Dourados – MS sábado, 13 de julho de 2024
10º
Saúde

Novo remédio para Alzheimer é luz no fim do túnel, mas não é a salvação

O Donanemab foi aprovado em fases iniciais nos EUA e traz novidades positivas, mas Orestes Forlenza adverte que, embora promissor, é indicado apenas para certos casos

21 Jun 2024 - 08h00Por Jornal da USP no Ar
O intuito da droga é retirar o peptídeo amiloide, que "é uma clivagem anormal de uma proteína neuronal - Crédito:  Cedida pelo pesquisadorO intuito da droga é retirar o peptídeo amiloide, que "é uma clivagem anormal de uma proteína neuronal - Crédito: Cedida pelo pesquisador

Droga que retarda progressão do Alzheimer é eficaz, de acordo com painel da FDA, órgão federal sanitário dos Estados Unidos. Os consultores da agência norte-americana votaram unanimemente a favor da eficácia do Donanemab, que retarda a progressão da doença em 60% nos estágios iniciais. O comitê considerou que os benefícios superam os riscos, abrindo caminho para a decisão final do órgão dos Estados Unidos. O professor Orestes Forlenza, do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP, considera o medicamento uma “luz no fim do túnel” para o tratamento de Alzheimer – doença esta que tem sido um grande desafio para os pesquisadores e que ainda não tem cura. Por outro lado, Forlenza faz uma série de ressalvas sobre o medicamento, como custo, efeitos colaterais e benefícios modestos.

Orestes Vicente Forlenza – Foto: Reprodução/HCFM-USP

 

O Donanemab é uma das drogas que integram uma nova classe de medicamentos que têm como objetivo tentar retardar ou até mesmo impedir a progressão do processo patológico da doença de Alzheimer. É uma droga que está em estudo já há alguns anos, tanto que a publicação dos resultados é recente. A proposta dessa nova classe, segundo o médico da USP, “é a formulação de anticorpos monoclonais, que são anticorpos prontos para a remoção do beta amiloide (peptídeo ao qual a origem do Alzheimer é atribuída)”. Ele complementa: “Evidentemente, a administração desses anticorpos é complicada. Tem que ser feita por via infusional e são estudos bastante complexos”. É importante ressaltar que as primeiras drogas testadas dessa classe fracassaram; são várias drogas com uma proposta muito parecida, mas que foram interrompidas.

O Donanemab passa a ser, portanto, a droga mais recente e, por hora, a mais promissora. Como comentado pelo professor, o intuito da droga é retirar o peptídeo amiloide, que “é uma clivagem anormal de uma proteína neuronal, exercendo um efeito tóxico e uma cascata de eventos que levam à neurodegeneração”, explica ele. Retirando a amiloide do cérebro, a consequência seria uma atenuação dos sintomas da doença.

Contrapontos

Ainda que os resultados da pesquisa sejam os mais promissores atualmente, “os resultados não foram tão bons como se esperava. O benefício clínico é pequeno, embora a remoção do amiloide ocorra”, afirma Forlenza. Ele diz que é praticamente consensual na comunidade científica que o peptídeo é a causa do Alzheimer, então a expectativa era de que os efeitos do medicamento fossem melhores.

Ele ressalta também que o Donanemab é indicado apenas em casos bem iniciais da doença. “Essa droga não vai servir para todos os pacientes, porque o benefício clínico está atrelado a um momento muito específico da trajetória da progressão dessa doença e é praticamente certo que não haverá benefício, se o quadro já estiver instaurado, é tarde demais”, diz Forlenza. Os benefícios estariam restritos apenas ao longo do curso da doença.

Por esse motivo, ele diz que é absolutamente vital que o medicamento seja indicado sob critérios rigorosos, pois, caso fuja deles, o efeito positivo não ocorrerá, com o risco ainda de efeitos colaterais negativos. Além disso, o medicamento não pode ser gasto de qualquer maneira: a utilização dele custa US$ 60 mil por ano, aproximadamente R$ 320 mil. Com isso em mente, ele comenta que o Donanemab, se aprovado, será restrito a um grupo pequeno de pessoas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde recomenda atenção para casos de febre Oropouche no país
Saúde

Saúde recomenda atenção para casos de febre Oropouche no país

13/07/2024 21:00
Saúde recomenda atenção para casos de febre Oropouche no país
Saúde de MS ganha nova ferramenta digital para evitar judicialização de processos
Judiciário

Saúde de MS ganha nova ferramenta digital para evitar judicialização de processos

13/07/2024 15:00
Saúde de MS ganha nova ferramenta digital para evitar judicialização de processos
Promotora de Justiça palestra em evento sobre solução de conflitos na área da saúde
Campo Grande

Promotora de Justiça palestra em evento sobre solução de conflitos na área da saúde

13/07/2024 12:00
Promotora de Justiça palestra em evento sobre solução de conflitos na área da saúde
Vacina nacional contra covid está em fase avançada, diz ministra
Saúde

Vacina nacional contra covid está em fase avançada, diz ministra

13/07/2024 11:00
Vacina nacional contra covid está em fase avançada, diz ministra
Hospital Universitário é reconhecido pela Anvisa pelo quarto ano consecutivo
Saúde

Hospital Universitário é reconhecido pela Anvisa pelo quarto ano consecutivo

13/07/2024 07:45
Hospital Universitário é reconhecido pela Anvisa pelo quarto ano consecutivo
Últimas Notícias