Dourados – MS domingo, 20 de junho de 2021
Dourados
19º max
10º min
Saúde

Estudantes apresentam em feira repelentes e inseticidas contra Aedes aegypti

16 Mar 2016 - 09h32
Experiências para combater o mosquito Aedes aegypti são apresentados por alunos durante feira em São Paulo - Experiências para combater o mosquito Aedes aegypti são apresentados por alunos durante feira em São Paulo -
Experimentos de produtos que combatem o mosquito Aedes aegypti, desenvolvidos por estudantes, estão entre os destaques da 14ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), que ocorre na Universidade de São Paulo (USP).

As irmãs Danielle Matos e Isabelle Matos, alunas da Escola Status Jardim Paulista, de Campo Grande (MS), desenvolveram um óleo à base de folhas de pitangueira – Eugenia uniflora – capaz de, segundo testes iniciais, repelir e matar o mosquito.

"A nossa ideia surgiu a partir de uma observação feita em casa. De quatro pessoas, só três pegaram dengue. Minha irmã, eu e meu pai. A minha mãe foi a única que não pegou. Na mesma semana, ela tinha trocado o perfume e começado a usar um à base da pitanga. Aí surgiu a ideia", contou Danielle.

O produto aplicado em água parada reduziu em 85% a presença de ovos, mostrando um efeito repelente à fêmea do mosquito. O óleo também foi capaz de matar de 50% a 62,5% as larvas que nasceram dos ovos.
"A gente encontra um pneu em terreno baldio e, quando chover, esse pneu vai ser um possível foco do mosquito. A gente pinga algumas gotas lá dentro e o mosquito vem e não deposita seus ovos. E se depositar, o óleo vai matar na fase de ovo de larva, não vai virar mosquito".

Segundo as estudantes, não é possível fabricar o óleo em casa, já que para isso seriam necessários solventes e equipamentos apenas encontrados em laboratórios. O produto ainda não foi testado para uso na pele humana. De acordo com as alunas, ainda são necessários mais estudos para a produção em larga escala.
O aluno Leandro Rastelli, da Escola Afonso Cafaro, de Fernandópolis (SP), buscou desenvolver um larvicida à base da planta Dieffenbachia picta schott, conhecida popularmente como Comigo Ninguém Pode. Os testes iniciais comprovaram que a toxicidade da planta também tem efeito sobre a larva, a pupa e o mosquito Aedes aegypti.

"A ideia é pegar a planta Comigo Ninguém Pode e fazer um inseticida natural, de fácil fabricação, que possa combater a larva, a pupa e também o mosquito. É um líquido, que seria colocado primeiramente em calhas e ralos, lugares difíceis para se combater a dengue e de difícil acesso às pessoas", disse Leandro. Devido à toxicidade da planta, não é recomendado, no entanto, que as pessoas tentem produzir em casa, a partir do Comigo Ninguém Pode, qualquer tipo de produto para combater o mosquito.

Fonte: Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

Domingo tem vacinação para lactantes e tutores no CCI André Chamorro
Dourados

Domingo tem vacinação para lactantes e tutores no CCI André Chamorro

20/06/2021 08:52
Domingo tem vacinação para lactantes e tutores no CCI André Chamorro
Pandemia

Brasil registra mais de 500 mil mortos por covid-19

20/06/2021 08:00
Mais 4,2 milhões de doses de vacinas covid-19 são enviadas para todo o Brasil
Brasil

Mais 4,2 milhões de doses de vacinas covid-19 são enviadas para todo o Brasil

19/06/2021 13:00
Mais 4,2 milhões de doses de vacinas covid-19 são enviadas para todo o Brasil
Secretário diz que até agosto população de MS estará vacinada
Vacinação

Secretário diz que até agosto população de MS estará vacinada

19/06/2021 12:30
Secretário diz que até agosto população de MS estará vacinada
Saúde fica iluminada para Campanha ‘Junho Lilás’ em alusão ao Teste do Pezinho
Junho Lilás

Saúde fica iluminada para Campanha ‘Junho Lilás’ em alusão ao Teste do Pezinho

19/06/2021 11:30
Saúde fica iluminada para Campanha ‘Junho Lilás’ em alusão ao Teste do Pezinho
Últimas Notícias