Dourados – MS quarta, 05 de agosto de 2020
Dourados
31º max
15º min
Segurança e Saúde JBS
EDUCAÇÃO

UFGD avalia data para retorno de aulas remotas

20 Jun 2020 - 11h30Por Da Redação
(Foto: Divulgação) - (Foto: Divulgação) -

A UFGD possui uma identidade própria. Sua localização geográfica fronteiriça, com predisposição à grande circulação de pessoas advindas de regiões e países vizinhos, bem como sua política de educação inclusiva, com ensinos diferenciados para comunidades indígenas e assentamentos rurais – muitas delas com acesso precário de Internet ou sem disponibilidade de instrumentos tecnológicos para o ensino remoto – são características que denotam sua singularidade diante das demais instituições do país. Após pesquisa com a comunicade acadêmica, a instituição definiu que retomará as aulas remotas, porém a data ainda não foi definida.

No início da pandemia, em março, a Universidade manteve seu calendário acadêmico com a proposição de aulas através de sistema remoto, no entanto, a posteriori decidiu pela suspensão das atividades. Esta decisão se deu a partir de uma leitura realizada dentro da instituição, que considerou as fragilidades existentes e partiu da premissa que o trabalho deveria contemplar as necessidades específicas de toda a comunidade da UFGD e não somente de um grupo.

A universidade, desde aquele momento vem sendo pautada por documentos orientadores do Ministério da Educação (MEC) e deliberações do município e do estado. Em concomitância, realizou diversas ações:

- Inicialmente, a Pró-Reitoria de Ensino de Graduação (PROGRAD) buscou dar orientações no sentido das especificidades do trabalho remoto, uma vez que o mesmo não pode ser considerado apenas como Educação à Distância. Além desta modalidade há outras opções, como as Tecnologias da Educação e Informação (TICs) e o Regime Acadêmico Especial, que trabalha com estudos dirigidos, no qual o professor sistematiza suas disciplinas sem utilizar a Internet, para evitar a exclusão digital. Todas estas possibilidades, muito embora apresentem ganhos significativos para o ensino e aprendizado, exigem adequações.

- Para dar condições de atuação em sistema remoto, a PROGRAD disponibilizou ao corpo docente uma série de cursos, instrumentalizando-os acerca das ferramentas virtuais.

- Através da análise do cenário e do momento que atravessamos no estado do Mato Grosso do Sul, as pró-reitorias e unidades acadêmicas estão elaborando plano de ação de acordo com a disseminação da COVID-19, com orientações à comunidade acadêmica para serem seguidas durante e pós-pandemia. - Como forma de evitar a exclusão digital e a evasão de alunos pelas limitações tecnológicas, a UFGD estuda a possibilidade de aquisição de equipamentos e pacotes de dados de Internet para serem disponibilizados aos alunos.

- As Pró-Reitorias realizaram uma pesquisa (questionário) junto à comunidade acadêmica visando conhecer as especificidades dos docentes, discentes e técnicos. Este estudo foi minuciosamente analisado com cruzamento de dados e será primordial para subsidiar as próximas ações da Universidade.

Resultados da pesquisa
A pesquisa teve participação relevante da comunidade acadêmica com alto grau de confiabilidade e pequena margem de erro. A amostragem seguiu o modelo estatístico proposto por Moore, D. S. and McCabe G. P. (1999) e foi composta por 4.260 discentes que representam 56,23% do quantitativo de 7.576 estudantes, (com margem de erro de 1% para mais ou menos e 95% de índice de confiabilidade). Dos 595 docentes em exercício, 328 responderam representando 55,13% do total (com 95% confiabilidade e margem de erro de 3,63% para mais ou menos), e dos 584 técnicos administrativos da UFGD (sem contabilizar os que estão lotados no HU-UFGD), 282 responderam, representando 48,29% do total (com 95% de confiabilidade e margem de erro 4,20% para mais ou menos).

Após a consulta observou-se que dentre o grupo dos docentes, 47,56% possuem condições de desenvolver atividades remotas; 48,48% consideram ter condições parciais; e apenas (3,96%) revelam não ter condições, sendo apontada como maior dificuldade, os cuidados familiares (filhos e/ou dependentes no grupo de risco).

A internet não foi apontada pelos docentes como empecilho, visto que todos a possuem em suas residências, porém um grupo (15%) a classificou como ruim ou muito ruim. Entre as principais dificuldades para realizar o teletrabalho, os docentes apontaram: necessidade de interação com os alunos para desenvolver o conteúdo e falta de formação sobre como usar ambientes virtuais de aprendizagem e ferramentas de ensino a distância.

Quando questionados sobre o uso de ferramentas de ensino online em condições normais de rotina universitária, 34,45% apontou não utilizar nenhum tipo de ferramenta dessa natureza, no entanto, dentre o grupo participante da pesquisa 77,13% consideram possuir condições de lecionar para cursos de graduação com ferramentas de ensino online. Apesar desta alta porcentagem, a maioria dos docentes (59,15%) alerta que nem todos os alunos terão condições de acessar os conteúdos disponibilizados por meio digital.

Assim, compreende-se que os docentes participantes da pesquisa demonstram disposição para se adequar a realidade do ensino remoto mesmo diante de dificuldades, porém demonstram preocupação com o aluno e seu acesso para acompanhar as atividades.

Na pesquisa aos discentes, quando questionados sobre o local de residência durante a pandemia, 49,5% responderam que residem em Dourados; 36,4% em outros municípios do MS; 13,7% em outros Estados; e 0,2% em outro país. Como perfil majoritário, os alunos participantes da pesquisa não têm filhos (94,1%) e não trabalham (74,6%). Sobre a faixa de renda familiar, 32,6% indicaram até 1,5 salários mínimos; 34,41% entre 1,5 e 3 salários mínimos, o que demonstra que a maioria dos alunos que responderam o questionário pertence às classes economicamente menos favorecidas.

Em relação às condições para aulas remotas, 73,3% indicam que sua residência possui condições adequadas para participação e apenas 3,1% dos respondentes indicou não ter acesso à internet em casa. Nesse sentido, 78,5% consideram que têm condições de manter o pagamento de serviços de internet para realizar atividades remotas e 21,4% não conseguirão.

Entre os respondentes, 83,1% indicaram ter smartfone; 67,7% notebook; 17,1% computador de mesa; 3,1% tablet e 1,2% indicaram não ter nenhum equipamento. Considerando estes equipamentos, 86,5% consideram ter capacidade de download de materiais, e 13,4% consideram não ter capacidade.

Entre as principais dificuldades apontadas pelos discentes para participar de aulas remotas estão: necessidade de interação com os docentes para esclarecer dúvidas (63,2%); condições emocionais (32,9%); conhecimento limitado sobre como usar a Plataforma online de aprendizagem (25,2%); falta de equipamento adequado (24,5%).

Refletindo sobre os dados apresentados do grupo de discentes, percebe-se que a grande maioria tem condição de ter acesso às aulas remotas, via e-mail, whatsapp, plataformas digitais etc. Porém, a principal preocupação da UFGD diz respeito ao grupo de alunos que: não terá condições de acesso, por não possuir internet ou computador; não se encontra em um ambiente familiar tranquilo; não tem condições emocionais, entre outros elencado na pesquisa.

Avaliação e Conclusão
A partir do contexto já avaliado e os subsídios de dados da consulta, concluiu-se que apesar da existência de fragilidades, estas são passíveis de superação, o que aponta para a viabilidade de realização do ensino em formato remoto. A Administração Central, as Pró-Reitorias de Graduação e Pós-Graduação, bem como as Unidades Acadêmicas, estão sistematizando ações que atenderão as especificidades da UFGD, respeitando as etapas de um bom planejamento pedagógico e administrativo da vida acadêmica.

Em síntese, a perspectiva para o retorno remoto é bastante viável e a Universidade trabalha dentro de uma organização coletiva com os diversos setores, para iniciá-lo o quanto antes. Para a Administração é fundamental que a Universidade enfrente os desafios decorrentes de suas especificidades, tendo o máximo de cuidado e resguardo com a saúde da comunidade. A UFGD é uma universidade jovem e, sendo assim, possui algumas fragilidades que outras universidades já superaram pelo tempo de existência, no entanto é preciso que ela tenha sua identidade valorizada e respeitada com todas as suas singularidades.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Inscrições abertas para seleção de docente tradutor e intérprete de Libras
Educação

Inscrições abertas para seleção de docente tradutor e intérprete de Libras

05/08/2020 13:32
Inscrições abertas para seleção de docente tradutor e intérprete de Libras
UFGD vai produzir mais 2 mil litros de álcool 70% para doar a entidades da região
EDUCAÇÃO

UFGD vai produzir mais 2 mil litros de álcool 70% para doar a entidades da região

05/08/2020 11:02
UFGD vai produzir mais 2 mil litros de álcool 70% para doar a entidades da região
Novo decreto municipal proíbe retomada de aulas presenciais em escolas particulares de Dourados
Dourados

Novo decreto municipal proíbe retomada de aulas presenciais em escolas particulares de Dourados

04/08/2020 15:30
Novo decreto municipal proíbe retomada de aulas presenciais em escolas particulares de Dourados
Governo MS investe mais de R$5,3 milhões em bolsas de estudo com foco no avanço da ciência e da tecnologia
CIÊNCIA

Governo MS investe mais de R$5,3 milhões em bolsas de estudo com foco no avanço da ciência e da tecnologia

04/08/2020 11:35
Governo MS investe mais de R$5,3 milhões em bolsas de estudo com foco no avanço da ciência e da tecnologia
Cotidiano

Vídeo de professores da FCBA informa e estimula a valorização da ciência

03/08/2020 14:06
Últimas Notícias