Dourados – MS sexta, 19 de julho de 2024
25º
Saúde

Estudantes apresentam em feira repelentes e inseticidas contra Aedes aegypti

16 Mar 2016 - 09h32
Experiências para combater o mosquito Aedes aegypti são apresentados por alunos durante feira em São Paulo - Experiências para combater o mosquito Aedes aegypti são apresentados por alunos durante feira em São Paulo -
Experimentos de produtos que combatem o mosquito Aedes aegypti, desenvolvidos por estudantes, estão entre os destaques da 14ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), que ocorre na Universidade de São Paulo (USP).

As irmãs Danielle Matos e Isabelle Matos, alunas da Escola Status Jardim Paulista, de Campo Grande (MS), desenvolveram um óleo à base de folhas de pitangueira – Eugenia uniflora – capaz de, segundo testes iniciais, repelir e matar o mosquito.

"A nossa ideia surgiu a partir de uma observação feita em casa. De quatro pessoas, só três pegaram dengue. Minha irmã, eu e meu pai. A minha mãe foi a única que não pegou. Na mesma semana, ela tinha trocado o perfume e começado a usar um à base da pitanga. Aí surgiu a ideia", contou Danielle.

O produto aplicado em água parada reduziu em 85% a presença de ovos, mostrando um efeito repelente à fêmea do mosquito. O óleo também foi capaz de matar de 50% a 62,5% as larvas que nasceram dos ovos.
"A gente encontra um pneu em terreno baldio e, quando chover, esse pneu vai ser um possível foco do mosquito. A gente pinga algumas gotas lá dentro e o mosquito vem e não deposita seus ovos. E se depositar, o óleo vai matar na fase de ovo de larva, não vai virar mosquito".

Segundo as estudantes, não é possível fabricar o óleo em casa, já que para isso seriam necessários solventes e equipamentos apenas encontrados em laboratórios. O produto ainda não foi testado para uso na pele humana. De acordo com as alunas, ainda são necessários mais estudos para a produção em larga escala.
O aluno Leandro Rastelli, da Escola Afonso Cafaro, de Fernandópolis (SP), buscou desenvolver um larvicida à base da planta Dieffenbachia picta schott, conhecida popularmente como Comigo Ninguém Pode. Os testes iniciais comprovaram que a toxicidade da planta também tem efeito sobre a larva, a pupa e o mosquito Aedes aegypti.

"A ideia é pegar a planta Comigo Ninguém Pode e fazer um inseticida natural, de fácil fabricação, que possa combater a larva, a pupa e também o mosquito. É um líquido, que seria colocado primeiramente em calhas e ralos, lugares difíceis para se combater a dengue e de difícil acesso às pessoas", disse Leandro. Devido à toxicidade da planta, não é recomendado, no entanto, que as pessoas tentem produzir em casa, a partir do Comigo Ninguém Pode, qualquer tipo de produto para combater o mosquito.

Fonte: Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

Por que as pessoas não obesas estão recorrendo a novos remédios para emagrecer?
Saúde

Por que as pessoas não obesas estão recorrendo a novos remédios para emagrecer?

19/07/2024 07:45
Por que as pessoas não obesas estão recorrendo a novos remédios para emagrecer?
Análise realizada em farinha e arroz aponta altas taxas de toxinas fúngicas prejudiciais à saúde
Alimentos

Análise realizada em farinha e arroz aponta altas taxas de toxinas fúngicas prejudiciais à saúde

19/07/2024 07:30
Análise realizada em farinha e arroz aponta altas taxas de toxinas fúngicas prejudiciais à saúde
HRMS inicia projeto de capacitação a distância com foco na saúde da criança em MS
Saúde

HRMS inicia projeto de capacitação a distância com foco na saúde da criança em MS

18/07/2024 18:30
HRMS inicia projeto de capacitação a distância com foco na saúde da criança em MS
MS registra 15.101 casos confirmados de dengue
Saúde

MS registra 15.101 casos confirmados de dengue

18/07/2024 17:30
MS registra 15.101 casos confirmados de dengue
Rigidez muscular é o principal sintoma da síndrome de Stiff Person
Saúde

Rigidez muscular é o principal sintoma da síndrome de Stiff Person

18/07/2024 08:00
Rigidez muscular é o principal sintoma da síndrome de Stiff Person
Últimas Notícias