Dourados – MS sexta, 15 de outubro de 2021
Dourados
26º max
19º min
Saúde

Amazônia já teve mais de 2,6 bilhões de árvores desmatadas

01 Jun 2011 - 20h45
Mapa do IBGE mostra as áreas antropizadas - Crédito: Foto: ReproduçãoMapa do IBGE mostra as áreas antropizadas - Crédito: Foto: Reprodução
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira (1º) um extenso relatório sobre o patrimônio ambiental da Amazônia Legal que revela, entre outros dados, que até 2002 a região havia sofrido a eliminação de 2,6 bilhões de árvores de sua vegetação original, o que corresponde a aproximadamente 13% do total de plantas com troncos com diâmetro maior que 33 centímetros.

Os dados mais recentes analisados no levantamento do instituto são de 2002. Essas árvores desmatadas correspondem a 4,7 bilhões de metros cúbicos de madeira, afirma o IBGE.

Outra informação relevante levantada no trabalho é que a Amazônia, que representa 59% do território brasileiro, detém 45% da água potável subterrânea do país. As maiores áreas de aquíferos porosos (aqueles formados por rochas sedimentares, e onde normalmente está armazenada a água subeterrânea no Brasil) encontram-se no Amazonas (1,34 milhão de km²), em Mato Grosso (677 mil km²) e no Pará (513 mil km²).

Combustíveis fósseis


O IBGE destaca que, por ser formado predominantemente por rochas sedimentares, o subsolo da Amazônia Legal também tem potencial para exploração de combustíveis fósseis, o que já se confirma pelos campos de petróleo e gás de Urucu, no interior do Amazonas.

As rochas ígneas (formadas a partir do resfriamento do magma que formou a Terra), que compõem 15,1% da área da região, bem como as metamórficas (formadas a partir da tranformação dos dois tipos anteriores de rochas devido a mudanças de temperatura e pressão, por exemplo) que equivalem a 16,1% do subsolo amazônico são propícias para jazidas de minerais como ouro, cassiterita, ferro, zinco, chumbo e cobre.

Neste caso, segundo o IBGE, o Pará é o estado com maior incidência, já que detém 51,9% das rochas sedimentares e 37,3% das metamórficas da região amazônica.

Carbono

O trabalho aponta ainda que o solo da floresta abriga, até 1 metro de profundidade, 95,7 toneladas de carbono em média. A mudança no uso desse solo, como, por exemplo, para fins agropecuários, pode liberar o carbono para a atmosfera, contribuindo para as mudanças climáticas - mais um motivo que torna a floresta em pé importante para o meio ambiente.

O teor de carbono varia de acordo com a porção da Amazônia analisada. As áreas próximas das calhas dos rios apresentam um número menor, segundo mapa do IBGE.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Vírus Nipah pode causar próxima pandemia, diz pesquisadora de Oxford
Saúde

Vírus Nipah pode causar próxima pandemia, diz pesquisadora de Oxford

13/10/2021 15:00
Vírus Nipah pode causar próxima pandemia, diz pesquisadora de Oxford
MS comemora o feriado sem registrar mortes por Covid-19 em 48h
Covid

MS comemora o feriado sem registrar mortes por Covid-19 em 48h

13/10/2021 13:30
MS comemora o feriado sem registrar mortes por Covid-19 em 48h
Brasil atinge marca de 60% da população adulta completamente vacinada contra a Covid-19
saúde

Brasil atinge marca de 60% da população adulta completamente vacinada contra a Covid-19

12/10/2021 16:37
Brasil atinge marca de 60% da população adulta completamente vacinada contra a Covid-19
Saiba quais são os tipos, os sintomas e a transmissão das leishmanioses em humanos
saúde

Saiba quais são os tipos, os sintomas e a transmissão das leishmanioses em humanos

12/10/2021 15:32
Saiba quais são os tipos, os sintomas e a transmissão das leishmanioses em humanos
O corpo como fonte de aprendizagem!
saúde

O corpo como fonte de aprendizagem!

12/10/2021 11:07
O corpo como fonte de aprendizagem!
Últimas Notícias