Dourados – MS sábado, 18 de maio de 2024
20º
Saúde

Entidades médicas defendem a proibição dos cigarros eletrônicos no Brasil

Utilizado por jovens, ‘vapes’ ou ‘pen drive’ contêm nicotina e dezenas de substâncias químicas, incluindo cancerígenos

14 Mai 2022 - 14h00Por Gracindo Ramos, especial para O Progresso
Liberação do uso dos dispositivos pode reverter décadas de esforços da política de controle do tabaco no Brasil - Crédito: Ministério da SaúdeLiberação do uso dos dispositivos pode reverter décadas de esforços da política de controle do tabaco no Brasil - Crédito: Ministério da Saúde

Entidades médicas que atuam no combate ao tabagismo se posicionaram, no dia 9 de maio, por meio de uma nota pública, pela proibição da comercialização, importação e propagandas de quaisquer dispositivos eletrônicos para fumar, conhecidos como cigarros eletrônicos, “vapes”, e-cigarros, e-cigs, e-cigarettes ou “pen drive”. As autoridades aguardam o posicionamento da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) sobre a liberação do uso desses produtos. 

Segundo as entidades, “a Anvisa está na fase final de elaboração de seu posicionamento quanto à liberação do uso dos Dispositivos Eletrônicos para Fumar (DEFs) e, neste oportuno momento, ciente da forte pressão da indústria do tabaco [...] posicionam-se veemente contra a liberação da comercialização, importação e propagandas de quaisquer dispositivos eletrônicos para fumar”.

O forte posicionamento é da Associação Médica Brasileira (AMB), a Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas (ABEAD), a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO), a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), bem como as demais entidades signatárias do documento.

Além disso, as entidades exigem medidas mais rigorosas para fiscalização e punição de violadores desta resolução e ressaltam a preocupação com o aumento do uso desenfreado desses dispositivos, em especial entre os jovens. “Os DEFS são uma ameaça à saúde pública, porque representam uma combinação de riscos. Em especial, esses dispositivos atraem pessoas que nunca fumaram, persuadidas pelos aromas agradáveis, sabores variados, inovação tecnológica e estigmas de liberdade”, diz a nota.

Segundo a Associação Médica Brasileira, os cigarros eletrônicos contêm nicotina e dezenas de substâncias químicas, incluindo cancerígenos comprovados que afetam pulmão, bexiga, esôfago e estômago. “Há, ainda, o risco de explosões do aparelho e intoxicação”, afirma. 

Segundo a nota, a indústria do tabaco lançou esses produtos no mercado usando como estratégia o discurso de redução de danos em relação ao tabagismo convencional e como opção de tratamento para cessação dos cigarros combustíveis. Outra informação propalada seria de que os produtos não contêm monóxido de carbono e, normalizando o seu uso em ambientes fechados, apresentados como supostamente ‘saudáveis’, com a ideia de poder fumar sem culpa, já que o produto ‘se trataria apenas de vapor de água’ e não conteria substâncias tóxicas e perigosas”.

No entanto, as entidades alertam que estudos científicos mostram que o uso dos DEFs está diretamente ligado ao surgimento de várias doenças respiratórias, gastrointestinais, orais, entre outras, além de causar dependência e estimular o uso dos cigarros convencionais. “Em contrapartida, o conhecimento sobre esses malefícios ainda é pouco difundido entre seus usuários”, pontua.

Em 2009, a ANVISA proibiu a venda, importação e propaganda desses produtos. Contudo, a comercialização online é comum e, “apesar da proibição e até mesmo grandes lojas de departamento vendem dispositivos eletrônicos para fumar, livremente, para crianças e adolescentes. Mesmo as ações e multas da ANVISA parecem não inibir esse comércio”, alerta.

“Desta forma, a ampla utilização dos DEFS pode reverter, em pouco tempo, o sucesso das políticas de controle do tabaco obtido em décadas de esforços do Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT). A comunidade científica e de saúde pública brasileira só espera uma coisa da ANVISA: que NÃO libere a comercialização dos DEFS no Brasil e que exerça seu papel de proteger a saúde da população brasileira. Os cigarros eletrônicos não podem reverter décadas de esforços da política de controle do tabaco no Brasil”, finaliza.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Prefeitura realiza atendimentos de saúde e vacinação no Jóquei Clube neste sábado
Dourados

Prefeitura realiza atendimentos de saúde e vacinação no Jóquei Clube neste sábado

18/05/2024 08:30
Prefeitura realiza atendimentos de saúde e vacinação no Jóquei Clube neste sábado
Domingo é último dia para primeira dose da vacina contra dengue
Dourados

Domingo é último dia para primeira dose da vacina contra dengue

17/05/2024 17:00
Domingo é último dia para primeira dose da vacina contra dengue
Anvisa defende manutenção de marco regulatório para cannabis medicinal
Saúde

Anvisa defende manutenção de marco regulatório para cannabis medicinal

17/05/2024 14:30
Anvisa defende manutenção de marco regulatório para cannabis medicinal
Respiração consciente: SES desenvolve projeto para servidores com foco no aumento do bem-estar
Saúde

Respiração consciente: SES desenvolve projeto para servidores com foco no aumento do bem-estar

17/05/2024 12:30
Respiração consciente: SES desenvolve projeto para servidores com foco no aumento do bem-estar
5 dicas para cuidar da saúde mental do seu filho
Saúde

5 dicas para cuidar da saúde mental do seu filho

17/05/2024 10:15
5 dicas para cuidar da saúde mental do seu filho
Últimas Notícias