Dourados – MS sábado, 16 de janeiro de 2021
Dourados
29º max
23º min
Influx
Saúde

Amazônia já teve mais de 2,6 bilhões de árvores desmatadas

01 Jun 2011 - 20h45
Mapa do IBGE mostra as áreas antropizadas - Crédito: Foto: ReproduçãoMapa do IBGE mostra as áreas antropizadas - Crédito: Foto: Reprodução
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira (1º) um extenso relatório sobre o patrimônio ambiental da Amazônia Legal que revela, entre outros dados, que até 2002 a região havia sofrido a eliminação de 2,6 bilhões de árvores de sua vegetação original, o que corresponde a aproximadamente 13% do total de plantas com troncos com diâmetro maior que 33 centímetros.

Os dados mais recentes analisados no levantamento do instituto são de 2002. Essas árvores desmatadas correspondem a 4,7 bilhões de metros cúbicos de madeira, afirma o IBGE.

Outra informação relevante levantada no trabalho é que a Amazônia, que representa 59% do território brasileiro, detém 45% da água potável subterrânea do país. As maiores áreas de aquíferos porosos (aqueles formados por rochas sedimentares, e onde normalmente está armazenada a água subeterrânea no Brasil) encontram-se no Amazonas (1,34 milhão de km²), em Mato Grosso (677 mil km²) e no Pará (513 mil km²).

Combustíveis fósseis


O IBGE destaca que, por ser formado predominantemente por rochas sedimentares, o subsolo da Amazônia Legal também tem potencial para exploração de combustíveis fósseis, o que já se confirma pelos campos de petróleo e gás de Urucu, no interior do Amazonas.

As rochas ígneas (formadas a partir do resfriamento do magma que formou a Terra), que compõem 15,1% da área da região, bem como as metamórficas (formadas a partir da tranformação dos dois tipos anteriores de rochas devido a mudanças de temperatura e pressão, por exemplo) que equivalem a 16,1% do subsolo amazônico são propícias para jazidas de minerais como ouro, cassiterita, ferro, zinco, chumbo e cobre.

Neste caso, segundo o IBGE, o Pará é o estado com maior incidência, já que detém 51,9% das rochas sedimentares e 37,3% das metamórficas da região amazônica.

Carbono

O trabalho aponta ainda que o solo da floresta abriga, até 1 metro de profundidade, 95,7 toneladas de carbono em média. A mudança no uso desse solo, como, por exemplo, para fins agropecuários, pode liberar o carbono para a atmosfera, contribuindo para as mudanças climáticas - mais um motivo que torna a floresta em pé importante para o meio ambiente.

O teor de carbono varia de acordo com a porção da Amazônia analisada. As áreas próximas das calhas dos rios apresentam um número menor, segundo mapa do IBGE.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Janeiro Branco e os cuidados com saúde emocional em meio a uma pandemia
Saúde

Janeiro Branco e os cuidados com saúde emocional em meio a uma pandemia

há 59 minutos atrás
Janeiro Branco e os cuidados com saúde emocional em meio a uma pandemia
Dourados atinge a marca de 195 óbitos por coronavírus desde o início da pandemia
Covid

Dourados atinge a marca de 195 óbitos por coronavírus desde o início da pandemia

16/01/2021 12:58
Dourados atinge a marca de 195 óbitos por coronavírus desde o início da pandemia
SES discute com Ministério da Justiça Operação de Distribuição Nacional de Vacina
Saúde

SES discute com Ministério da Justiça Operação de Distribuição Nacional de Vacina

16/01/2021 11:03
SES discute com Ministério da Justiça Operação de Distribuição Nacional de Vacina
Covid-19: o que nos aguarda em 2021?
Artigo

Covid-19: o que nos aguarda em 2021?

16/01/2021 10:00
Covid-19: o que nos aguarda em 2021?
Frente parlamentar discute Plano de Imunização da Covid-19 na Secretaria da Saúde
Dourados

Frente parlamentar discute Plano de Imunização da Covid-19 na Secretaria da Saúde

16/01/2021 09:35
Frente parlamentar discute Plano de Imunização da Covid-19 na Secretaria da Saúde
Últimas Notícias