Dourados – MS terça, 29 de setembro de 2020
Dourados
37º max
21º min
MS

Mato Grosso do Sul terá primeira algodoeira certificada pelo ABR-UBA

03 Set 2020 - 13h02Por Abrapa
Mato Grosso do Sul terá primeira algodoeira certificada pelo ABR-UBA -

A primeira algodoeira do Brasil já foi auditada no Mato Grosso do Sul dentro do Programa Algodão Brasileiro Responsável para as Unidades de Beneficiamento de Algodão (ABR-UBA) da Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa). Após o resultado final, a ser divulgado em algumas semanas, toda a cadeia produtiva da fibra na UBA do Grupo JCN, primeira algodoeira do país a ter certificação ABR-UBA, terá rastreabilidade em todas as etapas da produção. Os próximos estados a terem unidades de beneficiamento auditadas serão Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Bahia e Maranhão.

Baseado no conceito da sustentabilidade, em seus pilares ambiental, social e econômico, o ABR-UBA estabelece parâmetros a serem cumpridos e auditados para a certificação das algodoeiras. "Temos muito para comemorar porque, mesmo diante de um cenário desafiador, conseguimos ir a campo, tomando todos os cuidados e precauções, para implantar um programa de certificação com o reconhecimento e o rigor exigidos pelos mercados interno e externo", enfatiza o Presidente da Abrapa, Milton Garbugio. O ABR-UBA é uma evolução do programa Algodão Brasileiro Responsável que certificava apenas as propriedades rurais. As unidades de beneficiamento eram o único elo da cadeia produtiva do algodão que ainda precisava de uma certificação.

"A partir do resultado positivo desta auditoria, futuramente poderemos acompanhar passo a passo todo o processo produtivo de uma roupa feita de algodão e com todas as etapas devidamente certificadas", comemora Garbugio. Assim como o ABR para fazendas, o ABR-UBA passa pelos critérios e acompanhamento das equipes das associações estaduais filiadas à Abrapa, responsáveis por gerir o programa regionalmente, e de auditorias de terceira parte, reconhecidas internacionalmente.

Para o Grupo JCN, a auditoria realizada na tarde de ontem (01) é sinônimo de conquista. O trabalho para alcançar a certificação começou há cinco anos e, ao longo desse tempo, a empresa foi se adequando às exigências para atender ao mercado nacional e internacional. "Nossas fazendas já são certificadas há quatro safras e tudo tem sido feito para nos enquadrarmos nas novas tendências de sustentabilidade. Temos certeza de que passamos pelo crivo dos auditores e alcançamos os percentuais satisfatórios em cada requisito a que fomos submetidos. Para cada coordenador que acompanhou as etapas, esta é uma vitória quase que pessoal", celebra o Gerente de Recursos Humanos do Grupo JCN, Alexandre Gonçalves Cassiano, explicando que a empresa foi auditada em mais de 150 itens, desde os administrativos, técnicos, estruturais, legislativos, ambientais até a saúde do trabalhador.

O rigor na auditoria também chegou ao campo e quem acompanhou todo o processo, desde o início, foi o Coordenador de Segurança do Trabalho, Marcelo Florentino Costa. "Para nós, é um trabalho gratificante, porque comprova que a propriedade está consolidando os pilares da sustentabilidade, produzindo um algodão de qualidade e obtendo excelência na produção", comentou Costa, reafirmando que o Grupo JCN sempre procurou atender a todas as exigências do mercado, desde o plantio até a exportação. "Agora, com nosso produto a um passo de ter a certificação ABR-UBA, vamos agregar valor ao algodão para ampliar nossas fronteiras", avaliou.

Como funciona o ABR-UBA

Para criar o ABR-UBA, a Abrapa utilizou a expertise adquirida com o Programa Algodão Brasileiro Responsável, que, desde 2012, vem ajudando a tornar o Brasil o campeão global de fibra sustentável, licenciada pela entidade de referência internacional no assunto, a ONG suíça Better Cotton Initiative (BCI). Os dois programas unificaram seus protocolos no país em 2013.

A estrutura do programa para as Unidades de Beneficiamento de Algodão (UBA) segue o mesmo arcabouço do ABR para as propriedades rurais, porém, adaptado à natureza da atividade industrial. Com base nos três pilares da sustentabilidade, (ambiental, social e econômico), o ABR-UBA é sustentado por oito critérios de avaliação: contrato de trabalho; proibição do trabalho infantil; proibição de trabalho análogo a escravo ou em condições degradantes ou indignas; liberdade de associação sindical; proibição de discriminação de pessoas; segurança, saúde ocupacional, e meio ambiente do trabalho; desempenho ambiental e boas práticas, em 170 itens de verificação e certificação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Agroflorestas já são mais rentáveis que produção de soja
Sustentabilidade

Agroflorestas já são mais rentáveis que produção de soja

28/09/2020 14:16
Agroflorestas já são mais rentáveis que produção de soja
Produtores de soja tem até 31 de dezembro para cadastrar área de plantio
Palntio da Soja

Produtores de soja tem até 31 de dezembro para cadastrar área de plantio

25/09/2020 18:02
Produtores de soja tem até 31 de dezembro para cadastrar área de plantio
Governo repassa R$ 72,9 milhões a estados para a agricultura familiar
Recursos

Governo repassa R$ 72,9 milhões a estados para a agricultura familiar

25/09/2020 06:11
Governo repassa R$ 72,9 milhões a estados para a agricultura familiar
Pesquisa irá criar biodefensivos para controle de doenças para as principais culturas agrícolas
Rural

Pesquisa irá criar biodefensivos para controle de doenças para as principais culturas agrícolas

24/09/2020 08:33
Pesquisa irá criar biodefensivos para controle de doenças para as principais culturas agrícolas
Frente da Agropecuária defende equilíbrio entre produtividade e preservação ambiental
Rural

Frente da Agropecuária defende equilíbrio entre produtividade e preservação ambiental

23/09/2020 15:02
Frente da Agropecuária defende equilíbrio entre produtividade e preservação ambiental
Últimas Notícias