentos médicos, e ainda fitomedicamentos que podem ser produzidos a partir dessas plantas cultivadas na UFGD.

Além de ministrar aulas, Maria do Carmo orienta pesquisas de estudantes da graduação, mestrado e doutorado, coordena o Horto de Plantas Medicinais e ainda realiza palestras e minicursos práticos sobre como implantar hortas e cultivar plantas medicinais em postos de saúde, creches e outras instituições. Atualmente, o Horto de Plantas Medicinais conta com um espaço de 2 hectares, onde são cultivadas plantas medicinais e hortaliças não convencionais, que servem para pesquisas que verificam seus potenciais nutritivos e para tratamento de doenças. O horto fica na Cidade Universitária, em área da Faculdade de Ciências Agrárias (FCA/UFGD).

Quem tiver interesse em fazer alguma visita ou quiser pedir mudas, pode entrar em contato diretamente com a professora Maria do Carmo Vieira, no telefone institucional (67) 3410-2426, no celular 99219-8937 ou no e-mail: [email protected].

Deixe seu Comentário

Leia Também

Nova Caderneta da Criança atualiza teste para detecção de autismo
Saúde

Nova Caderneta da Criança atualiza teste para detecção de autismo

há 32 minutos atrás
Nova Caderneta da Criança atualiza teste para detecção de autismo
Lei define 29/10 como Dia Nacional de Prevenção ao Acidente Vascular Cerebral
Saúde

Lei define 29/10 como Dia Nacional de Prevenção ao Acidente Vascular Cerebral

14/06/2024 06:45
Lei define 29/10 como Dia Nacional de Prevenção ao Acidente Vascular Cerebral
Comissão aprova presença de intérprete de Libras para acompanhar paciente surdo em hospital
Saúde

Comissão aprova presença de intérprete de Libras para acompanhar paciente surdo em hospital

14/06/2024 06:30
Comissão aprova presença de intérprete de Libras para acompanhar paciente surdo em hospital
Hemosul de Dourados realiza Dia D da Doação de Sangue
Dourados

Hemosul de Dourados realiza Dia D da Doação de Sangue

14/06/2024 06:15
Hemosul de Dourados realiza Dia D da Doação de Sangue
Câmara se ilumina de vermelho pelos dias mundiais do Doador de Sangue e da Talassemia
Saúde

Câmara se ilumina de vermelho pelos dias mundiais do Doador de Sangue e da Talassemia

13/06/2024 20:50
Câmara se ilumina de vermelho pelos dias mundiais do Doador de Sangue e da Talassemia
Últimas Notícias