Dourados – MS quinta, 25 de fevereiro de 2021
Dourados
34º max
24º min
Influx
CIÊNCIAS SEM FRONTEIRAS

Ciência sem Fronteiras deve acompanhar bolsistas na volta ao país

08 Ago 2016 - 07h58Por Elvio Lopes Do Progresso
O programa Ciência sem Fronteiras foi lançado em 2011 com a meta de conceder inicialmente 101 mil bolsas. - Crédito: DivulgaçãoO programa Ciência sem Fronteiras foi lançado em 2011 com a meta de conceder inicialmente 101 mil bolsas. - Crédito: Divulgação
O programa Ciência sem Fronteiras deve se preocupar em aproveitar a experiência dos bolsistas quando retornam ao Brasil. É o que defende o presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Abílio Baeta Neves, em entrevista à TV Brasil: "O programa tem que ter reinserção para que depois o estudante não fique rolando no mercado de trabalho ou fique sem a inserção adequada. Isso não é interessante".

O programa Ciência sem Fronteiras foi lançado em 2011 com a meta de conceder inicialmente 101 mil bolsas - 75 mil bancadas pelo setor público e 26 mil por empresas privadas. As bolsas são voltadas para as áreas de ciências exatas, matemática, química e biologia, engenharias, áreas tecnológicas e de saúde. Uma segunda fase do programa deveria ter começado no ano passado, mas em ano de ajuste fiscal, após concluir a meta inicial, o programa foi suspenso para avaliação.

No último dia 25, a Capes anunciou algumas das modificações que deverão ocorrer, entre elas o fim das bolsas para a graduação. Na primeira fase, 78,9% das bolsas foram concedidas a graduandos.

Neves diz que os critérios para a seleção de bolsistas na pós-graduação, que inclui análise de projeto e adequação às linhas de pesquisa das instituições internacionais, deve ser mantido, mas que o Ciência sem Fronteiras deve se preocupar com o aproveitamento dos estudantes quando retornam ao país. Ao falar sobre as bolsas de doutorado e pós-doutorado, lembra que é preciso pensar na inserção dos pesquisadores.

"A ideia de mandar para o exterior é que isso seja proveitoso para o nosso sistema de pesquisa", afirma o presidente. "Reinserir esses indivíduos em um sistema universitário de pesquisa ou inovação é importante para que o programa tenha o impacto desejado desde o início".

A reformulação ainda está sendo feita e Neves não detalhou como será o acompanhamento do retorno dos bolsistas. Segundo ele, o governo está dialogando com as universidades para aumentar a participação delas no acompanhamento dos intercambistas. "De certo modo, o programa aconteceu sem grande envolvimento das universidades brasileiras. Houve um ganho significativo pessoal, mas não houve impacto, não agregou tanto valor assim aos cursos das universidades do Brasil".

Deixe seu Comentário

Leia Também

Bolsonaro edita MP que libera R$ 2,8 bilhões para combate à covid-19
Recursos

Bolsonaro edita MP que libera R$ 2,8 bilhões para combate à covid-19

há 12 horas atrás
Bolsonaro edita MP que libera R$ 2,8 bilhões para combate à covid-19
MS ainda não registrou casos da variante do coronavírus e adota medidas para agilizar realização de exames
Covid-19

MS ainda não registrou casos da variante do coronavírus e adota medidas para agilizar realização de exames

24/02/2021 16:26
MS ainda não registrou casos da variante do coronavírus e adota medidas para agilizar realização de exames
MS tem média móvel de 835 casos novos por dia
Covid-19

MS tem média móvel de 835 casos novos por dia

24/02/2021 15:39
MS tem média móvel de 835 casos novos por dia
Reabilitação melhora em 26% a recuperação de pacientes pós Covid-19
Covid-19

Reabilitação melhora em 26% a recuperação de pacientes pós Covid-19

24/02/2021 11:15
Reabilitação melhora em 26% a recuperação de pacientes pós Covid-19
Anvisa concede primeiro registro definitivo para vacina contra a Covid-19 nas Américas
Saúde

Anvisa concede primeiro registro definitivo para vacina contra a Covid-19 nas Américas

24/02/2021 09:51
Anvisa concede primeiro registro definitivo para vacina contra a Covid-19 nas Américas
Últimas Notícias