Dourados – MS segunda, 19 de abril de 2021
Dourados
32º max
18º min
Influx - Campanha 2021
Saúde

Novo tipo de nanopartículas pode gerar vacina contra a Aids

23 Fev 2011 - 15h45
Células imunes, marcadas em verde fluorescente,
cercadas pelas nanopartículas - Crédito: Foto: Peter DeMuth e
James Moon / MITCélulas imunes, marcadas em verde fluorescente, cercadas pelas nanopartículas - Crédito: Foto: Peter DeMuth e James Moon / MIT
Engenheiros do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) desenvolveram um novo tipo de nanopartículas que pode aumentar a segurança e a eficácia de vacinas contra várias doenças, entre elas a Aids. As partículas consistem de esferas oleosas capazes de conduzir versões sintéticas de proteínas normalmente produzidas pelos vírus. A pesquisa foi publicada pela “Nature Materials”.

Segundo Daniel Irvine, pesquisador que assina o artigo, essas partículas sintéticas obtêm uma resposta imunológica forte – em comparação às vacinas que usam vírus vivos –, mas são bem mais seguras. Ela está sendo testada em camundongos com uma vacina experimental contra a malária.

As vacinas protegem o corpo inserindo nele um agente infeccioso que faz o sistema imunológico reagir rapidamente se o encontrar novamente no futuro. Em algumas vacinas, como na da varíola ou na da poliomielite, é usado o vírus numa forma morta ou incapacitada. Em outras, como na da difteria, utiliza-se uma versão sintética ou outra molécula produzida por ele.

Quando uma vacina é produzida, os cientistas tentam acionar pelo menos um dos dois principais elementos do nosso sistema imunológico. Os linfócitos T atacam as células já infectadas, enquanto os linfócitos B produzem anticorpos que atacam vírus e bactérias presentes no sangue e em outros fluidos do corpo humano.

Para vírus que se alojam dentro das células, como é o caso do HIV, é preciso acionar os linfócitos T. A melhor forma de fazer isto é, de forma geral, usar o vírus morto ou incapacitado. No caso do HIV, no entanto, essa prática é perigosa demais.

Por isto, a ciência tem investido nas proteínas sintéticas, mas elas não obtêm uma resposta forte dos linfócitos T. É essa solução que Irvine espera ter encontrado. Em testes com camundongos, 30% de todas os linfócitos T dos animais imunizados se adaptaram especificamente à proteína da vacina. Segundo os cientistas que desenvolveram a pesquisa, esta é uma das melhores respostas já geradas.

No futuro, descoberta da nanopartícula poderá contribuir para o desenvolvimento de novas vacinas. “Definitivamente, há potencial suficiente e vale a pena explorá-lo com experimentos mais sofisticados e mais caros”, afirmou Irvine. (G1)

Deixe seu Comentário

Leia Também

São Paulo inicia fase de transição para retomada da economia
COVID-19

São Paulo inicia fase de transição para retomada da economia

19/04/2021 16:00
São Paulo inicia fase de transição para retomada da economia
Covid-19 tem leve estabilidade, mas patamar continua alto
Coronavírus

Covid-19 tem leve estabilidade, mas patamar continua alto

19/04/2021 14:14
Covid-19 tem leve estabilidade, mas patamar continua alto
Municípios podem não receber novas vacinas, caso não alimentem sistema de informações
Pandemia

Municípios podem não receber novas vacinas, caso não alimentem sistema de informações

19/04/2021 13:28
Municípios podem não receber novas vacinas, caso não alimentem sistema de informações
Pandemia permanece em níveis preocupantes, alerta Fiocruz
COVID-19

Pandemia permanece em níveis preocupantes, alerta Fiocruz

19/04/2021 07:30
Pandemia permanece em níveis preocupantes, alerta Fiocruz
MS assina carta dos governadores à ONU por mais vacinas
MAIS VACINAS

MS assina carta dos governadores à ONU por mais vacinas

18/04/2021 16:16
MS assina carta dos governadores à ONU por mais vacinas
Últimas Notícias